Prova Contabilidade - Sefaz MA - FCC 2016

por Diego Cardoso em 16/09/2016
Olá Pessoal,
 
Abaixo, minhas considerações sobre a prova de Contabilidade, tipo 1, da SEFAZ MA.
 
Abraço a todos,
 
Diego Cardoso.
 
Contabilidade Geral Avançada

46. Uma empresa importou um lote de mercadorias para comercialização no Brasil, sendo que a compra foi realizada em outubro de 2013 e o preço pago à vista ao fornecedor no exterior foi R$ 3.000.000,00. Os gastos descritos a seguir foram necessários para a empresa dispor das mercadorias em condições de venda, e foram todos pagos à vista:

− Gasto de R$ 300.000,00 para transportar as mercadorias do país de origem até o Brasil.
− Taxas e tarifas no valor de R$ 120.000,00 para o ingresso e regularização das mercadorias no Brasil.
− Imposto de importação no valor de R$ 30.000,00. Este imposto é definitivo e não é compensável pela empresa.
− Gasto de R$ 50.000,00 para transporte das mercadorias até o depósito da empresa.
− Impostos locais no valor de R$ 45.000,00 que podem ser compensados com os impostos incidentes no momento da venda das mercadorias.

Sabe-se que não havia saldo de estoque antes desta compra e que, em dezembro de 2013, a empresa vendeu oitenta por cento (80%) das mercadorias que haviam sido importadas. O valor evidenciado pela empresa no Balanço Patrimonial de 31/12/2013, exclusivamente em relação às mercadorias importadas remanescentes, foi, em reais:

(A) 600.000,00.
(B) 709.000,00.
(C) 700.000,00.
(D) 630.000,00.
(E) 606.000,00
 
 
O CPC 16 – Estoques exige que os estoques devem ser mensurados pelo valor de custo ou pelo valor realizável líquido, dos dois o menor.
 
Neles se incluem todos os custos de aquisição, de transformação e outros incorridos para trazer os estoques à sua condição e localização atuais.
 
Por isso, devem compreender o preço de compra, os impostos de importação e outros tributos (que não sejam aqueles posteriormente recuperáveis pela empresa), custos de transporte, seguro, manuseio e outros diretamente atribuíveis à aquisição de produtos acabados, materiais e serviços. Descontos comerciais, abatimentos e outros itens semelhantes devem ser deduzidos do preço na determinação do custo de aquisição.
 
Custo de aquisição dos estoques
 
(=) Preço de compra
R$ 3.000.000,00
(+) Transporte aéreo para trazer a mercadoria do país de origem até o Brasil
R$ 300.000,00
(+) Taxas e tarifas alfandegárias para ingresso das mercadorias no Brasil
R$ 120.000,00
(+) Imposto de importação não recuperável
R$ 30.000,00
(+) Transporte da mercadoria até o depósito da empresa
R$ 50.000,00
(=) Custo de aquisição
R$ 3.500.000,00
 
Obs: os impostos locais de R$ 45.000,00 são recuperáveis e, portanto, não compõe o custo de aquisição do lote de mercadorias.
 
Venda de 80% do total das mercadorias adquiridas
 
Como foram vendidas 80% das mercadorias adquiridas, restaram no estoque de mercadorias apenas 20%, logo,
 
R$ 3.500.000,00 x 20% = R$ 700.000,00
 
ESTOQUES
(=) Estoque inicial
0,00
(+) Entradas
R$ 3.500.000,00
(-) Saídas
(R$ 2.800.000,00)
(=) Estoque final
R$ 700.000,00
 
Gabarito: “C”
 
47. No dia 01/12/2014, a empresa comercial Facilito A Venda S.A. realizou vendas de mercadorias no valor total de R$ 12.800.000,00, sendo que R$ 5.000.000,00 foram recebidos à vista e o restante para ser recebido integralmente em 01/12/2016. Na data da venda, a empresa estava praticando, para as suas vendas a prazo, a taxa de juros de 1,099% ao mês que corresponde a 30% em 2 anos.

No Balanço Patrimonial da empresa Facilito A Venda S.A. de 31/12/2014, o valor evidenciado para o saldo a receber das vendas efetuadas em 01/12/2014 foi, em reais:

(A) 7.800.000,00.
(B) 7.885.722,00.
(C) 6.000.000,00.
(D) 6.065.940,00.
(E) 12.940.672,00.
 
Preliminarmente ao cálculo da Receita, podemos observar que foram realizadas venda à vista e venda a prazo. A venda a prazo, que é uma transação de longo prazo, deverá ser ajustada ao valor presente, obedecendo ao disposto na Lei 6.404/76, que diz:
 
“Art. 183. No balanço, os elementos do ativo serão avaliados segundo os seguintes critérios:
...
VIII – os elementos do ativo decorrentes de operações de longo prazo serão ajustados a valor presente, sendo os demais ajustados quando houver efeito relevante. (Incluído pela Lei nº 11.638, de 2007)”
 
Assim, faremos o reconhecimento da receita de vendas à vista separadamente das receitas de vendas à prazo.
 
  1. Receita de vendas à vista
 
D – Caixa/Bancos              R$ 5.000.000,00
C – Receita de vendas        R$ 5.000.000,00
 
 
Ressaltamos que:
  • A conta Caixa ou Bancos será debitada pela entrada do dinheiro das vendas à vista
 
  1. Receita de vendas à prazo
 
Aqui é importante realizar o ajuste ao valor presente deste venda, como dispõe o pronunciamento técnico:
 
"A quantificação do ajuste a valor presente deve ser realizada em base exponencial (juros compostos) pro rata die, a partir da origem de cada transação, sendo os seus efeitos apropriados nas contas a que se vinculam."
 
