Teorias Administrativas - material teórico

por Adriel Sá em 19/11/2014
Pessoal, abaixo um trecho do nosso material teórico sobre o assunto "Teorias Administrativas".
 
Na evolução de cada teoria administrativa observou-se e observa-se os elementos que conduzem indivíduos a se agruparem em razão de objetivos comuns. O estudo da gestão busca analisar as diferentes contribuições de outras áreas e campos de conhecimento, através da análise de sequências temporais de perspectivas, que geram diferentes paradigmas e influências. É dentro de cada uma dessas teorias que praticamente todos os assuntos da disciplina estão inseridos, tais como motivação, liderança, equilíbrio organizacional, dentre outros. Ou seja, cada uma das teorias desenvolvidas possuem utilização atualmente em alguns de seus aspectos.
 
Pois bem! Nessas teorias administrativas podemos constatar dois tipos de abordagens de estudo: a abordagem prescritiva e normativa e a abordagem descritiva e explicativa.
 
abordagem prescritiva e normativa caracteriza-se pela preocupação em prescrever princípios normativos que devem ser aplicados como receituário em todas as circunstâncias para que o administrador possa ser bem sucedido. É uma abordagem com receitas antecipadas, soluções enlatadas e princípios normativos que regem o como fazer as coisas dentro das organizações. Essa perspectiva visualiza a organização como ela deveria funcionar ao invés de explicar seu funcionamento. De antemão, é a abordagem que se utilizam as teorias Clássica, das Relações Humanas e Neoclássica.
 
abordagem descritiva e explicativa, em vez de estabelecer como o administrador deverá lidar com as organizações, descreve, analisa e explica as organizações, a fim de que o administrador escolha a maneira apropriada de lidar com elas, levando em conta sua natureza, tarefas, participantes, problemas, situação, restrições etc., aspectos que variam intensamente.
Com essa ideia inicial, damos início ao estudo de cada uma dessas teorias que influenciaram e continuam influenciando a gestão das organizações.
1. Abordagem Clássica da Administração
No início do século XX, dois personagens se destacam nos primeiros trabalhos pioneiros a respeito da Administração:
  • um americano (América do Norte) chamado Frederick Winslow Taylor, que iniciou a chamada Escola da Administração Científica, preocupada em aumentar a eficiência da indústria por meio da racionalização do trabalho operário; 
  • um turco (Europa), chamado Jules Henri Fayol Barros Zacanti, que desenvolveu a chamada Teoria Clássica, preocupada em aumentar a eficiência da empresa por meio de sua organização e da aplicação de princípios gerais da Administração em bases científicas.
Portanto, desde logo, precisamos não confundir a Abordagem Clássica com a Teoria Clássica. Esta insere-se no contexto daquela. Os autores e suas teorias (Escola Científica - TAYLOR - e Teoria Clássica - FAYOL) constituem as bases da chamada Abordagem Clássica da Administração.
 
Vejamos o que Chiavenato (2003) escreve sobre essas duas orientações que diferentes e, até certo ponto, opostas entre si, complementam-se com relativa coerência:
 

1. De um lado, a Escola da Administração Científica, desenvolvida nos Estados Unidos, a partir dos trabalhos de Taylor. Essa escola era formada principalmente por engenheiros, como Frederick Winslow Taylor (1856-1915), Henry Lawrence Gantt (1861-1919), Frank Bunker Gilbreth (1868-1924), Harrington Emerson (1853-1931) e outros. Henry Ford (1863-1947) costuma ser incluído entre eles pela aplicação desses princípios em seus negócios.
 
- A preocupação básica era aumentar a produtividade da empresa por meio do aumento de eficiência no nível operacional, isto é, no nível dos operários. Daí a ênfase na análise e na divisão do trabalho do operário, uma vez que as tarefas do cargo e o ocupante constituem a unidade fundamental da organização.
 
- Nesse sentido, a abordagem da Administração Científica é uma abordagem de baixo para cima (do operário para o supervisor e gerente) e das partes (operário e seus cargos) para o todo (organização empresarial).
 
- Predominava a atenção para o método de trabalho, para os movimentos necessários à execução de uma tarefa, para o tempo padrão determinado para sua execução.
 
- Esse cuidado analítico e detalhista permitia a especialização do operário e o reagrupamento de movimentos, operações, tarefas, cargos etc., que constituem a chamada Organização Racional do Trabalho (ORT). Foi, acima de tudo, uma corrente de ideias desenvolvida por engenheiros que procuravam elaborar uma engenharia industrial dentro de uma concepção pragmática.
 
- A ênfase nas tarefas é a principal característica da Administração Científica.
 
- Defendia a organização linear caracterizada pela ênfase à centralização da autoridade (atuação diretiva).
 

2. De outro lado, a corrente dos anatomistas e fisiologistas da organização, desenvolvida na França, com os trabalhos pioneiros de Fayol. Essa escola, também chamada de "Escola dos Chefes", teve como expoentes: Henri Fayol (1841-1925), James D. Mooney, Lyndall F. Urwick (1891-1979), Luther Gulick e outros. A essa corrente chamaremos Teoria Clássica.
 
- A preocupação básica era aumentar a eficiência da empresa por meio da forma e disposição dos órgãos componentes da organização (departamentos) e de suas inter-relações estruturais. Daí a ênfase na anatomia (estrutura) e na fisiologia (funcionamento) da organização.
 
- Nesse sentido, a abordagem da Corrente Anatômica e Fisiologista é uma abordagem inversa à da Administração Científica: de cima para baixo (da direção para a execução) e do todo (organização) para as suas partes componentes (departamentos).
 
- Predominava a atenção para a estrutura organizacional, para os elementos da Administração, os princípios gerais da Administração e a departamentalização.
 
- Esse cuidado com a síntese e com a visão global permitia a melhor maneira de subdividir a empresa sob a centralização de um chefe principal. Foi uma corrente teórica e orientada administrativamente.
 
- A ênfase na estrutura é a sua principal característica.
 
- Defendia a organização funcional caracterizada pela descentralização da autoridade (atuação participativa).

As origens da Abordagem Clássica da Administração remontam às consequências geradas pela Revolução Industrial, em especial para dois fatores: o crescimento acelerado e desorganizado das empresas, exigindo a substituição do empirismo e da improvisação por algo mais científico e a necessidade de aumentar a eficiência e a competência das organizações, a fim de se obter o melhor rendimento possível dos recursos e fazer face à concorrência e à competição que se avolumavam entre as empresas.
Em uma era de mudança e instabilidade como a que atravessamos, a abordagem clássica mostra-se rígida, inflexível e conservadora, pois ela foi concebida em uma época de estabilidade e permanência (CHIAVENATO, I.. Introdução à teoria geral da administração: uma visão abrangente da moderna administração das organizações. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003).
A Abordagem Clássica da Administração, segundo destaca Maurício Tragtenberg (in: Administração, poder e ideologia. São Paulo: Moraes, 1980), abrem a transição do capitalismo liberal para o capitalismo monopolista. Foi nesse ambiente de organização que grandes corporações se estabeleceram no monopólio do mercado e na produção em larga escala. Isto proporcionou um ambiente de estabilidade. 
 
No entanto, em que pese essa estabilidade, não houve a harmonia nas tratativas entre as organizações e as pessoas que nela trabalhavam - as relações trabalhistas se mostraram bastante limitadas. Isso ajudou as insatisfações dos funcionários aumentarem, abrindo espaço para contestações organizadas ao sistema por meio do movimento sindical.
1.1. Administração Científica
A abordagem básica da Escola da Administração Científica se baseia na ênfase colocada nas tarefas. A preocupação inicial era eliminar o desperdício e perdas sofridas pelas indústrias, elevando os níveis de produtividade por meio da aplicação de métodos e técnicas da engenharia industrial.
Administrador - MTE - CESPE - 2008 - O gestor público que se preocupa em eliminar o desperdício de esforço desenvolvido pelos demais colaboradores, procurando racionalizar as tarefas e eliminar os movimentos inúteis, adota pressupostos coerentes com a abordagem clássica da administração.
 
