Português + Música: Amianto

por Denise Carneiro em 11/01/2016
Um feliz 2016, meus queridos!
 
Aproveitarei este ano novinho em folha para também iniciar projetos novos e um deles é este: Português + Música. E como será isso, professora? Bem, escolherei uma música e usarei trechos dela a fim de revisar pontos interessantes e úteis para qualquer prova de concurso e para a vida. Legal, não é? Conselho: escutem a música trabalhada antes ou durante a leitura dos comentários, ok?
 
E, para começar, a escolhida é "Amianto", da banda Supercombo. Vamos lá? 
 
Moça, sai da sacada
"Moça" é um vocativo que pode ser retirado do texto sem prejuízo, pois não estabelece relação sintática com outros termos da oração.
 
Cuidado para não confundir vocativo com aposto!
Vocativo:  Moça, sai da sacada. (Sem relação sintática com outros termos da oração.)
Aposto: Maria, moça muito bonita, estava na sacada.  (Enumera, explica, especifica o sentido de um nome, estabelecendo relação sintática com ele. "Moça muito bonita" acrescenta explicação sobre o substantivo Maria.) 
 
Você é muito nova pra brincar de morrer
Esta frase está carregada de eufemismo, pois a banda fala de um jeito mais suave e poético que a moça é muito nova para suicidar-se.
 
Me diz o que há, o que que a vida aprontou dessa vez
Vale a pena lembrar que não devemos iniciar frases com pronome oblíquo, assim, gramaticalmente, está errado escrever "Me diz", sendo a construção ideal: Diz-me.  Destacamos que o artista tem permissão para escrever "como quiser", é o que chamamos de licença poética.
 
Venha, desce daí
Neste trecho temos verbos no modo Imperativo, mas conjugados em pessoas diferentes: venha (ele/ela) e desce (tu). Sabemos que não devemos fazer isso numa dissertação de prova de concurso, não é? Assim, as escritas adequadas seriam:
vem, desce daí (tu)
venha, desça daí (ele/ela/você).
 
Deixa eu te levar pra um café
"Pra um café" é adjunto adverbial, podendo ser de lugar ou de finalidade, dependendo da interpretação. Se considerarmos adjunto adverbial de lugar, o café será um local físico (cafeteria). Se considerarmos de finalidade, o café será o propósito do convite (tomar um café) que pode ocorrer em qualquer lugar. 
 
Pra conversar, te ouvir e tentar te convencer
 
Que a vida é como mãe
"Como" é conjunção comparativa.
 
Que faz o jantar e obriga os filhos a comer os vegetais
O verbo obrigar está empregado como transitivo direto e indireto, vejamos:
 
...obriga os filhos              a comer os vegetais
               obj. direto              objeto indireto
 
Pois sabe que faz bem
Neste trecho "pois" é conjunção explicativa, mas ela também pode ser conclusiva se  aparecer após o verbo, vejamos:
 
...pois sabe que faz bem - conjunção explicativa (antes do verbo "sabe")
... sabe, pois, que faz bem - conjunção conclusiva (após o verbo "sabe")
 
E a morte é como pai
Que bate na mãe e rouba os filhos do prazer
 
De brincar como se não houvesse amanhã
Vamos aproveitar este trecho para relembrar que verbos terminados em "sse" estão conjugados no pretérito imperfeito do Subjuntivo. Gostaríamos de destacar ainda a importância de termos em mente a conjugação completa do verbo "haver", queridinho das bancas. 
 
Moça, não olha pra baixo
Aí é muito alto pra você se jogar
 
Vou te ouvir, e tentar te convencer
A vírgula empregada após "ouvir" é estilística, pois, em regra, não devemos utilizá-la antes da conjunção aditiva "e" quando as orações tiverem o mesmo sujeito. Vale destacar que a conjunção "e" pode ter sentido adversativo, nesse caso a vírgula deve ser empregada, vejamos um exemplo:  Nadou tanto, e morreu na praia. (Conjunção "e" com sentido de "mas".)
 
Que a vida é como mãe
Que faz o jantar e obriga dos filhos a comer os vegetais
 
Pois sabe que faz bem
A oração "que faz bem" é subordinada substantiva objetiva direta, complementa o sentido do verbo transitivo direto "sabe". 
 
E a morte é como pai
Que bate na mãe e rouba os filhos do prazer
A oração "que bate na mãe" é subordinada adjetiva restritiva, qualifica limitando o sentido do substantivo "pai", retomado pelo pronome relativo "que". Vale destacar que esse pronome exerce função de sujeito na oração "que bate na mãe".
 
1) E a morte é como pai
2) Que bate na mãe
3) O pai bate na mãe
 
De brincar como se não houvesse amanhã
Mas tudo bem, nem sempre estamos na melhor
 
Moço, ninguém é de ferro
A expressão "de ferro" está empregada no sentido conotativo, pois não significa literalmente o elemento metálico (ferro), mas a característica de ser forte, ser inabalável.
 
Sentido Denotativo - lembrem do sentido do Dicionário (Denotativo = Dicionário), é o sentido literal
Sentido Conotativo - sentido figurado, sentido alterado de acordo com o contexto
 
Somos programados pra cair
 
Pronto, gente! Espero que tenham gostado da proposta! O objetivo é trabalhar, de forma diferente, alguns pontos importantes que podem ser complementados pelo estudo em livros ou no nosso material teórico! Por exemplo, falamos rapidamente sobre oração subordinada objetiva direta; se alguém não lembra desse tema, deve ir a um livro ou ao nosso material e revisar logo todas as orações subordinadas, pois elas sempre caem em provas. A mesma coisa pode ser feita com cada assunto abordado nesta análise.
 
A música fala que somos programados pra cair, mas digo que o importante é não desistir, levantar e prosseguir. Quem persiste chega lá! Estaremos juntos nesta caminhada!
Que 2016 seja um ano de vitórias para todos nós!
 
Um grande abraço e...
Sorriam, vocês serão aprovados!
Deixe seu comentário:
Ocorreu um erro na requisição, tente executar a operação novamente.