Valor da venda a prazo = R$ 12.800.000,00 - R$ 5.000.000,00 = R$ 7.800.000,00
 
Valor presente da venda = R$ 7.800.000,00/1,3
 
Valor presente da venda = R$ 6.000.000,00
 
D – Clientes R$ 7.800.000,00
C – Ajuste a valor presente R$ 1.800.000,00
C – Receita de Vendas R$ 6.000.000,00
 
Ressaltamos que:
  • A conta Clientes será debitada pelos recebíveis decorrentes de vendas a prazo (R$ 7.800.000,00)
  • A conta Ajuste ao Valor Presente, que retificará a conta Clientes, será creditada pelos juros ainda não apropriados ao resultado e que será apropriado como receita financeira até o vencimento do recebível. (R$ 1.800.000,00)
  • A conta Receita de Vendas será creditada pelo seu valor atual (R$ 6.000.000,00) e não por seu valor nominal. O valor atual é obtido descontando-se o valor nominal até o presente pela taxa de juros efetiva.
Assim, o lançamento agregado das receitas de vendas são:
 
D – Caixa/Bancos                  R$ 5.000.000,00
D – Clientes                           R$ 7.800.000,00
C – Ajuste a valor presente      R$ 1.800.000,00
C – Receita de vendas            R$ 11.000.000,00
 
A receita financeira a ser apropriada, no mês de dezembro, será obtida pelo produto da taxa de juros mensal da operação (1,099%) com o saldo líquido da conta clientes.
 
Valor atual do recebível: R$ 7.800.000,00 - R$ 1.800.000,00 = R$ 6.000.000,00
Taxa de juros: 1,099%
Receita de juros = R$ 6.000.000,00 x 1,099% = R$ 65.940,00
 
O lançamento da apropriação dos juros será:
 
D – Ajuste ao Valor Presente R$ 65.940,00
C – Receita Financeira  R$ 65.940,00
 
O saldo líquido da conta clientes em 31/12 será igual a:
 
Clientes R$ 7.800.000,00
Ajuste ao valor presente (R$ 1.800.000,00 - R$ 65.940,00 = R$ 1.734.060,00+
Saldo R$ 6.065.940,00
 
Gabarito: “D”
 
48. A empresa Compro Melhor S.A. negociou com um fornecedor a aquisição de 120.000 unidades de determinada mercadoria que deveriam ser entregues nos 12 meses posteriores. A negociação ocorreu em 31/10/2015 e, tendo em vista a perspectiva de aumento de preços no período, a Compro Melhor S.A. pagou, nesta data, o valor integral de R$ 12.000.000,00 ao fornecedor. Durante o ano de 2015, a empresa requereu, e o fornecedor entregou, 40% do total de unidades contratadas. O valor evidenciado no Balanço Patrimonial de 31/12/2015, correspondente ao direito que a empresa Compro Melhor S.A. detinha sobre o fornecedor foi, em reais:

(A) 12.000.000,00.
(B) 7.200.000,00.
(C) 10.000.000,00.
(D) 4.800.000,00.
(E) 0,00.
 
Em 31/10/2015
 
Pelo pagamento do fornecimento de 120.000 unidades para os próximos 12 meses
 
D - Despesas antecipadas  R$ 12.000.000,00
C - Caixa                           R$ 12.000.000,00
 
Pelo recebimento de 40% (48.000 unidades) do lote de mercadorias contratadas
 
C- Despesas antecipadas R$ 4.800.000,00
D - Mercadorias               R$ 4.800.000,00
 
O direito que a empresa detinha sobre o fornecedor corresponde ao saldo da conta de despesas antecipadas em 31/12
 
Saldo das despesas antecipadas = R$ 12.000.000,00 - R$ 4.800.000,00 = R$ 7.200.000,00
 
Gabarito: "B"
 
49. O preço de aquisição de um equipamento de produção foi R$ 9.000.000,00, o pagamento da compra ocorreu à vista em 31/12/2013 e o mesmo entrou em funcionamento na mesma data. A empresa definiu a vida útil do equipamento em 8 anos de utilização e calcula sua despesa de depreciação em função do tempo decorrido. Na data da aquisição o valor residual no final do prazo de vida útil foi estimado em R$ 1.120.000,00. No início do ano de 2015, a empresa reavaliou a vida útil remanescente do equipamento para 5 anos, em função de alteração na sua política de substituição do equipamento, e estimou que o valor residual no final desta nova vida útil seria R$ 1.205.000,00. A análise feita pela empresa no final de 2014 identificou que não havia necessidade de redução do valor contábil do equipamento. Para fins fiscais a vida útil do equipamento é definida em 10 anos. O valor contábil que deveria ser evidenciado no Balanço Patrimonial de 31/12/2015 para este equipamento foi, em reais:

(A) R$ 7.030.000,00.
(B) R$ 6.750.000,00.
(C) R$ 7.200.000,00.
(D) R$ 6.653.000,00.
(E) R$ 5.757.000,00.
 