Gabarito: Certo.
A obra de Taylor, o seu livro "Shop Management", de 1903, retratou o Estudo de Tempos e Movimentos (Motion-time Study), que possuía como premissas básicas:
  1. O objetivo da Administração é pagar salários melhores e reduzir custos unitários de produção.
  2. Para realizar tal objetivo, a Administração deve aplicar métodos científicos de pesquisa e experimentos (observação e mensuração) para formular princípios e estabelecer processos padronizados que permitam o controle das operações fabris.
  3. Os empregados devem ser cientificamente selecionados e colocados em seus postos com condições de trabalho adequadas para que as normas possam ser cumpridas.
  4. Os empregados devem ser cientificamente treinados para aperfeiçoar suas aptidões e executar uma tarefa para que a produção normal seja cumprida.
  5. A Administração precisa criar uma atmosfera de íntima e cordial cooperação com os trabalhadores para garantir a permanência desse ambiente psicológico.
Taylor também publica outra obra, o livro "The PrincipIes of Scientific Management", em 1911, no qual ele expressa três males presentes nas organizações de sua época:
  1. Vadiagem sistemática dos operários, que reduziam a produção acerca de um terço da que seria normal, para evitar a redução das tarifas de salários pela gerência, com três causas determinantes para essa vadiagem:
    1. O engano disseminado entre os trabalhadores de que o maior rendimento do homem e da máquina provoca desemprego.
    2. O sistema defeituoso de Administração que força os operários à ociosidade no trabalho a fim de proteger seus interesses pessoais.
    3. Os métodos empíricos ineficientes utilizados nas empresas, com os quais o operário desperdiça grande parte de seu esforço e tempo.
  2. Desconhecimento, pela gerência, das rotinas de trabalho e do tempo necessário para sua realização.
  3. Falta de uniformidade das técnicas e dos métodos de trabalho.
A Administração Científica baseou-se no conceito de homo economicus, isto é, do homem econômico. Segundo esse conceito, toda pessoa é concebida como influenciada exclusivamente por recompensas salariais, econômicas e materiais. Em síntese, o homem procura o trabalho não porque gosta dele, mas como um meio de ganhar a vida por meio do salário que o trabalho proporciona.
Como afirmamos anteriormente, um dos expoentes dessa abordagem foi Henry Ford, que aplicava seus princípios em negócios efetuados pela Ford Motor Co..
 
Ford, por isso, desenvolveu três princípios visando acelerar a produção por meio de um trabalho ritmado, coordenado e econômico (a linha de montagem):
 
► Princípio de intensificação. Diminuir o tempo de duração com a utilização imediata dos equipamentos e matéria-prima e a rápida colocação do produto no mercado.
 
► Princípio de economicidade. Reduzir ao mínimo o volume do estoque da matéria-prima em transformação, fazendo com que o automóvel fosse pago à empresa antes de vencido o prazo de pagamento dos salários e da matéria-prima adquirida. A velocidade de produção deve ser rápida.
 
► Princípio de produtividade. Aumentar a capacidade de produção do homem no mesmo período (produtividade) por meio da especialização e da linha de montagem. O operário ganha mais e o empresário tem maior produção - adaptação do conjunto de trabalhadores ao ritmo imposto pela esteira de produção.
1.2. Teoria Clássica
Enquanto a Administração Científica era desenvolvida nos Estados Unidos, em 1916 surgia na Europa, originando-se na França, a Teoria Clássica da Administração.
 
No modelo americano, temos a ênfase na tarefa realizada pelo operário. No modelo europeu, a ênfase era na estrutura que a organização deveria possuir para ser eficiente. Isso, no entanto, não quer dizer que os objetivos eram distintos, pois ambos os modelos buscavam a eficiência organizacional.
 
Fayol, com a publicação em 1916 do livro "Administration Industrielle et Générale", expôs que toda empresa apresenta seis funções, a saber:
  1. Funções técnicas, relacionadas com a produção de bens ou de serviços da empresa.
  2. Funções comerciais, relacionadas com compra, venda e permutação.
  3. Funções financeiras, relacionadas com procura e gerência de capitais.
  4. Funções de segurança, relacionadas com proteção e preservação dos bens e das pessoas.
  5. Funções contábeis, relacionadas com inventários, registros, balanços, custos e estatísticas.
  6. Funções administrativas, relacionadas com a integração de cúpula das outras cinco funções.
Interessante destacar que as funções administrativas, segundo Fayol, coordenam e sincronizam as demais funções da empresa, pairando sempre acima delas. Isso não quer dizer que se concentra exclusivamente no topo da organização; pelo contrário, elas se repartem proporcionalmente por todos os níveis da hierarquia da empresa.
 
As funções administrativas conhecidas contemporaneamente pelas ações de planejar, organizar, dirigir e controlar (PODC) são oriundas do desenvolvimento de Fayol e sua teoria. Vejamos.
 
Fayol define o ato de administrar como prever, organizar, comandar, coordenar e controlar. As funções administrativas envolvem os elementos da Administração, isto é, as funções do administrador (POCCC):
  1. Prever: avalia o futuro e o aprovisionamento dos recursos em função dele.
  2. Organizar: proporciona tudo o que é útil ao funcionamento da empresa.
  3. Comandar: leva a organização a funcionar. Seu objetivo é alcançar o máximo retorno de todos os empregados no interesse dos aspectos globais do negócio.
  4. Coordenar: harmoniza todas as atividades do negócio, facilitando seu trabalho e sucesso. Sincroniza coisas e ações em proporções certas e adapta meios aos fins visados.
  5. Controlar: consiste na verificação para certificar se tudo ocorre em conformidade com o plano adotado, as instruções transmitidas e os princípios estabelecidos. O objetivo é localizar as fraquezas e erros no intuito de retificá-los e prevenir a recorrência.
Outro assunto constante em provas são os 14 princípios gerais de Administração que Fayol desenvolveu sua teoria, quais sejam:
 
Divisão do trabalho Consiste na especialização das tarefas e das pessoas para aumentar a eficiência.
Autoridade e responsabilidade Autoridade é o direito de dar ordens e o poder de esperar obediência. A responsabilidade é uma consequência natural da autoridade e significa o dever de prestar contas. Ambas devem estar equilibradas entre si.
Disciplina Depende de obediência, aplicação, energia, comportamento e respeito aos acordos estabelecidos.
Unidade de comando Cada empregado deve receber ordens de apenas um superior. É o princípio da autoridade única.
Unidade de direção Uma cabeça e um plano para cada conjunto de atividades que tenham o mesmo objetivo.
Subordinação dos interesses individuais aos gerais Os interesses gerais da empresa devem sobrepor-se aos interesses particulares das pessoas.
Remuneração do pessoal Deve haver justa e garantida satisfação para os empregados e para a organização em termos de retribuição.
Centralização Refere-se à concentração da autoridade no topo da hierarquia da organização.
Cadeia escalar É a linha de autoridade que vai do escalão mais alto ao mais baixo em função do princípio do comando.
Ordem Um lugar para cada coisa e cada coisa em seu lugar. É a ordem material e humana.
Equidade Amabilidade e justiça para alcançar a lealdade do pessoal.
Estabilidade do pessoal
A rotatividade do pessoal é prejudicial para a eficiência da organização. Quanto mais tempo uma pessoa
permanecer no cargo, tanto melhor para a empresa.
Iniciativa A capacidade de visualizar um plano e assegurar pessoalmente o seu sucesso.
Espírito de equipe A harmonia e a união entre as pessoas são grandes forças para a organização.
2. Abordagem Humanística da Administração
Abordagem Humanística da Administração nasce com o desenvolvimento, a partir de 1930, da Teoria das Relações Humanas.
 
Nessa abordagem, temos a ênfase nas tarefas (Administração Científica) e na estrutura organizacional (Teoria Clássica) transferida para as pessoas integrantes das organizações.
 
