#CPCnaveia - Projeto 100 dicas - Novas normas

por Ricardo Haase em 11/01/2018
Fala pessoal!
 
Tudo bem com vocês? 
 
Espero que o ano de 2018 já esteja acelerado nos estudos e que o sucesso chegue na medida do esforço de cada um de vocês.
 
Estou aqui hoje para fazer um breve comentário sobre as três novas normas contábeis que teremos nesse novo ano. É importante que vocês fiquem por dentro delas e que não deixem escapar informações importantes. Sugiro uma leitura mais aprofundada depois para quem ler esse artigo.
 
 
Norma 1: MENSURAÇÃO DE RECEITAS
 
Galera, essa norma estará expressa no CPC 47 e na IFRS 15. Ela será responsável por revogar todos os demais CPC's que tratam de receitas.
Podemos resumir os CPC's que serão revogados com a nova norma, válida a partir de janeiro de 2018: CPC 17 - Contratos de construção (Anexos A e B do CPC 30), CPC 11 - Recebimentos em transferência de ativos de clientes e CPC 02 - Contratos de construção do setor imobiliário.
É claro que nem todas as entidades sofreram um impacto forte com a nova norma contábil, pois não irá fazer tanta diferença nas suas atividades. Porém, as entidades que operem com os CPC's acima mencionados terão um trabalho extra. Isso porque o CPC 47 irá decompor as atividades em etapas e não em uma atividade única. 
 
 
Norma 2: CONTRATOS DE ARRENDAMENTO
 
Essa norma está relacionada com o CPC 06 e IAS 17.
 
Meus amigos, essa norma terá impactos mais significativos a partir de 2019. Entretanto, já devemos ir nos acostumando no decorrer desse ano para as alterações que serão feitas.
 
Na contabilidade atual temos uma diferença entre arrendamento financeiro e operacional. A partir de 2019 teremos uma classificação única, de acordo com o arrendatário. Temos vários tipos de lançamentos e classificações de acordo com o tipo de arrendamento feito. Com isso, a nova norma vem para unificar esse processo, classificando todos os arrendamentos no balanço patrimonial do arrendatário.
 
Outra coisa interessante é a faculdade de isenção no arrendamento, para contratos de baixo valor ou curto prazo.
 
 
Norma 3: INSTRUMENTOS FINANCEIROS
 
Essa norma já está aprovada desde 2016 e com vigência a partir de janeiro de 2018. Trata-se do CPC 48 e IFRS 09.
 
Essa norma tratá um melhor controle e objetividade dos relatórios financeiros, uma maior precisão da informação para a tomada de decisões por parte dos usuários. Afetará de forma direta as instituições financeiras, visto que a norma trás mudanças nos modelos de riscos, tais como perda estimada em operações de crédito.
 
O pronunciamento irá decompor também essa etapa do risco, associando que o mesmo está atrelado a vários fatores distintos, não podendo ser considerado um único evento para sua concretização. 
 
Também teremos mudanças na contabilização do impairment e hedge.
 
 
 
Bom, meus amigos, é isso. Essas são as principais informações das alterações que teremos para 2018 nos pronunciamentos contábeis. Sugiro um estudo mais aprofundado de cada uma das mudanças. Esse artigo teve o intuito de deixar vocês cientes  das mudanças e como elas devem ocorrer.
 
Qualquer dúvidas, podem me demandar que tento responder o mais rápido para vocês.
 
Bons estudos e ótimo resto de semana!
 
 
 
 
 
Deixe seu comentário:
Ocorreu um erro na requisição, tente executar a operação novamente.