Em 31/12/2013 – Aquisição da máquina
 
D – Imobilizado R$ 9.000.000,00
C – Caixa         R$ 9.000.000,00
 
Depreciação anual = (R$ 9.000.000,00 - R$ 1.120.000,00)/8 = R$ 7.880.000,00/8 = R$ 985.000,00
 
Em 31/12/2014 – Apropriação da depreciação anual
 
No diário:
 
D – Depreciação                   R$ 985.000,00
C – Depreciação Acumulada  R$ 985.000,00
 
No BP:
 
Imobilizado = R$ 9.000.000,00
Depreciação Acumulada = R$ 985.000,00
Saldo = R$ 8.015.000,00
 
Reestimativa da vida útil e do valor residual
 
Novo valor residual = R$ 1.205.000,00
Vida útil remanescente = 5 anos
 
Nova Depreciação anual = (R$ 8.015.000,00 - R$ 1.205.000,00)/5 = R$ 6.810.000,00/5 = R$ 1.362.000,00
 
Em 31/12/2015
 
No Diário:
 
D – Depreciação                  R$ 1.362.000,00
C – Depreciação Acumulada R$ 1.362.000,00
 
No BP:
 
Imobilizado: R$ 9.000.000,00
Depreciação Acumulada: R$ 985.000,00 + R$ 1.362.000,00 = R$ 2.347.000,00
Valor contábil: R$ 6.653.000,00
 
Gabarito: “D”
 
50. As aplicações financeiras realizadas por uma empresa durante o ano de 2015 são apresentadas na tabela abaixo, onde são encontradas as informações sobre os valores aplicados, as taxas de juros compostos para remuneração, as datas das aplicações e de vencimentos, a classificação feita pela empresa quanto ao objetivo em relação a cada aplicação financeira e os valores justos de cada aplicação em 31/12/2015.
 
Data da aplicação Valor Aplicado (em reais) Data de vencimento dos títulos Classificação pela empresa Taxa de juros Valor Justo em 31/12/2015 (em reais)
01/12/2015 90.000,00 31/12/2018 Mantido até o vencimento 1,5% a.m. 91.500,00
31/10/2015 80.000,00 31/12/2019 Disponível para venda futura 1,2% a.m. 82.000,00
30/09/2015 50.000,00  31/12/2017 Destinados à venda imediata 1,0% a.m. 51.800,00
 
 
Ignorando os valores representativos de centavos, o valor total evidenciado no Balanço Patrimonial de 31/12/2015 para as três aplicações financeiras em conjunto foi, em reais:

(A) 220.000.
(B) 224.796.
(C) 225.300.
(D) 224.946.
(E) 225.150.
 
A contabilização referente aos instrumentos financeiros dar-se-á de acordo com o esquema abaixo:
 
Classificação dos títulos
Rendimento de Juros
Valor Justo positivo
Valor Justo Negativo
Mantidos até o vencimento
Receita de Juros (Resultado)
 
Não faz nada
Não faz nada (exceto nos casos de perda permanente)
Destinados à negociação imediata
Receita de Ajuste ao Valor Justo (Resultado)
Despesa de Ajuste ao Valor Justo (Resultado)
Destinados à venda futura
Ajuste de Avaliação Patrimonial (PL - Credora)
Ajuste de Avaliação Patrimonial (PL - Devedora)
 
 
Agrupando os dados da questão, faremos a contabilização dos juros e posteriormente a contabilização do ajuste ao valor justo para a apuração do valor contábil dos títulos.
 
Contabilização dos Juros
 
Classificação dos títulos pela empresa
Valor aplicado (R$)
Taxa de juros
Data da aplicação
Data de vencimento
Mantido até o vencimento
90.000,00
1,5% a.m.
01/12/2015
31/12/2018
Disponível para venda futura
80.000,00
1,2% a.m.
31/10/2015
31/12/2019
Destinados à venda imediata
50.000,00
1,0% a.m.
30/09/2015
31/12/2017
 
 
 
Classificação dos títulos pela empresa
Valor aplicado
Receitas de Juros em 2015
Saldo em 31/12/2015
Mantido até o vencimento
90.000,00
D – Instrumentos Financeiros “mantidos até o vencimento”
1.350,00
91.350,00
 
C – Receita de Juros
1.350,00
Disponível para venda futura
80.000,00
D – Instrumentos Financeiros “destinados à venda futura”
1.931,52
81.931,52
 
C – Receita de Juros
1.931,52
Destinados à venda imediata
50.000,00
D – Instrumentos Financeiros “destinados à negociação imediata”
1.515,05
51.515,05
 
C – Receita de Juros
1.515,05
 
 
Contabilização do ajuste ao valor justo
 
Classificação dos títulos pela empresa
Saldo antes do ajuste ao valor justo
Valor Justo (R$)
Ajuste ao valor justo em 31/12/2013
Valor contábil dos títulos em 31/12/2015
Mantido até o vencimento
91.350,00
91.500,00
 
Não faz nada
 
91.350,00
Disponível para venda futura
81.931,52
82.000,00
D – Instrumentos Financeiros “destinados à venda futura”
68,48
82.000,00
C – Ajuste de avaliação patrimonial
68,48
Destinados à venda imediata
51.515,05
51.800,00
D – Instrumentos Financeiros “destinados à negociação imediata”
285,00 51.800,00
C – Receita de ajuste ao valor justo 285,00
 
o valor total evidenciado no Balanço Patrimonial de 31/12/2015 para as três aplicações financeiras em conjunto foi:
 
91.350,00 + 82.000,00 + 51.800,00 = 225.150,00
 
 
Gabarito: Letra “E”
 
51. Uma sociedade por ações utiliza um equipamento obtido por meio de um contrato de arrendamento mercantil financeiro que foi iniciado em 01/12/2015. Pelo contrato de arrendamento, a empresa deverá pagar 48 parcelas mensais de R$ 28.631,46 e um valor residual garantido de R$ 200.000,00 que vence junto com a última parcela mensal. A taxa de juros implícita no contrato é 1,8% ao mês e o valor presente dos pagamentos na data de início do contrato era R$ 1.000.000,00. O valor justo do equipamento na data de início do arrendamento mercantil era R$ 1.200.000,00, a empresa definiu que vai utilizá-lo por 8 anos e
no final deste prazo de utilização será possível vendê-lo por um valor líquido de despesas de vendas de R$ 232.000,00. Sabendo-se que para fins fiscais as parcelas mensais são consideradas despesas dedutíveis pelo valor integral e que a empresa calcula a depreciação de seus equipamentos pelo método das quotas constantes, a empresa deveria evidenciar na demonstração do resultado do ano de 2015, em reais, exclusivamente em relação ao contrato de arrendamento mercantil:

(A) Despesa de arrendamento = R$ 28.631,46
(B) Despesa de depreciação = R$ 10.416,67 e Despesa de arrendamento = R$ 28.631,46
(C) Despesa de depreciação = R$ 12.500,00 e Despesa financeira = R$ 21.600,00
(D) Despesa de depreciação = R$ 8.000,00 e Despesa financeira = R$ 18.000,00
(E) Despesa de depreciação = R$ 10.083,33 e Despesa financeira = R$ 18.000,00
 
No começo do prazo de arrendamento mercantil, os arrendatários devem reconhecer, em contas específicas, os arrendamentos mercantis financeiros como ativos e passivos nos seus balanços por quantias iguais ao valor justo da propriedade arrendada ou, se inferior, ao valor presente dos pagamentos mínimos do arrendamento mercantil, cada um determinado no início do arrendamento mercantil.
 
Portanto, o lançamento do arrendamento mercantil por ocasião de seu reconhecimento, será mensurado pelo valor justo ou pelo valor presente, dos dois, o menor:
 
D - Veículos                                                             R$ 1.000.000
C - Arrendamento mercantil financeiro a pagar            R$ 1.000.000
        Arrendamento a pagar                                         R$ 1.374.310,08
 
        Juros a transcorrer                                              (R$  374.310,08)
 
Como foi dada a taxa efetiva de juros da operação, a despesa financeira a ser reconhecida em 12/2015 será obtida pelo produto desta taxa efetiva com o valor do arrendamento mercantil a pagar.
 
Despesa financeira = 1,8% x R$ 1.000.000,00
Despesa financeira = R$ 18.000,00
 
A primeira parcela o arrendamento será composta de principal + juros, sendo:
 
Juros = R$ 18.000,00
Principal = R$ 28.631,46 - R$ 18.000,00 = R$ 10.631,46
 
O lançamento da apropriação dos juros será o seguinte:
 
D - Despesa financeira   R$ 18.000,00
C - Juros a Transcorrer   R$ 18.000,00
 
O Lançamento o pagamento do arrendamento será:
 
D - Arrendamento mercantil financeiro a pagar     R$ 28.631,46
C - Caixa                                                          R$ 28.631,46
 
E relação à depreciação o lançamento será
 
Depreciação anual = (R$ 1.000.000,00 - R$ 232.000,00)/8 = R$ 768.000,00/8 = R$ 96.000,00
 
Depreciação mensal = R$ 96.000,00/12 = R$ 8.000,00
 
D - Despesa com depreciação   R$ 8.000,00
C - Depreciação acumulada       R$ 8.000,00
 
Gabarito: "D"
 
52. Os saldos das contas do Balanço Patrimonial de uma empresa, em 31/12/2014, eram os seguintes, em reais:

Fornecedores ................................................................. 30.000,00    Depreciação Acumulada ............................................... 40.000,00
Receitas Antecipadas ..................................................... 10.000,00    Estoques ...................................................................... 50.000,00
Perdas Estimadas com Clientes ..................................... 7.500,00      Caixa e Equivalentes de Caixa ..................................... 10.000,00
Equipamentos ................................................................ 200.000,00  Reservas de Lucros ...................................................... 17.500,00
Imóveis ........................................................................... 100.000,00 Contas a Pagar ............................................................. 10.000,00
Capital Social ................................................................. 350.000,00  Valores a Receber de Clientes ..................................... 105.000,00
 
Os diversos eventos apresentados a seguir, relacionados com os Valores a Receber de Clientes existentes em 31/12/2014, ocorreram durante o ano de 2015 e nesta ordem:

− Valores a Receber de Clientes no valor total de R$ 10.000,00 foram considerados incobráveis pela empresa.
− Do saldo remanescente da conta Valores a Receber de Clientes a empresa recebeu 90% em 2015 e o restante será recebido em 2016.
− As vendas a prazo de 2015 que vencerão após 31/12/2015 totalizaram R$ 100.500,00.
− A empresa estimou as prováveis perdas com clientes aplicando o percentual de 4% sobre o saldo da conta Valores a Receber de Clientes em 31/12/2015.
 
No resultado de 2015 o valor total registrado de despesas relacionadas com a não realização de créditos sobre Valores a Receber de Clientes foi, em reais:

(A) 6.520,00.
(B) 14.020,00.
(C) 14.400,00.
(D) 4.400,00.
(E) 6.900,00.
 
− Valores a Receber de Clientes no valor total de R$ 10.000,00 foram considerados incobráveis pela empresa.
 
D - Perdas Estimadas com Clientes  R$ 7.500,00
D - Perdas com Clientes Incobráveis R$ 2.500,00
C - Valores a receber de Clientes      R$ 10.000,00
 
− Do saldo remanescente da conta Valores a Receber de Clientes a empresa recebeu 90% em 2015 e o restante será recebido em 2016.
 
Saldo remanescente = R$ 105.000,00 - R$ 10.000,00 = R$ 95.000,00
 
Recebimento de 90%
 
D - Caixa                                         R$ 85.500,00
C - Valores a receber de Clientes      R$ 85.500,00
 
Saldo da conta Valores a receber de Clientes = R$ 9.500,00
 
− As vendas a prazo de 2015 que vencerão após 31/12/2015 totalizaram R$ 100.500,00.
 
C - Receita de vendas                      R$ 100.500,00
D - Valores a receber de Clientes      R$ 100.500,00
 
Saldo da conta Valores a receber de Clientes = R$ 9.500,00 + R$ 100.500,00 = R$ 110.000,00
 
− A empresa estimou as prováveis perdas com clientes aplicando o percentual de 4% sobre o saldo da conta Valores a Receber de Clientes em 31/12/2015.
 