Chiavenato (2003) descreve que essa abordagem perpassou por duas etapas em seu desenvolvimento:
  1. análise do trabalho e a adaptação do trabalhador ao trabalho. Nesta primeira etapa, domina o aspecto meramente produtivo. O objetivo da Psicologia do Trabalho - ou Psicologia Industrial - era a análise das características humanas que cada tarefa exige do seu executante e a seleção científica dos empregados baseada nessas características por meio de testes psicológicos. Os temas predominantes são a seleção de pessoal, orientação profissional, treinamento e métodos de aprendizagem, fisiologia do trabalho e estudo dos acidentes e da fadiga.
  2. adaptação do trabalho ao trabalhador. Nesta etapa, a Psicologia Industrial está voltada para os aspectos individuais e sociais do trabalho, que predominam sobre os aspectos produtivos. Pelo menos em teoria. Os temas predominantes são o estudo da personalidade do trabalhador e do gerente, a motivação e os incentivos do trabalho, a liderança, as comunicações e as relações interpessoais e sociais dentro da organização.
2.1. Teoria das Relações Humanas
Essa teoria, comumente, é relacionada à experiência de Hawthorme, a ser relatada na sequência. Porém, outros fatos devem ser considerados no estudo de suas origens: a necessidade de humanizar e democratizar a Administração e o desenvolvimento das ciências humanas.
 
Dito isso, vamos ao relato da experiência de Hawthorme - um bairro localizado na cidade americana de Chicago, Estado de Illinois. Essa pesquisa, que durou 5 anos, iniciou-se em 1927, na fábrica da Western Electric Company, com o intuito de avaliar a correlação entre iluminação e eficiência dos operários, medida por meio da produção. A experiência foi coordenada por Elton Mayo e estendeu-se à fadiga, aos acidentes no trabalho, à rotatividade do pessoal (turnover) e ao efeito das condições de trabalho sobre a produtividade do pessoal.
 
As conclusões sobre essa pesquisa proporcionaram os delineamentod dos princípios básicos da Escola das Relações Humanas (WAHRLICH, 1986):
  1. O nível de produção é resultante da integração social: é a capacidade social do trabalhador que determina o seu nível de competência e eficiência e não sua capacidade de executar movimentos eficientes dentro do tempo estabelecido.
  2. Comportamento social dos empregados: os trabalhadores não agem ou reagem isoladamente como indivíduos, mas como membros de grupos. Como integrante do grupo, ao indivíduo é imposto  punições sociais ou morais dos colegas, no intuito de se ajustar aos padrões do grupo.
  3. Recompensas e sanções sociais: o comportamento dos trabalhadores está condicionado a normas e padrões sociais. Os operários que produziram acima ou abaixo da norma socialmente determinada perderam o respeito e a consideração dos colegas. As pessoas são avaliadas pelo grupo em relação a essas normas e padrões de comportamento.
  4. Grupos informais: diferentemente dos autores clássicos, que se preocupavam com aspectos formais da organização, a teoria humanista concentrava-se nos aspectos informais da organização, como grupos informais, comportamento social dos empregados, crenças, atitude e expectativa, motivação.
Auditor Federal de Controle Externo - TCU - CESPE - 2009 - Na experiência de Hawthorne, pôde-se perceber que as organizações informais entre grupos possuem força potencialmente mais poderosa do que lhe era atribuída no passado.
 
Gabarito: Certo.
  1. Relações humanas: cada pessoa possui uma personalidade própria e diferenciada que influi no comportamento e nas atitudes das outras com quem mantém contatos e é, por outro lado, igualmente influenciada pelas outras.
  2. Importância do conteúdo do cargo: apesar de não ser objetivo da pesquisa, Mayo e seus colaboradores verificaram que a especialização proposta pela Teoria Clássica não cria a organização mais eficiente. Houve a observação de que os operários trocavam de posição para variar e evitar a monotonia.
  3. Ênfase nos aspectos emocionais: os elementos emocionais não planejados e irracionais do comportamento humano merecem atenção especial da Teoria das Relações Humanas. Daí a denominação de sociólogos da organização aos autores humanistas.

Com a introdução das relações humanas no ambiente organizacional, novas expressões começam a ser percebidas como de importância no repertório administrativo, dentre as quais podemos destacar: motivaçãoliderançacomunicaçãoorganização informaldinâmica de grupo.
Enquanto a Administração Científica possuía a base de sua teoria firmada no conceito de homus economicus, para a Teoria das Relações Humanas a motivação econômica é secundária para determinar a eficiência do trabalhador; ou seja, por essa última teoria, as pessoas são motivadas pela necessidade de reconhecimento, de aprovação social e participação nas atividades. Assim, vigora na teoria das Relações Humanas o conceito de homem social.
Scott (1967) apud Chiavenato (2003) acrescenta sete proposições que representam a promoção típica de práticas eficazes de relações humanas no trabalho:
  1. Necessidade de utilizar generalizações inter-disciplinares - utilizando psicologia, sociologia etc. - para orientar o administrador quanto às decisões a tomar.
  2. A importância da participação do empregado.
  3. Estudo dos papéis sociais que o empregado desempenha na organização.
  4. A função da comunicação, da liderança e da motivação.
  5. A necessidade de trabalho em equipe.
  6. A constatação de que a organização é um sistema social.
  7. Desenvolvimento da habilidade do administrador em relações humanas.
3. Abordagem Neoclássica
Abordagem Neoclássica busca redefinir a Teoria Clássica, atualizando-a e redimensionando-a aos problemas administrativos atuais e ao tamanho das organizações de seu tempo.
 
Segundo Koontz e O'Donnell (1976), a abordagem neoclássica baseia-se nos seguintes fundamentos:
  1. A Administração é um processo operacional composto por funções, como: planejamento, organização, direção e controle.
  2. Como a Administração envolve uma variedade de situações organizacionais, ela precisa fundamentar-se em princípios básicos que tenham valor preditivo.
  3. A Administração é uma arte que, como a Medicina ou a Engenharia, deve se apoiar em princípios universais.
  4. Os princípios de administração, a exemplo dos princípios das ciências lógicas e físicas, são verdadeiros.
  5. A cultura e o universo físico e biológico afetam o meio ambiente do administrador. Como ciência ou arte, a teoria da Administração não precisa abarcar todo o conhecimento para poder servir de fundamentação científica aos princípios de Administração.
(CESPE/AFCE-TCU/2008) Atualmente, não há mais espaço para a utilização da teoria proposta por Taylor, em nenhum de seus aspectos.
 
Comentários
 
Ainda com a influência das ciências comportamentais, os postulados dos autores clássicos, em especial de Taylor, nunca deixaram de subsistir. Discorre Chiavenato (2003) que, apesar de todas as críticas aos postulados clássicos e aos enfoques tradicionais da organização, os princípios de Administração, a departamentalização, a racionalização do trabalho, a estrutura linear ou funcional, enfim, a abordagem clássica nunca foi totalmente substituída por outra abordagem.
 
Gabarito: Errado.
3.1. Teoria Neoclássica da Administração
Também chamada de Escola Operacional do Processo Administrativo, pela sua concepção da Administração como um processo de aplicação de princípios e de funções para o alcance de objetivos, denominava as várias funções do administrador, quando consideradas como um todo, de processo administrativo, e quando consideradas separadamente, de simples funções administrativas.
 
A teoria Neoclássica vislumbrava a administração como um processo de aplicação de princípios e de funções para o alcance dos objetivos.
 
As principais características da Teoria Neoclássica, segundo Chiavenato (2003), são as seguintes:
  1. Ênfase na prática da administração.
  2. Reafirmação dos postulados clássicos.
  3. Ênfase nos princípios gerais de administração.
  4. Ênfase nos objetivos e nos resultados.
  5. Ecletismo nos conceitos.
1. Ênfase na prática da administração: os autores neoclássicos desenvolvem seus conceitos de forma prática e utilizável, visando principalmente à ação administrativa. A teoria somente tem valor quando operacionalizada na prática.
Auditor Federal de Controle Externo - TCU - CESPE - 2008 - A abordagem proposta por Taylor defendia que fossem priorizados na administração o empirismo e a prática, dando ênfase, desse modo, ao pragmatismo da ponta da linha e ao conhecimento já existente nos trabalhadores.
 
