Dicas sobre a regência dos verbos assistir e implicar

por Denise Carneiro em 29/05/2014
Olá, concurseiros! Tudo bem? Espero que sim!
 
Hoje vamos estudar, dentro do tópico da Regência Verbal, dois verbos constantemente trazidos em questões de concurso que, a partir de agora, vocês com certeza irão acertar! Vamos lá?
 
Assistir:
 
O verbo assistir é muito empregado na linguagem cotidiana, mas, algumas vezes, erramos a sua regência ao escrever. Isso acontece porque ele pode assumir sentidos diferentes em cada oração, dependendo do contexto, e essa variação de sentido influencia diretamente a regência e o uso das preposições, vamos ver?
 
1) Assistir com sentido de ver ou presenciar é transitivo indireto: a preposição “a” deve ser empregada, vejamos:
 
Exemplos: Maricota assistiu ao filme.
                     Florentino assistiu ao show.
                     Todos assistiram às reuniões.  -> OBS: “a” preposição + “a” artigo = crase
 
Percebem que na linguagem falada raramente usamos a preposição? Assim, devemos ter atenção ao estudar este verbo para não errarmos na hora da prova! 
 
2) Assistir com sentido de ajudar, socorrer ou prestar assistência é transitivo direto: não deve ser empregada nenhuma preposição, vejamos:
 
Exemplos: O enfermeiro assistiu o paciente com rapidez. (socorreu, ajudou) 
                     A professora assistiu a aluna com paciência. (prestou assistência, ajudou) -> OBS: o "a" que antecede "aluna" é artigo definido.
 
3) Assistir com sentido de morar ou residir é intransitivo: deve ser empregada a preposição “em”, vejamos:
 
Exemplo: Eu assisto em João Pessoa. (Eu resido em João Pessoa)
 
4) Assistir com sentido de pertencer é transitivo indireto: a preposição “a” deve ser empregada, vejamos:
 
Exemplo: Assiste aos trabalhadores o direito ao descanso semanal remunerado.
 
Implicar:
 
O verbo implicar também varia de regência de acordo com o sentido empregado, vamos ver?
 
1) Implicar com  sentido de acarretar, ter como conseqüência, fazer supor, dar a entender, pressupor é transitivo direto: não deve ser empregada nenhuma preposição, vejamos:
 
Exemplos: Dedicação implica sucesso. (acarreta)
                     O comportamento dele implicava grande comprometimento. (fazia supor, dava a entender)
 
Atenção! É comum vermos as orações acima escritas da seguinte maneira:
 
“Dedicação implica no/em sucesso” ERRADO!
“O comportamento dele implicava em/num grande comprometimento” ERRADO!
 
Há erro gramatical nas orações acima, pois, como explicamos, o verbo “implicar” com sentido de acarretar ou dar a entender é transitivo direto, logo não devemos fazer uso de preposição.
 
2) Implicar com sentido de ter implicância, ter antipatia é transitivo indireto: exige a preposição “com”, vejamos:
 
Exemplo: João implicava com a irmã todos os dias. (tinha implicância)
                  A vida implica com quem não se esforça. (tem antipatia, tem implicância)
 
3) Implicar com sentido de comprometer ou envolver é transitivo direto e indireto: a preposição “em” deve ser empregada para completar o objeto indireto do verbo, vejamos:
 
Exemplo: Estão implicando o prefeito (objeto direto, sem preposição) da cidade em atos de improbidade administrativa (objeto indireto, preposição “em”).
 
Entenderam, direitinho? No próximo encontro abordaremos outro tema importante para nosso estudo. O esforço, com certeza, será recompensado com a aprovação!
 
Abraço e fiquem com Deus!
 
Deixe seu comentário:
Ocorreu um erro na requisição, tente executar a operação novamente.