Saldo da conta Valores a Receber de Clientes em 31/12/2015 = R$ 105.000,00
 
D - Provisão com Perdas Estimadas com Clientes  R$ 4.400,00
C - Perdas Estimadas com Clientes                       R$ 4.400,00
 
Portanto, o valor total registrado de despesas relacionadas com a não realização de créditos sobre Valores a Receber de Clientes foi:
 
R$ 2.500,00 + R$ 4.400,00 = R$ 6.900,00
 
Gabarito: "E"
 
53. Uma empresa recebeu de um cliente o valor de R$ 1.200.000,00 para prestar serviços de manutenção pelo prazo de um ano. O contrato foi assinado em 01/10/2015, entrou em vigor imediatamente e estabelecia um total de 10 horas mensais de manutenção ordinária a serem atendidas, limitado a 120 horas no período contratado. Durante 2015, além das 10 horas mensais de manutenção ordinária, no mês de dezembro de 2015 a empresa aplicou mais 35 horas totais de trabalho em função de problemas extraordinários que ocorreram com os equipamentos da empresa contratante.
 
Na empresa contratada, o valor evidenciado na Demonstração do Resultado de 2015 e o saldo da conta do Balanço Patrimonial em 31/12/2015 decorrentes do contrato citado foram:

(A) Receita de Serviços = R$ 300.000,00; Receitas Antecipadas = R$ 900.000,00.
(B) Receita de Serviços = R$ 650.000,00; Receitas Antecipadas = R$ 550.000,00.
(C) Receita de Serviços = R$ 200.000,00; Receitas Antecipadas = R$ 1.000.000,00.
(D) Receita de Serviços = R$ 550.000,00; Receitas Antecipadas = R$ 650.000,00.
(E) Receita de Serviços = R$ 1.200.000,00.
 
Em 01/10
 
Pelo adiantamento
 
D - Caixa                           R$ 1.200.000,00
C - Receitas antecipadas   R$ 1.200.000,00
 
Valor da hora de manutenção = R$ 1.200.000,00/120 = R$ 10.000,00/h
 
Horas de manutenção consumidas em 2015
 
Horas ordinárias = 10h x 3 meses = 30h
Valor das horas ordinárias consumidas em 2015 = 30 x R$ 10.000,00 = R$ 300.000,00
 
Lançamento das horas ordinárias de manutenção consumidas
 
D - Clientes                       R$ 300.000,00
C - Receitas de Serviços    R$ 300.000,00
 
Horas extraordinárias = 35h
Valor das horas extraordinárias consumidas em 2015 = 35 x R$ 10.000,00 = R$ 350.000,00
 
Lançamento das horas extraordinárias de manutenção consumidas
 
D - Clientes                       R$ 350.000,00
C - Receitas de Serviços    R$ 350.000,00
 
Lançamento da contabilização da baixa do adiantamento
 
D - Receitas Antecipadas  R$ 650.000,00
C - Clientes                      R$ 650.000,00
 
O valor evidenciado na Demonstração do Resultado será R$ 650.000,00 de Receita de Serviços
 
O saldo da conta do Balanço Patrimonial será R$ 550.000,00 (R$ 1.200.000,00 - R$ 650.000,00)
 
Gabarito: "B"
 
54. Os estoques de uma empresa são controlados pelo Sistema de Inventário Permanente e mensurados pelo critério da Média Ponderada Móvel. Durante o ano de 2015, a empresa realizou, em ordem cronológica, as seguintes transações com compra e venda de mercadorias:
 
Data Operação Quantidade
(unidades)
Preço unitário de
compra (R$)
Preço unitário de
venda (R$)
02/03/2015 Compra 500 100,00  
06/04/2015 Venda 200 140,00
13/05/2015 Compra 100 96,00  
21/08/2015 Venda 200 144,00
29/11/2015 Compra 100 96,00
 
Sabendo que a empresa não detinha estoque inicial, o valor do Estoque apresentado no Balanço Patrimonial de 31/12/2015 foi, em reais:

(A) 29.400,00.
(B) 29.200,00.
(C) 29.600,00.
(D) 69.200,00.
(E) 39.800,00.
 
Data Operação Quantidade(unidades) Preço unitário de compra (R$) Preço unitário de venda (R$) Custo total (R$) Saldo em Estoques (R$) Unidades em estoque Custo unitário (R$) Receita (R$) CMV (R$) RCM (R$)
02/03/2015 Compra 500 100   50.000,00 50.000,00 500 100      
06/04/2015 Venda 200 140   30.000,00 300 100 28.000,00 20.000,00 8.000,00
13/05/2015 Compra 100 96   9.600,00 39.600,00 400 99,00      
21/08/2015 Venda 200 144   19.800,00 200 99,00 28.800,00 19.800,00 9.000,00
29/11/2015 Compra 100 96 9.600,00 29.400,00 300 98,00      
 
Gabarito: "A"
 
55. Um equipamento foi adquirido à vista por R$ 10.000.000,00 em 31/03/2015 e a empresa definiu sua vida útil em 8 anos. O valor realizável líquido de despesa de venda do equipamento no final do prazo de vida útil para a empresa foi estimado em R$ 4.000.000,00 e, para fins fiscais, a vida útil é definida em 10 anos. No final do ano de 2015, a empresa realizou o teste de redução ao valor recuperável para o equipamento (teste de impairment) e os valores obtidos em 31/12/2015 para a realização do teste para o equipamento foram:

− Valor justo líquido de despesa de venda = R$ 9.200.000,00
− Valor em uso = R$ 9.300.000,00

Sabendo-se que a empresa adota o método das quotas constantes para o cálculo da despesa mensal de depreciação, o valor total que impactou negativamente o resultado de 2015, exclusivamente em relação ao equipamento, foi, em reais:

(A) 750.000,00.
(B) 562.500,00.
(C) 700.000,00.
(D) 937.500,00.
(E) 450.000,00.
 