Comentários:
 
Perceba que o item traz uma característica da Teoria Neoclássica, e não da proposta de Taylor. Na Administração Científica, os empregados devem ser cientificamente treinados para aperfeiçoar suas aptidões e executar uma tarefa para que a produção normal seja cumprida.
2. Reafirmação relativa dos postulados clássicos: a Teoria Neoclássica é quase como uma reação à enorme influência das ciências do comportamento no campo da Administração em detrimento dos aspectos econômicos e concretos que envolvem o comportamento das organizações. Os neoclássicos retomam grande parte do material desenvolvido pela Teoria Clássica, redimensionando-o e reestruturando-o de acordo com as contingências da época atual, dando-lhe uma configuração mais ampla e flexível.
 
3. Ênfase nos princípios gerais de administração: os neoclássicos estabelecem normas de comportamento administrativo. Os princípios de Administração que os clássicos utilizavam como "leis" científicas são retomados pelos neoclássicos como critérios elásticos para a busca de soluções administrativas práticas. Os administradores são essenciais a toda organização dinâmica e bem-sucedida, pois devem planejar, organizar, dirigir e controlar as operações do negócio.
 
4. Ênfase nos objetivos e nos resultados: toda organização existe, não para si mesma, mas para alcançar objetivos e produzir resultados. É em função dos objetivos e resultados que a organização deve ser dimensionada, estruturada e orientada. Isso é o que os neoclássicos chamam de "Administração como Técnica Social".
 
5. Ecletismo da teoria neoclássica: embora se baseiem na Teoria Clássica, os autores neoclássicos são ecléticos, absorvendo o conteúdo de outras teorias administrativas mais recentes. Devido a esse ecletismo, a Teoria Neoclássica se afigura como uma Teoria Clássica atualizada e dentro do figurino eclético que define a formação do administrador na metade final do século XX.
3.2. Administração por Objetivos
A Administração por Objetivos (APO) ou Administração por Resultados (APR) surge em 1954 por intermédio dos postulados do austríaco Peter Ferdinand Drucker, considerado por muitos como o pai da APO.
 
Em sua definição, a APO é uma técnica de direção de esforços por meio do planejamento, organização, direção e controle administrativo fundamentada no princípio de que, para atingir resultados, a organização precisa antes definir em que negócio está atuando e aonde pretende chegar.
 
Inicialmente se estabelecem os objetivos anuais da empresa, formulados na base de um plano de objetivos a longo prazo. Escolhidos e fixados os objetivos organizacionais a serem alcançados, o próximo passo é saber como alcançá-los, isto é, estabelecer a estratégia empresarial a ser utilizada para melhor alcançar aqueles objetivos.
 
Vejamos as características da APO na clara explanação de Idalberto Chiavenato (grifou-se):

A APO é um processo pelo qual gerentes e subordinados identificam objetivos comuns, definem as áreas de responsabilidade de cada um em termos de resultados esperados e utilizam esses objetivos como guias para sua atividade.
A APO é um método no qual as metas são definidas em conjunto pelo gerente e seus subordinados, as responsabilidades são especificadas para cada um em função dos resultados esperados, que passam a constituir os indicadores ou padrões de desempenho sob os quais ambos serão avaliados. Analisando o resultado final, o desempenha do gerente e do subordinado podem ser objetivamente avaliados e os resultados alcançados são comparados com os resultados esperados.
O estabelecimento de objetivos, embora devam ser desafiadores, também devem ser realistas. Nesse mesmo sentido, os objetivos conferem um sentido real à direção, aos propósitos; logo, não devem ser demasiadamente fáceis.
Embora tenha um passado autocrático, a APO funciona hoje com uma abordagem amigável, democrática e participativa. Ela serve de base para os novos esquemas de avaliação do desempenho humano, remuneração flexível e, sobretudo, para a compatibilização entre os objetivos organizacionais e os objetivos individuais das pessoas.
4. Abordagem Estruturalista da Administração
A abordagem estruturalista insere o estudo da sociologia nas organizações. A teoria administrativa, que até o momento era introspectiva e voltada apenas para os fenômenos internos da organização, ganha uma nova dimensão por meio da abordagem estruturalista.
 
Essa abordagem é dividida em: Teoria da Burocracia e Teoria Estruturalista. Passamos à análise de cada uma delas.
4.1. Teoria da Burocracia
A Teoria da Burocracia desenvolveu-se na Administração por voltada década de 1940, adotando-se as concepções formuladas anteriormente pelo economista e sociólogo Max Weber. Segundo essa teoria, a burocracia é uma forma de organização humana que se baseia na adequação dos meios aos objetivos (fins) pretendidos - a racionalidade, a fim de garantir a máxima eficiência possível no alcance desses objetivos.
 
Max Weber publicou um livro denominado "A Ética Protestante e o Espírito de Capitalismo", no qual afirma que o moderno sistema de produção, eminentemente racional e capitalista se originou da "ética protestante": o trabalho árduo e o ascetismo proporcionando a poupança e reaplicação das rendas excedentes, em vez de seu dispêndio para o consumo.
 
Para o autor, o capitalismo, a organização burocrática e a ciência moderna constituem três formas de racionalidade que surgiram a partir dessas mudanças religiosas ocorridas inicialmente em países protestantes.
 
Max Weber faz uma relação entre os tipos de sociedade e os tipos de autoridade:
 
Tipos de sociedade Tipos de autoridade
 
Sociedade tradicional: onde predominam características patriarcais e patrimonialistas, como a família, o clã, a sociedade medieval etc.
 
 
Autoridade tradicional: quando os subordinados aceitam as ordens dos superiores como justificadas, porque essa sempre foi a maneira pela qual as coisas foram feitas. 
 
 
Sociedade carismática: onde predominam características místicas, arbitrárias e personalísticas, como nos grupos revolucionários, nos partidos políticos, nas nações em revolução etc.
 
 
Autoridade carismática: quando os subordinados aceitam as ordens do superior como justificadas, por causa da influência da personalidade e da liderança do superior com o qual se identificam.
 
 
Sociedade legal, racional ou burocrática: onde predominam normas impessoais e racionalidade na escolha dos meios e dos fins, como nas grandes empresas, nos estados modernos, nos exércitos etc.
 
 
Autoridade legal, racional ou burocrática: quando os subordinados aceitam as ordens dos superiores como justificadas, porque concordam com certos preceitos ou normas que consideram legítimos e dos quais deriva o comando. É o tipo de autoridade técnica, meritocrática e administrada.
 
 
Um entendimento bastante utilizado pelas bancas é o de que a burocracia não é entendida pelo senso popular em seu aspecto verdadeiro. O conceito popular de burocracia é sinônimo de estagnação, excesso de papelório, apego dos funcionários aos regulamentos e rotinas, causando ineficiência à organização. No entanto, para Max Weber, burocracia é a organização eficiente por excelência.
 
É de se notar que, de fato, esses pontos negativos existem na burocracia, mas não na sua ideia inicial. Isso acabou por se tornar suas deficiências, mais conhecidas como as disfunções burocráticas ou buropatologias.
 
Ao estudar as consequências previstas (ou desejadas) da burocracia, Robert K. Merton notou também as consequências imprevistas (ou não desejadas) que levam à ineficiência e às imperfeições. Idalberto Chiavenato apresenta a sequência desse estudo. Vejamos:
  1. O modelo começa com a exigência de controle por parte da organização, a fim de reduzir a variabilidade do comportamento humano a padrões previsíveis, indispensáveis ao bom funcionamento da organização.
  2. Essa exigência de controle enfatiza a previsibilidade do comportamento, que é garantida por meio da imposição de normas e regulamentos. Assim, a organização estabelece os padrões de procedimentos para as pessoas, institui as penalidades pelo não cumprimento, bem como a supervisão hierárquica para assegurar a obediência. A ênfase sobre o cargo e a posição dos indivíduos diminui as relações personalizadas.
  3. Mas a ênfase nas regras e sua forte imposição leva as pessoas a justificarem sua ação individual.
  4. E conduz a consequências imprevistas (disfunções), tais como a rigidez no comportamento e a defesa mútua na organização.
  5. O que não atende às expectativas e anseios da clientela, provocando dificuldades no atendimento ao público.
  6. Levando a um sentimento de defesa da ação individual, pois o burocrata não presta contas ao cliente, mas às regras da organização e ao seu superior hierárquico.
Consultor Legislativo - Senado federal - CESPE - 2002 - Merton explora, na morfologia burocrática típica, uma tendência ao deslocamento de objetivos em direção a regras, normas e interesses próprios.
 
