Orçamento Impositivo: aspectos dispostos na EC 86/2015

por Possati em 13/12/2015

Olá, amigos e amigas! No artigo de hoje vamos estudar objetivamente um assunto novo que possivelmente vai começar a ser exigido nas próximas provas de Administração Financeira e Orçamentária (AFO): o Orçamento Impositivo.

Com o advento da Emenda Constitucional nº 86/2015, determinadas emendas ao orçamento são obrigadas a serem executadas pelo Poder Executivo. Trata-se de aplicação do denominado Orçamento Impositivo.

Vejamos trechos da EC nº 86/2015 (orçamento impositivo):

Art. 166, §9º. As emendas individuais ao projeto de lei orçamentária serão aprovadas no limite de 1,2% (um inteiro e dois décimos por cento) da receita corrente líquida prevista no projeto encaminhado pelo Poder Executivo, sendo que a metade deste percentual será destinada a ações e serviços públicos de saúde.

11. É obrigatória a execução orçamentária e financeira das programações a que se refere o § 9º deste artigo, em montante correspondente a 1,2% (um inteiro e dois décimos por cento) da receita corrente líquida realizada no exercício anterior, conforme os critérios para a execução equitativa da programação definidos na lei complementar prevista no § 9º do art. 165.

12. As programações orçamentárias previstas no § 9º deste artigo não serão de execução obrigatória nos casos dos impedimentos de ordem técnica.

Observe que, na prática, essa Emenda Constitucional limita a discricionariedade do Poder Executivo.

Por derradeiro, impende anotar que apenas uma pequena parte do orçamento possui caráter impositivo, vale dizer, o caráter autorizativo continua sendo a regra. Nesse sentido, todo o restante do orçamento permanece sob controle do Poder Executivo, que poderá contingenciá-lo da maneira que melhor lhe aprouver, desde que esteja dentro dos limites estabelecidos pelo ordenamento jurídico pátrio. Alguns especialistas se referem a essa nova sistemática orçamentária de “orçamento impositivo à brasileira”, uma clara referência ao famoso “jeitinho brasileiro”.

Por fim, vale ressaltar que se houver impedimento de ordem técnica (no empenho de despesa que integre a programação) a emenda deixa de ter sua execução impositiva. Nesse caso, a EC 86/2015 impõe a comunicação formal ao Poder Legislativo no prazo de 120 dias da promulgação da lei orçamentária pelos Poderes Executivo ou Judiciário, pelo Ministério Público ou Defensoria Pública (art. 166, § 14, I).

Segundo a Cartilha do Orçamento Impositivo da Secretaria do Orçamento Federal (SOF), impedimento de ordem técnica pode ser entendido como elementos que obstem o curso regular da realização da despesa referente à emenda individual de execução obrigatória. Referida Cartilha nos fornece os seguintes exemplos de impedimentos de ordem técnica:

a) Não indicação do beneficiário e respectivo valor da emenda no prazo estabelecido;

b) Não apresentação do plano de trabalho no prazo;

c) Não atendimento dos ajustes solicitados pelos ministérios aos estados, municípios e entidades privadas no prazo.

d) Desistência do proponente.

e) Incompatibilidade do objeto indicado com a finalidade da ação orçamentária.

Exemplo: Ação orçamentária para fomento ao setor agropecuário e o objeto da proposta é custear festa de peão.

f) Incompatibilidade do objeto indicado com o programa do órgão ou entidade executora.

Exemplos:

  1. O programa do Ministério possui itens padronizados e a proposta indica aquisição de um bem não existente na lista.
  2. Conflita com normativos técnicos do ministério. UPA/UBS em lugar que já há cobertura.

g) Falta de razoabilidade dos valores, incompatibilidade do valor proposto com o cronograma de execução do projeto ou proposta de valor que impeça a conclusão de uma etapa útil do projeto.

Exemplo: A emenda é de R$ 100 mil e a proposta é de obra no valor de R$ 400 mil.

h) Não aprovação do Plano de Trabalho.

Bem, pessoal, conforme comentamos inicialmente, essa nova Emenda Constitucional que trata sobre o Orçamento Impositivo deve começar a ser exigido em concursos. Logo, devemos ficar alertas.

Por fim, gostaria de discorrer brevemente sobre a nova ferramenta disponível aqui no Tec: os livros teóricos. Trata-se de uma ferramenta inovadora, na qual você pode resolver exercícios comentados em todos os capítulos, adaptar livros para o edital que você está se preparando, fazer anotações e muito mais! E isso está apenas na 1ª versão, pois muito mais está por vir, afinal aqui no Tec o "laboratório de inovações" está sempre em pleno vapor!

No nosso livro teórico de AFO, disponível a todos os alunos do Plano avançado, temos toda a teoria necessária para a disciplina de AFO exigida nos diversos concursos. Trata-se de uma excelente forma de preparação a médio/longo prazo. Porém, se o seu edital já está na praça, você pode montar o seu curso de acordo com o edital, inclusive separando questões comentadas pelos professores da banca específica do seu concurso. Assim, temos um material que irá te atender tando no longo, médio ou curto prazos, sendo sempre atualizado quando necessário! Não tenha dúvida que estamos diante de um produto inovador, original e de excelente custo-benefício. Experimente!

Bons estudos!

Possati

prof.possati@gmail.com

Curta nossa página: www.facebook.com.br/profgilmarpossati

 
Deixe seu comentário:
Ocorreu um erro na requisição, tente executar a operação novamente.