Em 31/03/2015
 
Reconhecimento do imobilizado
 
D - Imobilizado            R$ 10.000.000,00
C - Disponibilidades     R$ 10.000.000,00
 
Em 31/12/2015
 
Apropriação da depreciação
 
Depreciação anual = (R$ 10.000.000,00 - R$ 4.000.000,00)/8 = R$ 6.000.000,00/8 = R$ 750.000,00
 
Depreciação mensal = R$ 750.000,00/12 = R$ 62.500,00
 
Depreciação de 31/03 a 31/12 = R$ 62.500,00 x 9 = R$ 562.500,00
 
D - Depreciação                    R$ 562.500,00
C - Depreciação Acumulada   R$ 562.500,00
 
No BP:
 
Imobilizado = R$ 10.000.000,00
Depreciação acumulada = R$ 562.500,00
Saldo = R$ 9.437.500,00
 
Realização do teste de impairment:
 
Valor Contábil: R$ 9.437.500,00
Valor em Uso do ativo: R$ 9.300.000,00
Valor Justo líquido das despesas de venda do ativo: R$ 9.200.000,00
 
O Pronunciamento define valor recuperável como o maior valor entre o preço líquido de venda do ativo e o seu valor em uso. Caso um desses valores exceda o valor contábil do ativo, não haverá desvalorização nem necessidade de estimar o outro valor.
 
Se o valor recuperável do ativo for menor que o valor contábil, a diferença existente entre esses valores deve ser ajustada pela constituição de provisão para perdas, redutora dos ativos, em contrapartida ao resultado do período.
 
Após o reconhecimento da provisão para perdas, a despesa de depreciação, amortização e exaustão dos ativos desvalorizados deve ser calculada em períodos futuros pelo novo valor contábil apurado, ajustado ao período de sua vida útil remanescente.
 
A entidade deve avaliar na data de encerramento do exercício se há alguma indicação, de que uma perda reconhecida em anos anteriores deva ser reduzida ou eliminada. Em caso positivo, a provisão constituída deve ser revertida total ou parcialmente a crédito do resultado do período, desde que anteriormente a ele debitada.
 
Como o valor contábil é R$ 9.437.500,00, o valor recuperável é R$ 9.300.000,00, será reconhecida uma perda por desvalorização a débito no resultado no valor de R$ 137.500,00.
 
Assim, o valor total que impactou negativamente o resultado de 2015, exclusivamente em relação ao equipamento, foi de R$ 562.500,00 + R$ 137.500,00 = R$ 700.000,00
 
Gabarito: "C"
 
56. No Balanço Patrimonial de 31/12/2014, o Patrimônio Líquido da empresa Comércio de Produtos A Granel S.A. estava composto pelas seguintes contas (valores em reais):

Capital Social ........................................................................................................................................... 8.000.000,00
Reserva Legal .......................................................................................................................................... 1.400.000,00
Reserva Estatutária .................................................................................................................................. 500.000,00
Reserva de Capital................................................................................................................................... 300.000,00
Total do Patrimônio Líquido ..................................................................................................................... 10.200.000,00
 
No ano de 2015, a empresa apurou um lucro líquido de R$ 4.800.000,00 e constituiu as seguintes reservas:

− Reserva Legal, de acordo com os critérios e limites estabelecidos na Lei das Sociedades por Ações (Lei no 6.404/1976 e alterações posteriores).
− Reserva Estatutária no valor correspondente a 10% do Lucro Líquido deduzido do valor destinado para a constituição da Reserva Legal.
 
O estatuto da empresa estabelece que o dividendo mínimo obrigatório é calculado pela alíquota de 30% sobre o saldo remanescente de lucro líquido do período, após a constituição das reservas legal e estatutária. O valor dos dividendos que deveria ser evidenciado no passivo e o valor total do Patrimônio Líquido, ambos no Balanço Patrimonial de 31/12/2015, eram respectivamente, em reais:

(A) 1.242.000,00 e 13.758.000,00
(B) 1.231.200,00 e 13.768.800,00.
(C) 1.368.000,00 e 13.632.000,00.
(D) 1.380.000,00 e 13.620.000,00.
(E) 1.224.000,00 e 13.776.000,00.
 
Cálculo da Reserva Legal:
 
Limite obrigatório (Reserva Legal <= 20% do Capital Social) =  20% x 8.000.000,00 = 1.600.000,00
 
Limite facultativo (Reserva Legal + Reserva de Capital <= 30% do Capital Social) = 30% x 8.000.000,00 = 2.400.000,00
 
Reserva Legal (5% do Lucro Líquido) = 5% x 4.800.000,00 = 240.000,00
 
Como a diferença entre a reserva legal já constituída e o limite obrigatório é de 200.000,00, a empresa deve obrigatoriamente constituir reserva legal no valor de R$ 200.000,00, sendo os R$ 40.000,00 restantes facultativos.
 