Gabarito: Certo.
Segundo Max Weber, a burocracia tem as seguintes características e as seguintes vantagens, respectivamente:
  • CARACTERÍSTICAS
  1. Caráter legal das normas e regulamentos.
  2. Caráter formal das comunicações.
  3. Caráter racional e divisão do trabalho.
  4. Impessoalidade nas relações.
  5. Hierarquia de autoridade.
  6. Rotinas e procedimentos padronizados.
  7. Competência técnica e meritocracia.
  8. Especialização da administração.
  9. Profissionalização dos participantes.
  10. Completa previsibilidade do funcionamento.
  • VANTAGENS
  1. Racionalidade em relação ao alcance dos objetivos da organização.
  2. Precisão na definição do cargo e na operação, pelo conhecimento exato dos deveres.
  3. Rapidez nas decisões, pois cada um conhece o que deve ser feito e por quem e as ordens e papéis tramitam através de canais preestabelecidos.
  4. Unicidade de interpretação garantida pela regulamentação específica e escrita. Por outro lado, a informação é discreta, pois é fornecida apenas a quem deve recebê-la.
  5. Uniformidade de rotinas e procedimentos que favorece a padronização, a redução de custos e erros, pois as rotinas são definidas por escrito.
  6. Continuidade da organização por meio da substituição do pessoal que é afastado. Além disso, os critérios de seleção e escolha do pessoal baseiam-se na capacidade e na competência técnica.
  7. Redução do atrito entre as pessoas, pois cada funcionário conhece o que é exigido dele e quais os limites entre suas responsabilidades e as dos outros.
  8. Constância, pois os mesmos tipos de decisão devem ser tomados nas mesmas circunstâncias.
  9. Confiabilidade, pois o negócio é conduzido através de regras conhecidas, e os casos similares são metodicamente tratados dentro da mesma maneira sistemática. As decisões são previsíveis e o processo decisório, por ser despersonalizado no sentido de excluir sentimentos irracionais, como amor, raiva, preferências pessoais, elimina a discriminação pessoal.
  10. Benefícios para as pessoas na organização, pois a hierarquia é formalizada, o trabalho é dividido entre as pessoas de maneira ordenada, as pessoas são treinadas para se tornarem especialistas, podendo encarreirar-se na organização em função de seu mérito pessoal e competência técnica.
Agente de Polícia Federal - PF - CESPE - 2012 - Se adotar a abordagem burocrática, o gestor, com o objetivo de definir as futuras promoções na organização, avaliará seus subordinados considerando aspectos relacionados ao mérito.
 
Gabarito: Certo.
4.2. Teoria Estruturalista
Segundo Chiavenato (2003), o estruturalismo ampliou o estudo das interações entre os grupos sociais - iniciado pela Teoria das Relações Humanas - para o das interações entre as organizações sociais. Da mesma forma como os grupos sociais interagem entre si também interagem entre si as organizações.
 
Enquanto a Teoria Clássica caracteriza o "homo economicus" e a Teoria das Relações Humanas "o homem social", a Teoria Estruturalista focaliza o "homem organizacional": o homem que desempenha diferentes papéis em várias organizações (WHYTE JR, 1966).
 
A organização formal e a organização informal são evidenciadas nessa teoria. Na verdade, visualiza uma abordagem múltipla da Teoria Clássica (ênfase na organização formal) e da Teoria das Relações Humanas (ênfase na organização informal), tentando estabelecer um estudo entre ambas as teorias.
 
O estruturalismo não é propriamente uma teoria, mas, antes de tudo, um método importado da linguística e introduzido, com êxito, na Economia, na Psicologia, na Sociologia, chegando à Administração.
 
No fundo, a ideia de integração dos elementos em uma totalidade, como apregoa o estruturalismo, é a mesma ideia básica que sustenta a Teoria dos Sistemas: a compreensão da interdependência recíproca das organizações e da consequente necessidade de integração. A própria palavra sistema dá ideia de plano, método, ordem, organização (WAHRLICH, 1986).
5. Abordagem Comportamental da Administração
Conforme Idalberto Chiavenato, a abordagem comportamental - também chamada behaviorista (em função do behaviorismo na psicologia) - marca a mais forte influência das ciências do comportamento na teoria administrativa e a busca de novas soluções democráticas, humanas e flexíveis para os problemas organizacionais.
 
Enquanto o estruturalismo foi influenciado pela sociologia - e mais especificamente pela sociologia organizacional - a abordagem comportamental recebe forte influência das ciências comportamentais - e, mais especificamente da psicologia organizacional.
 
As ciências comportamentais trouxeram à teoria administrativa uma variedade de conclusões a respeito da natureza e características do ser humano, a saber:
 
1. O homem é um animal social dotado de necessidades. Dentre as necessidades humanas sobressaem as necessidades gregárias, isto é, o homem desenvolve relacionamentos cooperativos e interdependentes que o levam a viver em grupos ou em organizações sociais e conviver com outras pessoas.
 
2. O homem é um animal dotado de um sistema psíquico. O ser humano tem capacidade de organizar suas percepções em um todo cognitivo integrado. O seu sistema psíquico permite uma organização perceptiva e cognitiva particular no seu conteúdo, mas comum a todas as pessoas quanto à sua estrutura.
 
3. O homem tem capacidade de articular a linguagem com o raciocínio abstrato, ou seja, o homem tem capacidade de abstração da realidade e de comunicação com as outras pessoas.
 
4. O homem é um animal dotado de aptidão para aprender, isto é, de mudar seu comportamento e atitudes em direção a padrões cada vez mais elevados, complexos e eficazes.
 
5. O comportamento humano é orientado para objetivos. Os objetivos individuais são complexos e mutáveis. Daí a importância dos objetivos humanos básicos, a fim de compreender claramente o comportamento das pessoas.
 
6. O homem caracteriza-se por um padrão dual de comportamento: pode tanto cooperar como competir com os outros. Coopera quando seus objetivos individuais precisam ser alcançados por meio do esforço comum coletivo. Compete quando seus objetivos são disputados e pretendidos por outros. A cooperação e o conflito tornam-se parte virtual de todos os aspectos da vida humana.
5.1. Teoria Comportamental da Administração
A Teoria Comportamental aparece no final da década de 1940 com uma redefinição total de conceitos administrativos: ao criticar as teorias anteriores, o behaviorismo na Administração não somente reescalona as abordagens anteriores como amplia seu conteúdo e diversifica sua natureza.
 
As origens da Teoria Comportamental da Administração são as seguintes (CHIAVENATO, 2003):
 
1. A oposição ferrenha e definitiva da Teoria das Relações Humanas (com sua profunda ênfase nas pessoas) em relação à Teoria Clássica (com sua profunda ênfase nas tarefas e na estrutura organizacional) caminhou lentamente para um segundo estágio: a Teoria Comportamental. Essa passou a representar uma nova tentativa de síntese da teoria da organização formal com o enfoque das relações humanas.
 
2. A Teoria Comportamental representa um desdobramento da Teoria das Relações Humanas, com a qual se mostra eminentemente crítica e severa. Se bem que compartilhe alguns dos seus conceitos fundamentais, utilizando-os apenas como pontos de partida ou de referência e reformulando-os profundamente, a Teoria Comportamental rejeita as concepções ingênuas e românticas da Teoria das Relações Humanas.
Uma das diferenças essenciais entre a Teoria das Relações Humanas e a Teoria Comportamental é o foco na motivação dada por cada uma dessas teorias.
 
