Enunciados de questões e informações de concursos

Logotipo CM BH
Questão 1 de 1
Matéria: Português
Assunto: Advérbio
Comentário do professor Conteúdo teórico Detalhes da questão
Comentário não acessível
Os comentários dos professores estão disponíveis apenas para assinantes. Para visualizá-lo, renove sua assinatura ou, caso seja assinante, faça seu login.
Para ver as informações da questão é necessário somente estar logado, não é preciso ser assinante. Faça o login ou cadastre-se aqui agora mesmo.
Conteúdo teórico não acessível
O conteúdo teórico está disponível apenas para assinantes do Plano Avançado.
Para continuar estudando normalmente, renove sua assinatura!
INSTRUÇÃO: A questão relaciona-se com o texto abaixo. Leia atentamente todo o texto antes de responder a elas.

UM VIRA- LATA NUMA TARDE TRISTE

Naquela tarde, eu estava triste e andava sem rumo pela praça. Tudo parecia triste para mim. As vitrines estavam sem brilho e nenhum dos apelos da publicidade me afetava. Havia na praça alguns bancos. Sentei-me em um deles e fiquei olhando o tumulto do fim de tarde. Algumas pessoas iam apressadas, outras andavam devagar, outras ainda pareciam tão tristes quanto eu e estavam também sentadas nos bancos. Todos estavam prestando atenção em si mesmos. Um casal passou por mim, em silêncio. Um homem falava baixinho, consigo mesmo.

Algumas luzes começavam a ser acesas. Era o início da noite. Todos iam para algum lugar. Só eu estava ali, sem rumo e sem vontade de voltar.

Então, um desses cães vadios, da rua, veio se aproximando do banco em que eu estava. Não estava apressado. Andava apenas. Logo que me viu, parece que tomou a decisão de vir ao meu encontro. Ele mudou de direção. Não abanou o rabo nem se mostrou feliz em se aproximar de mim. Veio se aproximando devagar, como que pedindo licença. Quando estava bem perto, olhou-me sem censura e sem compaixão. Olhou ao redor, voltou a olhar para mim e, em seguida, deitou-se perto dos meus pés. Pousou a cabeça entre as patas dianteiras e ficou ali, olhando para mim. Eu pensei: Não tenho nada para lhe dar. Ele permanecia, ali, olhando para mim. Mudei a posição dos pés. Ele levantou a cabeça e se preparou para sair dali. Porém, como só mudei a posição dos pés, ele se ajeitou melhor e continuou deitado me olhando. De vez em quando, ele levantava a cabeça e olhava alguma coisa ao longe. Sempre que fazia isso, levantava as orelhas, procurando escutar melhor. Depois me olhava e se deitava.

Fiquei reparando aquela figura na minha frente. Tratava-se de um vira-lata, com certeza, embora não entenda nada de cães. Não era de todo magro, embora seu porte indicasse uma vida difícil. Não era um belo exemplar da espécie, mas não era feio. Tinha o pê-lo sujo, mas não despertava nojo. Olhando aquele cão, fiquei imaginando as dificuldades que ele deveria encontrar para sobreviver. Era da rua e, portanto, não tinha dono. Era um cão livre, mas isso tinha um preço. Não tinha almoço ou jantar certos, nem banhos, nem escovação de pê-los, vacinas, ou seja, tudo que parece fazer um cãozinho com dono feliz.

Ele parecia entender o que eu estava pensando. De repente, ele se levantou, espreguiçou-se, abriu a boca, chegou mais perto de mim e cheirou meu sapato, depois a bainha de minha calça. Resolveu deitar-se bem perto de mim.

Notei que agora fechara os olhos e parecia dormir. Fiquei ali velando seu sono e me sentido responsável por sua tranquilidade. Voltei a olhar para a praça e agora tudo parecia mais calmo. Poucas pessoas andavam por ali. As luzes estavam mais brilhantes. Era noite completa.
 
Os ruídos, à noite, são diferentes dos ruídos do dia. A noite amplifica qualquer barulho. E foi assim que fiquei vigiando os ruídos da praça, para que nada incomodasse o sono daquele cão que eu não conhecia e que dormia aos meus pés. Ele parecia dormir placidamente. Fiquei imaginando que sonhos ele teria... Um homem se aproximou de mim e me perguntou as horas. Respondi e ele me perguntou se aquele cãozinho era meu. Disse que não. O homem olhou para o cão e depois para mim. Ia dizer mais alguma coisa, mas desistiu e foi embora.
 
Voltei a olhar para aquele cãozinho deitado aos meus pés. Ele viera, não sei de onde, me fazer companhia. Ele me acolheu e me aceitou, com minha tristeza. Não disse nada, nada pediu. Apenas me aceitou. Fiquei um longo tempo olhando para ele.
 
Mais tarde, ele se levantou. Olhou-me também longamente. Depois se foi, devagar, mas sem olhar para trás. Fiquei novamente sozinho e triste.
 
Nunca mais voltei a ver esse cão, embora tenha voltado muitas vezes à praça. Naquela noite, pensei em levá-lo comigo, dar-lhe abrigo e comida. Porém sua determinação, na hora de partir, deixou-me desconcertado. Ele nada queria de mim. Ele não veio a mim para negociar afeto ou carinho ou comida. Ele apenas me fez companhia, numa hora triste.
 
Sentado naquele banco, posso sentir sua respiração e ver aquele olhar terno, que nada pede. Apenas olha.

A praça agora não é mais triste, pois nela há um banco onde um certo cãozinho me ensinou que a amizade não é comércio de coisas ou de afeto. A amizade é apenas um encontro, sem nada pedir, é apenas um certo jeito de olhar.

CAROZZI, Geraldo. O TEMPO . Belo Horizonte, 24 jun. 2003. Magazine, p. 8.
 
“Sempre que fazia isso, levantava as orelhas, procurando escutar melhor .”

É CORRETO afirmar que a palavra destacada nessa frase veicula uma idéia de
A resolução de questões só está disponível para assinantes.
Renove sua assinatura
Resolva 1259719 questões, acesse 551570 comentários de professores e acompanhe seu desempenho. Experimente!

spinner
Ocorreu um erro na requisição, tente executar a operação novamente.