Cálculo da Reserva Estatutária:
 
4.800.000,00 - 200.000,00 = 4.600.000,00
 
10% x 4.600.000,00 = 460.000,00
 
Cálculo dos dividendos:
 
30% x (4.600.000,00 - 460.000,00) = 1.242.000,00
 
Cálculo do Patrimônio Líquido
 
Capital Social = 8.000.000,00
Reserva Legal = 1.400.000,00 + 200.000,00 = 1.600.000,00
Reserva Estatutária = 500.000,00 + 460.000,00 = 960.000,00
Reserva de Capital = 300.000,00
Lucros Retidos = 4.800.000,00 - 200.000,00 - 460.000,00 - 1.242.000,00 = 2.898.000,00
Patrimônio Líquido = 13.758.000,00
 
Gabarito:"A"
 
57. A Demonstração do Resultado do ano de 2015 da empresa Produtos de Segurança Porta Aberta S.A. é apresentada a seguir:
 
Produtos de Segurança Porta Aberta S.A.
Demonstração do Resultado – Período: 01/01/2015 a 31/12/2015
 
Receita de Vendas 816.000
(−) Custo das Mercadorias Vendidas (524.000)
(=) Resultado Bruto com Mercadorias 292.000
(−) Despesas Operacionais
Depreciação (24.000)
Outras despesas operacionais (236.000)
(+) Resultado de Equivalência Patrimonial 12.000
(=) Resultado antes dos efeitos financeiros 44.000
(−) Despesas Financeiras (20.000)
(=) Resultado após os efeitos financeiros 24.000
(=) Outras receitas e despesas não recorrentes
Lucro na Venda de Terrenos 28.000
(=) Resultado antes de Impostos e Participações 52.000
(−) Despesa com Imposto de Renda (15.600)
(=) Resultado Líquido 36.400
 
As seguintes informações adicionais são conhecidas:
 
− A empresa não tinha saldo a receber de vendas no início de 2015.
− Do total das vendas efetuadas em 2015, 20% foram vendidos a prazo e serão recebidos em 2016.
− Todas as mercadorias vendidas foram adquiridas e pagas em 2015 e não havia estoques iniciais de mercadorias.
− No início do período, a empresa não tinha dívidas com fornecedores.
− Todas as outras despesas operacionais foram pagas no próprio ano de 2015.
− Do total de Despesas Financeiras, a empresa pagou 80% no próprio ano de 2015. A empresa classifica as Despesas Financeiras no grupo das atividades operacionais.
− O Imposto de Renda será pago em 2016.

Desconsiderando os tributos sobre vendas e sobre compras, o valor correspondente ao Caixa das Atividades Operacionais do ano de 2015 foi, em reais:

(A) 48.400 (positivo).
(B) 20.400 (positivo).
(C) 127.200 (negativo).
(D) 40.000 (positivo).
(E) 123.200 (negativo).
 
Lucro Líquido Ajustado
 
Resultado líquido = 36.400
(-) Resultado de equivalência patrimonial = (12.000)
(-) Lucro na venda de terrenos = (28.000)
(+) Depreciação = 24.000
(+) Despesas Financeira = 20.000
 
Lucro Líquido Ajustado = 40.400
 
Variação da conta clientes = (20% x 816.000 - 0) = + 163.200
Variação da conta estoques = Obs
Variação na conta fornecedores = Obs
 
Caixa Gerado pelas operações
 
Lucro Líquido Ajustado = 40.400
(-) Variação da conta clientes = (163.200)
 
Caixa Gerado pelas Operações = (122.800)
(-) Despesas Financeiras = (16.000)
(+) Imposto de Renda = 15.600
 
Caixa líquido gerado pelas operações = (123.200)
 
Obs:
 
Salvo melhor juízo, entendo que, quando a questão informa que todas as mercadorias vendidas foram adquiridas e pagas em 2015, não temos como saber se todas as mercadorias adquiridas foram vendidas, com vistas a apurar o estoque final e a variação da conta estoques (variação dos estoques = Compras Líquidas - CMV).
 
Entretanto, conforme a escrituração típica da aquisição de mercadorias, eventual saldo que estar no conta de estoques será idêntico ao eventual saldo que restar na conta de fornecedores. A variação positiva da conta de estoques será a mesma variação positiva da conta fornecedores, que por ocasião da apuração do fluxo de caixa, ambas irão se compensar, pois a variação positiva da conta de estoques irá diminuir o lucro líquido ajustado no mesmo montante em que a variação positiva da conta fornecedores irá aumentar o lucro líquido ajustado, e assim apurar a geração de caixa bruta das atividades operacionais.

Gabarito: "E"
 
58. Um lote de mercadorias foi adquirido à vista por uma empresa em 31/10/2015. O valor total da compra foi R$ 1.120.000,00 e engloba um imposto compensável pela empresa no valor de R$ 120.000,00. Em 18/12/2015 a empresa vendeu 70% dessas mercadorias por R$ 900.000,00 à vista e no valor total da venda está incluído um imposto sobre vendas de R$ 90.000,00. O valor do Resultado Bruto com Mercadorias reconhecido no resultado de 2015, exclusivamente em relação a estas mercadorias vendidas, foi, em reais:

(A) 116.000,00.
(B) 26.000,00.
(C) 200.000,00.
(D) 110.000,00.
(E) 137.000,00.
 
Custo de aquisição dos estoques
 
(=) Preço de compra
R$ 1.120.000,00
(-) Imposto recuperável
R$ 120.000,00
(=) Custo de aquisição
R$ 1.000.000,00
 
 
Venda de 70% do total das mercadorias adquiridas
 
Como foram vendidas 70% das mercadorias adquiridas, restaram no estoque de mercadorias apenas 30%, logo,
 
R$ 1.000.000,00 x 30% = R$ 300.000,00
 
ESTOQUES
(=) Estoque inicial
0,00
(+) Entradas
R$ 1.000.000,00
(-) Saídas
(R$ 700.000,00)
(=) Estoque final
R$ 300.000,00
 
 
 
DRE
(=) Receita Bruta
R$ 900.000,00
(-) Impostos sobre vendas
(R$ 90.000,00)
(=) Receita Líquida
R$ 810.000,00
(-) Custo das Mercadorias Vendidas
(R$ 700.000,00)
(=) Lucro Bruto
R$ 110.000,00
 
 
GABARITO: “D”.
 