Na Teoria das Relações Humanas, a administração não considera os colaboradores individualmente, mas sim como membros de grupos e sujeitos às influências sociais desses grupos.
 
Na Teoria Comportamental, oriunda da anterior, existe oposição nesse sentido. Para explicar o comportamento organizacional, a Teoria Comportamental fundamenta-se no comportamento individual das pessoas. Para explicar como as pessoas se comportam, essa teoria (também chamada Behaviorista) estuda a motivação humana de uma perspectiva individual.
3. A Teoria Comportamental critica a Teoria Clássica, havendo autores que vêem no behaviorismo uma verdadeira antítese à teoria da organização formal, aos princípios gerais de administração, ao conceito de autoridade formal e à posição rígida e mecanística dos autores clássicos.
 
4. Com a Teoria Comportamental deu-se a incorporação da Sociologia da Burocracia, ampliando o campo da teoria administrativa. Também com relação à Teoria da Burocracia, a Teoria Comportamental mostra-se muito crítica, principalmente no que se refere ao "modelo de máquina" que aquela adota para representar a organização.
 
5. Em 1947, surge um livro que marca o início da Teoria Comportamental na administração: O Comportamento Administrativo, de Herbert A. Simon. O livro constitui um ataque aos princípios da Teoria Clássica e a aceitação - com os devidos reparos e correções - das principais idéias da Teoria das Relações Humanas. O livro constitui o início da Teoria das Decisões.
5.2. Teoria do Desenvolvimento Organizacional
Vejamos, agora, o que Idalberto Chiavenato nos apresenta sobre a Teoria do Desenvolvimento Organizacional.
 
A partir da Teoria Comportamental, um grupo de cientistas sociais e consultores de empresas desenvolveu uma abordagem moderna, democrática e variada ao desenvolvimento planejado das organizações, que recebeu o nome de Desenvolvimento Organizacional (DO).
 
Segundo o autor, o movimento de DO surgiu a partir de 1962 como um conjunto de idéias a respeito do homem, da organização e do ambiente, no sentido de facilitar o crescimento e o desenvolvimento das organizações.
 
O foco principal do DO está em mudar as pessoas e a natureza e a qualidade de suas relações de trabalho. Sua ênfase está na mudança da cultura da organização. Em princípio, o DO é uma mudança organizacional planejada. Um desses modelos de DO é o conhecido Managerial Grid ou Grade Gerencial de Blake e Mouton.
 
Adotada por Blake e Mouton, destaca que o administrador está vinculado a dois assuntos: produção (resultados dos esforços) e pessoas (aquelas que ele dirige). Compõem-se de dois eixos:
 
Eixo horizontal: representa a preocupação com a produção. É uma série contínua de nove pontos, na qual 9 significa elevada preocupação com a produção e 1 significa baixa preocupação com a produção;
 
Eixo vertical: representa a preocupação com as pessoas. Também é uma série de nove pontos, onde 9 é um grau elevado e 1 é um grau baixo de preocupação com as pessoas.
 
Estilo "Clube Campestre" (1.9): atenção concentrada nas necessidades das pessoas, pois relacionamentos satisfatórios conduzem a uma atmosfera confortadora e a um ritmo de trabalho de organização cordial.
 
Estilo "Equipe" (9.9): a realização do trabalho é conseguida da parte das pessoas comprometidas: a interdependência através de um "interesse comum" no objetivo da organização conduz a relacionamentos de confiança e de respeito.
 
Estilo "Empobrecida" (1.1): a aplicação de um esforço mínimo para se conseguir que o trabalho necessário seja executado é adequada e suficiente para se conservar a prerrogativa de membro da organização.
 
Estilo "Autoridade" (9.1): a eficiência nas operações resulta de se fazer um arranjo das condições de trabalho de tal modo que os elementos humanos interfiram num grau mínimo.
 
Estilo "Homem Organizacional" (5.5): um adequado desempenho organizacional torna-se possível através do equilíbrio entre a necessidade de se conseguir que o trabalho seja executado e a manutenção do moral das pessoas num nível satisfatório.
 
No sentido restrito, o DO é um desdobramento prático e operacional da Teoria Comportamental em direção à abordagem sistêmica. Não se trata de uma teoria administrativa propriamente dita, mas de um movimento congregando vários autores no sentido de aplicar as ciências do comportamento - e principalmente a teoria comportamental- na Administração.
 
A maioria desses autores é constituída de consultores que se especializaram em DO. Stoner, Freeman e Gilbert Jr. (1995), por exemplo, citam que DO significa processos de solução de problemasprocessos de renovaçãoadministração participativadesenvolvimento e fortalecimento (empowerment) de equipes e pesquisa-ação (diagnóstico e a ação da mudança).
Oficial de Inteligência - ABIN - CESPE - 2004 - No desenvolvimento organizacional para equipes compostas por empregados de diversos níveis hierárquicos, as diferenças hierárquicas tendem a ser eliminadas, auxiliando no desenvolvimento da criatividade e possibilitando que o processo comandado por um especialista possa ser bem sucedido.
 
Comentários:
 
As características do DO apresentam, como visto, a redução dos níveis hierárquicos pela atividade de descentralização. Como isso ocorre? Por meio da autodireção das tarefas e atividades pelas próprias pessoas e equipes, o que chamamos de empowerment (empoderamento).
 
Gabarito: Certo.
Em relação às técnicas de DO, Idalberto Chiavenato enumera cinco condições:
 
1. Técnicas de intervenção para indivíduos: a principal técnica para essa condição é chamada de treinamento da sensitividade. É uma modalidade de dinâmica de grupo destinada a reeducar o comportamento humano e melhorar as relações sociais. É realizado por meio de grupos chamados "T-groups" (grupos de treinamento que recebem nomes como learning groups, grupos de encontro, grupos autoanalíticos), que têm por volta de 10 participantes e são orientados em laboratório (sala de aula ou área isolada) por um psicólogo a fim de aumentar sua sensibilidade quanto às suas habilidades de relacionamento interpessoal. Em várias reuniões, os
participantes diagnosticam e experimentam o seu comportamento em grupo, atuando como sujeitos e experimentadores ao mesmo tempo e recebendo assessoria de um psicólogo.
 
2. Técnicas de intervenção para duas ou mais pessoas: é o DO bilateral ou de relações interpessoais. A Análise Transacional (AT) é a técnica mais conhecida e visa ao autodiagnóstico das relações interpessoais. É uma técnica destinada a indivíduos e não a grupos, pois analisa as transações e o conteúdo das comunicações entre as pessoas. Ela ensina as pessoas a enviarem mensagens claras e ágeis e darem respostas naturais e razoáveis, reduzindo os hábitos destrutivos de comunicação - os chamados "jogos" - nos quais o significado das mensagens fica obscurecido. O objetivo é fazer com que as pessoas reconheçam o contexto de suas comunicações para torná-las mais abertas e honestas e endereçar as suas mensagens.
 
3. Técnicas de intervenção para equipes ou grupos: as duas principais técnicas de DO para equipes ou grupos são a consultoria de procedimentos e o desenvolvimento de equipes.
 
3.1. Consultoria de procedimentos. Ou consultoria de processos, é uma técnica que utiliza equipes coordenadas por um consultor interno ou externo. O consultor promove intervenções nas equipes para torná-las mais sensíveis aos seus processos internos de estabelecer metas e objetivos, participação, de sentimentos, liderança, tomada de decisões, confiança e criatividade. O consultor trabalha com os membros da equipe para ajudá-los a compreender a dinâmica de suas relações de trabalho em situações de grupo ou equipe, a mudar os meios com os quais eles trabalham juntos e a desenvolver o diagnóstico e as habilidades de solução de problemas que eles necessitam para poder aumentar sua eficácia.
 
3.2. Desenvolvimento de equipes. É uma técnica de alteração comportamental na qual grupos de pessoas de vários níveis e áreas reúnem-se sob a coordenação de um consultor e criticam-se mutuamente, procurando um ponto de encontro em que a colaboração seja mais frutífera, eliminando-se as barreiras interpessoais de comunicação através do esclarecimento e compreensão das suas causas. Cada equipe autoavalia seu desempenho e comportamento através de determinadas variáveis. O trabalho em equipe elimina as diferenças hierárquicas e os interesses específicos de cada departamento, proporcionando uma predisposição sadia para a criatividade e a inovação.
 
