Questão de Lógica do INSS

por Vítor Menezes em 03/05/2016
A questão abaixo foi retirada do concurso do INSS 2008, feito pelo Cespe. É uma questão que desperta muitas dúvidas nos alunos, que acabam confundindo "equivalência lógica" com "valoração lógica". Vários alunos acertam a questão, mas pelo motivo errado, aplicando equivalência numa questão que não trata deste assunto.
 
O detalhe é que acertar uma questão "por sorte" acaba maquiando a falha conceitual, e propiciando que, em outra questão, o candidato acabe caindo numa pegadinha.
 
A questão em apreço é essa aqui:
 
 
O enunciado é o seguinte:
 
Proposições são sentenças que podem ser julgadas como verdadeiras ou falsas, mas não admitem ambos os julgamentos.
 
A esse respeito, considere que A represente a proposição simples "É dever do servidor apresentar-se ao trabalho com vestimentas adequadas ao exercício da função", e que B represente a proposição simples “É permitido ao servidor que presta atendimento ao público solicitar dos que o procuram ajuda financeira para realizar o cumprimento de sua missão".
 
Considerando as proposições A e B acima, julgue o item subsequente, com respeito ao Código de Ética Profissional do Servidor Público Civil do Poder Executivo Federal e às regras inerentes ao raciocínio lógico.
 
Represente-se por ¬A a proposição composta que é a negação da proposição A, isto é, ¬A é falso quando A é verdadeiro e ¬A é verdadeiro quando A é falso. Desse modo, as proposições "Se ¬A então ¬B" e "Se A então B" têm valores lógicos iguais.
 
Tanto na mensagem recebida, quanto no fórum do TEC, vários alunos tentaram resolver por equivalência, o que está errado. Vai dar a mesma resposta? Nesse caso específico, por sorte, vai sim. Mas é uma solução errada.
 
Detalho melhor no vídeo abaixo.
 
 
Se você quiser receber minhas postagens por e-mail, inscreva-se na minha lista:
 
Benchmark Email
Powered by Benchmark Email
 
Deixe seu comentário:
Ocorreu um erro na requisição, tente executar a operação novamente.