59. Uma empresa contratou um empréstimo junto a uma instituição financeira de fomento com as seguintes características:

− Data da obtenção do empréstimo: 01/12/2015
− Prazo total do empréstimo: 8 anos
− Valor do empréstimo: $ 50.000.000,00.
− Taxa de juros contratada: 1,5% ao mês
− Carência de 2 anos com pagamentos semestrais dos juros acumulados em cada semestre. O valor de cada parcela semestral de juros é R$ 4.672.163,20.
− Pagamento mensais de 72 parcelas no valor de R$ 1.140.389,55 cada uma, com a primeira vencendo no final do 25o mês.
− A empresa pagou despesas iniciais (custos de transação), na data do contrato, no valor de R$ 1.000.000,00
− O custo efetivo da operação é 1,549% ao mês.

O valor do passivo relativo ao empréstimo obtido apresentado no Balanço Patrimonial de 31/12/2015 foi, em reais:

(A) 50.774.500,00.
(B) 50.750.000,00.
(C) 49.759.010,00.
(D) 49.735.000,00.
(E) 50.778.693,87.
 
Quando da contratação do empréstimo será debitado a conta bancos pela captação líquida e o passivo será composto pelos empréstimos a pagar e a conta retificado de encargos financeiros (custos de transação a amortizar e juros passivos a transcorrer).
 
Portanto de 01/12/2015 até 31/12/2015, houve a apropriação dos encargos financeiros (custos de transação + juros), no montante da taxa efetiva de juros da transação e saldo líquido da conta de empréstimos, que neste caso, por ser o primeiro mês será igual à captação líquida.
 
Encargos financeiros = 1,549% x 49.000.000,00
Encargos financeiros = 759.010
 
O valor do passivo será igual ao saldo anterior + encargos financeiros
 
Passivo = 49.000.000,00 + 759.010,00 = 49.759.010,00
 
GABARITO: “C”
 
60. O Balanço Patrimonial de uma empresa, em 31/12/2014, apresentou o saldo de R$ 1.200.000,00 na conta representativa das provisões que era composta dos seguintes valores:
 
Tipo de processo Provisão reconhecida em
31/12/2014
Trabalhista R$ 500.000,00
Tributário R$ 700.000,00
 
 
Para a elaboração do Balanço Patrimonial de 31/12/2015, as informações obtidas pela empresa sobre os processos existentes em 31/12/2014 e sobre outros que surgiram durante o ano de 2015 são apresentadas na tabela a seguir:
Tipo de processo Classificação pela empresa
em 31/12/2015
Valor estimado
em 31/12/2015
Trabalhista Provável R$ 400.000,00
Tributário Possível R$ 200.000,00
Cível Possível R$ 100.000,00
Ambiental Provável R$ 150.000,00
 
O efeito líquido causado na Demonstração do Resultado de 2015 da empresa relacionado com as provisões foi, em reais:

(A) redução de 850.000,00.
(B) aumento de 650.000,00.
(C) redução de 550.000,00.
(D) aumento de 350.000,00.
(E) aumento de 450.000,00.
 
Lembrando que já foram reconhecidas o valor de R$ 1.200.000,00 de provisões.
 
 
PROVISÕES
Novas estimativas para 31/12/2015
Probabilidade de perda
Reconhecidas em 31/12/2014
Processo Trabalhista
500.000,00
400.000,00
Provável
Processo Tributário
700.000,00
200.000,00
Possível
Processo Cível
0,00
100.000,00
Possível
Processo Ambiental
0,00
150.000,00
Provável
 
 
 
Assim, a contabilidade refletirá os seguintes efeitos:
 
Processo Trabalhista
Obrigação presente? Sim!
Perda Provável? Sim!
Estimativa confiável? Sim!
 
Reconhecimento de reversão de provisão no valor de 100.000,00
 
D – Provisão com Processo Trabalhista ................................. 100.000,00
C – Reversão de Provisão com Processo Trabalhista ........... 100.000,00
 
Processo Tributário
Obrigação presente? Sim!
Perda Provável? Não! Perda Possível? Sim!
Estimativa confiável? Sim!
 
Reconhecimento de reversão de provisão no valor de 700.000,00 e divulgação como passivo contingente
 
D – Provisão com Processo Tributário ................................. 700.000,00
C – Reversão de Provisão com Processo Tributário ........... 700.000,00
 
Processo Cível
Obrigação presente? Sim!
Perda Provável? Não! Perda Possível? Sim!
Estimativa confiável? Sim!
 
Não reconhece como passivo e divulga como passivo contingente
 
Processo Ambiental
Obrigação presente? Sim!
Perda Provável? Sim!
Estimativa confiável? Sim!
 
Reconhecimento de provisão no valor de 150.000,00
 
D – Despesa com Provisão com Processo Ambiental ........... 150.000,00
C – Provisão com Processo Ambiental .................................. 150.000,00
 
 
EFEITOS DAS PROVISÕES
No Balanço Patrimonial (Passivo)
No Resultado
 
 
 
 
 
D - Provisão com Processo Trabalhista
(100.000,00)
 
C – Reversão de Provisão com Processo Trabalhista
100.000,00
D – Provisão com Processo Tributário
(700.000,00)
 
C – Reversão de Provisão com Processo Tributário
700.000,00
C – Provisão com Processo Ambiental
150.000,00
 
D – Despesa com Provisão com Processo Ambiental
(150.000,00)
 
 
 
 
 
Efeito total no passivo
(650.000,00)
 
Efeito total no Resultado
650.000,00
 
 
Portanto, o efeito total das provisões no resultado foram em R$ 650.000,00, aumentando-o por ser de saldo credor.
 
GABARITO: Letra “B”
 
Deixe seu comentário:
Ocorreu um erro na requisição, tente executar a operação novamente.