4. Técnicas de intervenção para relações intergrupais: a principal técnica de DO para as relações intergrupais é a técnica das reuniões de confrontação. Reuniões de confrontação constituem uma técnica de alteração comportamental a partir da atuação de um consultor interno ou externo (chamado terceira parte), como moderador. Dois grupos antagônicos em conflito (por desconfiança recíproca, discordância, antagonismo, hostilidade etc.) podem ser tratados através de reuniões de confrontação, nas quais cada grupo se autoavalia, bem como avalia o comportamento do outro, como que se colocado frente a um espelho.
 
5. Técnicas de intervenção para a organização como um todo: a principal técnica de DO para toda a organização é a retroação de dados. Retroação de dados ou feedback de dados, ou ainda técnica de levantamento e suprimento de informações é uma técnica de mudança de comportamento que parte do princípio de que quanto mais dados cognitivos o indivíduo recebe, tanto maior será a sua possibilidade de organizar os dados e agir criativamente.
Analista Judiciário - CNJ - CESPE - 2013 - O feedback de levantamento é adequado para se abordar cada indivíduo na organização, o que favorece a mudança e a inovação.
 
Comentários:
 
As técnicas de feedback de levantamento fazem prospecções de atitudes e outros elementos, relatando sistematicamente os resultados como base para a mudança e inovação. No entanto, essa técnica não aborda individualmente cada integrante, mas sim a organização como um todo.
 
Gabarito: Errado.
As características da DO são assim resumidas:
  • Focalização na organização como um todo.
  • Orientação sistêmica.
  • Agente de mudança.
  • Solução de problemas.
  • Aprendizagem experiencial.
  • Processos de grupo e desenvolvimento de equipes.
  • Retroação.
  • Orientação contingencial.
  • Desenvolvimento de equipes.
  • Enfoque interativo (comunicação e interatividade).
6. Abordagem Sistêmica da Administração
Em meados de 1950, Ludwig von Bertalanffy, um biólogo alemão, elaborou a teoria denominada Teoria Geral dos Sistemas (TGS). Esse postulado, em síntese, tem sua base nos sistemas, que não podem ser compreendidos apenas pela análise separada e exclusiva de cada uma de suas partes, mas sim na compreensão da dependência recíproca de todas as disciplinas e da necessidade de sua integração
 
Como não poderia ser diferente, assim como muitas ciências adotam essa teoria, a Administração também o faz.
 
De acordo com os pressupostos da abordagem sistêmica, deve haver constante interação e interdependência entre as partes integrantes de uma organização. Adicionalmente, essas partes devem ser orientadas para um propósito comum, de modo a estarem com plena capacidade de influenciar e serem influenciadas pelo ambiente externo.
 
Apesar de a Teoria dos Sistemas ser a principal expoente da abordagem sistêmica, outra corrente pode ser destacada: a Teoria Matemática.
 
Essa corrente, também chamada de Pesquisa Operacional (PO), proporciona uma visão da influência das técnicas matemáticas sobre a Administração, principalmente sobre o processo decisório (sistematização de dados, análises de riscos, construção de modelos, etc). Assim, a PO adota o método científico como estrutura para a solução dos problemas, com forte ênfase no julgamento objetivo.
 
Na abordagem sistêmica, tomada de decisão passa a ser considerada decisiva no sucesso de todo sistema cooperativo, que é a organização, e não apenas ao nível estratégico de gestão. Ou seja, requer que as informações sejam disponibilizadas a todos aqueles que participem desse processo.
 
Outra contribuição da matemática às organizações foi a inclusão de indicadores financeiros e não-financeiros (indicadores de desempenho) para medir ou avaliar o desempenho organizacional.
6.1. Teoria dos Sistemas
A palavra sistema denota um conjunto de elementos interdependentes e interagentes ou um grupo de unidades combinadas que formam um todo organizado.
 
Afirma Chiavenato (2003) que os pressupostos básicos da Teoria dos Sistemas são:
 
a. Existe uma tendência para a integração das ciências naturais e sociais.
b. Essa integração parece orientar-se rumo a uma teoria dos sistemas.
c. A teoria dos sistemas constitui o modo mais abrangente de estudar os campos não-físicos do conhecimento científico, como as ciências sociais.
d. A teoria dos sistemas desenvolve princípios unificadores que atravessam verticalmente os universos particulares das diversas ciências envolvidas, visando ao objetivo da unidade da ciência.
e. A teoria dos sistemas conduz a uma integração na educação científica.
 
São premissas básicas dessa teoria:
  1. Os sistemas existem dentro de sistemas. Cada sistema é constituído de subsistemas e, ao mesmo tempo, faz parte de um sistema maior, o supra-sistema. Cada subsistema pode ser detalhado em seus subsistemas componentes, e assim por diante. Também o supra-sistema faz parte de um supra-sistema maior. Esse encadeamento parece ser infinito. As moléculas existem dentro de células, que existem dentro de tecidos, que compõem os órgãos, que compõem os organismos, e assim por diante.
  2. Os sistemas são abertos. É uma decorrência da premissa anterior. Cada sistema existe dentro de um meio ambiente constituído por outros sistemas. Os sistemas abertos são caracterizados por um processo infinito de intercâmbio com o seu ambiente para trocar energia e informação.
  3. As funções de um sistema dependem de sua estrutura. Cada sistema tem um objetivo ou finalidade que constitui seu papel no intercâmbio com outros sistemas dentro do meio ambiente.
Administrador - MTE - CESPE - 2008 - Segundo a teoria de sistemas, as funções de um sistema independem de sua estrutura.
 
Gabarito: Errado.
É sobre essas premissas que se originaram as diversas tipologias estruturais das organizações. Talcott Parsons (1902-1979), por exemplo, identificou quatro funções essenciais – ou requisitos indispensáveis – para o funcionamento de um sistema:
  • adaptação (ajustamento permanente às demandas do ambiente);
  • alcance de objetivos (fixação e implementação de metas);
  • integração (processos que asseguram o inter-relacionamento entre as partes do sistema);
  • manutenção (continuidade e transmissão de valores para os novos participantes).
Corroborando a premissa 3 acima elencada, esse autor diz que o aspecto funcional da estrutura de uma organização é o que deveria ser privilegiado para estabelecer uma classificação própria às estruturas organizacionais. 
 
Além disso, Parsons definiu as seguintes características de um sistema, já abordadas e conhecidas por nós: é relativamente aberto, integra um sistema mais amplo e mantém constantes relações com seu ambiente.
 
Para a teoria dos sistemas, é importante conhecermos alguns conceitos que caracterizam a organização como um sistema aberto.
 
 Entradas (inputs): aquilo que organização recebe do ambiente, justamente por não ser uma estrutura auto-suficiente.
 
► Transformação: sistemas abertos necessitam transformar o que recebem do ambiente. Em síntese, é um arranjo das entradas (inputs) para gerar resultados.
 
► Saídas (outputs): é a exportação dos resultados da organização para o seu meio ambiente.
 
► Retroação, retroalimentação, retroinformação ou feedback: comparação da saída com um critério ou padrão previamente estabelecido. Esse conceito tem por finalidade controlar ou monitorar. Também busca incorporar ação-resposta para certas situações com parâmetros previamente estabelecidos; é nesse sentido que se diz que o feedback pode propiciar uma situação em que o sistema se torne autorregulador.
 
► Entropia negativa: entropia é um processo pelo qual todas as formas organizadas tendem à exaustão, à desorganização, à desintegração, à morte. Para sobreviver, os sistemas abertos precisam mover-se para deterem esse processo entrópico e se reabastecerem de energia. Esse movimento de resistência à entropia é chamado de entropia negativa.
 
► Homeostase dinâmica: é a preservação do caráter do sistema aberto: o equilíbrio. Ou seja, é a reação às mudanças por intermédio do crescimento que assimila as novas entradas de energia nas suas estruturas.
 
► Diferenciação: é a tendência à multiplicação e à elaboração de funções, o que lhe proporciona multiplicação de papéis e diferenciação interna. Os padrões difusos e globais são substituídos por funções especializadas, hierarquizadas e diferenciadas.
 
► Equifinalidade: enfatiza que um sistema pode alcançar, por uma variedade de caminhos, o mesmo resultado final, partindo de diferentes condições iniciais.
 
► Limites: a organização como um sistema aberto possui fronteiras entre o sistema e o ambiente.
 
A Teoria dos Sistemas, de fato, revolucionou a maneira de pensar na organização. Aspectos da abordagem clássica de gestão (no sentido de tradicional, não confundir com a Teoria Clássica) são opostos aos aspectos da abordagem sistêmica.
 
Abordagem clássica (tradicional) Abordagem sistêmica
Reducionismo: todas as coisas podem ser decompostas e reduzidas em seus elementos fundamentais simples. Expansionismo: todo fenômeno é parte de um fenômeno maior.
Pensamento analítico: explicar as coisas ou tentar compreendê-las melhor. Pensamento sintético: parte de um sistema maior e é explicado em termos do papel que desempenha nesse sistema maior.
Mecanicismo: princípio que se baseia na relação simples de causa e efeito entre dois fenômenos. Teleologia: princípio segundo o qual a causa é uma condição necessária, mas nem sempre suficiente para que surja o efeito
 
Analista Administrativo - ANEEL - CESPE - 2010 - Na abordagem sistêmica, o desempenho de um sistema é determinado pelas relações diretas de causa e efeito das ações executadas pelas partes.
 
Comentários:
 
De modo contrário à abordagem clássica, a abordagem sistêmica sustenta que todo fenômeno é parte de um fenômeno maior, ou seja, essa teoria difere daquela principalmente no sentido de que o princípio de mecanismo (que se baseia na relação simples da causa-efeito entre dois fenômenos) é substituído pelo princípio teleológico (segundo o qual a causa é uma condição necessária, mas nem sempre suficiente para que surja o efeito, isto é, a relação causa-efeito não é uma relação mecanicista, mas simplesmente probabilística).
 
Gabarito: Errado.
7. Abordagem Contingencial da Administração
A expressão "contingência" significa algo que é incerto ou eventual, que pode se suceder ou não, a depender das circunstâncias. A Abordagem Contingencial salienta que não se alcança a eficácia organizacional seguindo um único e exclusivo modelo organizacional, ou seja, não existem princípios universais que podem ser aplicados indistintamente a todas as organizações. Em suma, não há uma forma única e melhor para organizar o caminho de alcance aos objetivos variados das organizações.
7.1. Teoria da Contingência
De acordo com Idalberto Chiavenato, a Teoria da Contingência representa um passo além da Teoria dos Sistemas em Administração. A visão contingencial da organização e da administração sugere que a organização é um sistema composto de subsistemas e definido por limites que o identificam em relação ao supra-sistema ambiental.
 
A visão contingencial procura analisar as relações dentro e entre os subsistemas, bem como entre a organização e seu ambiente e definir padrões de relações ou configuração de variáveis. Ela enfatiza a natureza multivariada das organizações e procura verificar como as organizações operam sob condições variáveis e em circunstâncias específicas.
 
A Teoria da Contingência surgiu a partir de várias pesquisas feitas para verificar os modelos de estruturas organizacionais mais eficazes em determinados tipos de empresas. Essas pesquisas pretendiam confirmar se as organizações mais eficazes seguiam os pressupostos da Teoria Clássica, como divisão do trabalho, amplitude de controle, hierarquia de autoridade etc.
 
A visão contingencial está dirigida, acima de tudo, para desenhos organizacionais e sistemas gerenciais adequados para cada situação específica. Ela parte de uma relação funcional entre as condições do ambiente e as técnicas administrativas apropriadas para o alcance dos objetivos da organização:
Vele a pena enfatizar, mais uma vez, que a abordagem contingencial salienta que não se alcança a eficácia organizacional seguindo um único e exclusivo modelo organizacional, ou seja, não existe uma forma única ou universal, ou ainda, melhor, para organizar no sentido de se alcançar os objetivos variados das organizações dentro de um ambiente também variado. Essa é a concepção de um ambiente variável, contingencial.
 
É nesse ambiente de constante inovação e adaptabilidade que se destaca a expressão "adhocracia". O termo refere-se ao oposto da "burocracia", significando uma estrutura flexível capaz de amoldar-se contínua e rapidamente às condições ambientais em mutação.
 
Ao analisar o ambiente das organizações segundo a visão da Teoria da Contingência, Chiavenato (2003) separa-o em dois extratos: o ambiente geral e o ambiente de tarefa.
 
ambiente geral é o macroambiente, aquele ambiente genérico e comum a todas as organizações. Esse ambiente geral constituído de um conjunto de condições comuns para todas as organizações. O autor cita como exemplos as condições tecnológicas, legais, políticas, econômicas, demográficas, ecológicas e culturais.
 
Já o ambiente de tarefa é o ambiente mais próximo e imediato de cada organização. Constitui o segmento do ambiente geral do qual a organização extrai suas entradas e deposita suas saídas, enfim, é o ambiente onde cada organização opera. São exemplos citados os fornecedores, clientes, usuários, concorrentes e entidades reguladoras.
 
Destacamos, também, a pesquisa realizada por Burns e Stalker (1961), sobre a relação entre práticas administrativas e ambiente externo, classificando as organizações em: organizações "mecanísticas" e "orgânicas".
 
Características das organizações mecanísticas:
 
a. Estrutura burocrática baseada em uma minuciosa divisão do trabalho.
b. Cargos ocupados por especialistas com atribuições claramente definidas.
c. Decisões centralizadas e concentradas na cúpula da empresa.
d. Hierarquia rígida de autoridade baseada no comando único.
e. Sistema rígido de controle: a informação sobe por meio de filtros e as decisões descem por meio de uma sucessão de amplificadores.
f. Predomínio da interação vertical entre superior e subordinado.
g. Amplitude de controle administrativo mais estreita.
h. Ênfase nas regras e procedimentos formais.
i. Ênfase nos princípios universais da Teoria Clássica.
j. Estrutura rígida e definitiva.
 
Características das organizações orgânicas:
 
a. Estruturas organizacionais flexíveis com pouca divisão de trabalho.
b. Cargos continuamente modificados e redefinidos por meio da interação com outras pessoas que participam da tarefa.
c. Decisões descentralizadas e delegadas aos níveis inferiores.
d. Tarefas executadas por meio do conhecimento que as pessoas têm da empresa como um todo.
e. Hierarquia flexível, com predomínio da interação lateral sobre a vertical.
f. Amplitude de controle administrativo mais ampla.
g. Maior confiabilidade nas comunicações informais.
h. Ênfase nos princípios de relacionamento humano da Teoria das Relações Humanas.
i. Estrutura flexível e adaptativa.

BURNS, T.; STALKER, G. M.. The Management of Innovation. Londres: Tavistock Public, 1961.
 
CHIAVENATO, I.. Introdução à teoria geral da administração: uma visão abrangente da moderna administração das organizações. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003.
 
KOONTZ, H.; O'DONNELL, C.. Princípios de Administração - Uma Análise das Funções Administrativas. São Paulo: Livraria Pioneira Editora, 1976.
 
STONER, J. A. F.; FREEMAN, R. E.; GILBERT JR., D. R.. Management, Englewood Cliffs, New Jersey: Prentice Hall, 1995, p. 421-422
 
WAHRLICH, B. M. de S.. Uma análise das teorias de organização. 5ª ed. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1986.
 
WHYTE JR., W. F.. The Organization Man. Nova York: Doubleday & Co., 1966.
Em breve, retornaremos com mais conteúdos!
 
Abraços e fiquem com Deus!
 
Adriel Monteiro
Deixe seu comentário:
Ocorreu um erro na requisição, tente executar a operação novamente.