Concurso público: como furar a fila

por Vítor Menezes em 14/07/2016
Olá!
 
Há algum tempo eu escrevi um artigo falando brevemente sobre minha trajetória em concursos públicos, contando um pouco sobre como fui aprovado para Analista do MPU, Agente e Escrivão da PF, Auditor Fiscal do ICMS/MG, Auditor do TCU e Auditor Fiscal do ICMS/SP (veja aqui).
 
Na ocasião eu prometi novas postagens, sobre temas correlatos, as quais tenho publicado ao longo do tempo. Hoje temos mais uma delas: vou falar um pouco mais sobre prestar concursos mesmo sem estar totalmente bem preparado.
 
Antes de mais nada, quero deixar claro que não acredito em fórmulas milagrosas de aprovação, não estou aqui para brincar com o psicológico das pessoas, vendendo sonhos irreais, o que, diga-se de passagem, está a cada dia mais frequente pela internet afora. Concurso público é sim um projeto de longo prazo, você tem que estar preparado para, se precisar, ficar anos e anos estudando. E mesmo assim pode ser que não consiga passar. Nada é garantido!!!
 
A existência de fórmula mágica é uma impossibilidade lógica. Suponha que houvesse algum segredo misterioso que, uma vez seguido, resultasse em aprovação certa, ok? Suponha ainda um concurso com 100 vagas, no qual 101 pessoas resolvam aplicar a "fórmula mágica". Pergunta: como é que aprovamos 101 pessoas se só há 100 vagas? Não dá! Provando que fórmula mágica é algo logicamente impossível.
 
Tudo o que podemos fazer é dar orientações para você aumentar sua chance de sucesso. Podemos até mesmo dar dicas sobre condições necessárias para aprovação. Já a condição suficiente.... essa ninguém pode te vender; quem quer que o prometa está querendo te passar a perna!
 
Feito esse contexto, e dado que não estou te prometendo fórmulas mágicas, sobre o que é que vou falar a final de contas?
 
Eu recomendo fortemente que você preste concursos regularmente, ainda que não esteja bem preparado. Prestar concursos por si só já faz parte da preparação, já é algo que vai te tornar cada vez mais competitivo. Por uma série de fatores:
  • estudar para desafios mais próximos (digamos, que ocorrem em 1 mês) é mais motivante que estudar para um concurso que ocorrerá, por exemplo, depois de 3 anos; seu pique será diferente!
  • a vivência de dia de prova é muito construtiva, é bem diferente de resolver questões em casa (o famoso "treino é treino e jogo é jogo");
  • resolver questões de assuntos sobre os quais você ainda não estudou te força a encontrar outras formas de resolução - seja buscando analogias, seja jogando com alternativas, seja usando o bom senso;
  • não importa o quanto você estude, sua aprovação sempre dependerá de um fator aleatório. Sempre que há um fator aleatório envolvido, uma boa arma é fazer várias tentativas.
 
Já que você vai prestar concursos regularmente, ainda que não esteja bem preparado, que tal prestar tentando passar? Se der tudo errado (o que, aliás, é o esperado), sem problema, você volta para casa e continua seu projeto de longo prazo. Por outro lado, se der certo.... aí você furou a fila!!!
 
É sobre isso que trato no vídeo abaixo, em que mostro como ajudei minha esposa a ser aprovada no ICMS/SP, mesmo com pouco tempo de estudo.
 
Como ela ainda estava "zerada" em várias matérias, e dado o pequeno tempo até a prova, o que nós fizemos basicamente foi isso aqui:
  • planilhamos todas as matérias do edital, e identificamos quais valiam mais pontos
  • com base no perfil dela, e na importância relativa das disciplinas, definimos três grupos de matérias:
    • aquelas que ela iria estudar por teoria + questões
    • aquelas que ela iria estudar só por questões comentadas no TEC
    • aquelas que ela iria descartar completamente
 
Depois, dentro de cada matéria, quando preciso, repetimos a dose: vimos quais assuntos ela iria estudar, e quais iria ignorar.
 
É óbvio que não é o ideal!!! É óbvio que poderia dar errado! Mas era o que dava para fazer entre edital e prova, tendo em vista ela ser ainda iniciante nos estudos. Foi nossa tática para aumentar a chance de ela ser aprovada, o que, aliás, deu certo! Ela passou, lá no final, mas passou! Ela furou a fila!
 
O fato de ter sido nas últimas colocações (como já ocorrera comigo quando passei no TCU) não é problema algum: o último colocado ganha exatamente o mesmo salário do primeiro, com as mesmas atribuições.
 
Há quem alegue: "ah, mas esse concurso teve muitas vagas"
 
Teve mesmo, e é óbvio que isso facilitou sim as coisas. Mas também não tira o mérito dela. Oras, conheço várias pessoas que já tinham muitos anos de estudo e mesmo assim não passaram naquele ICMS. Mostrando que ela deixou sim para trás pessoas mais bem preparadas, que ela furou sim a tal da fila.
 
Vejam que a tática é bem simplória, não tem absolutamente nada de mirabolante. Apenas identificamos o que era importante e o que não era, no que deveríamos focar e o que deveríamos descartar. Só isso, nada mais que isso. Foi exatamente a mesma coisa que eu já havia feito nos 6 concursos em que passei, dado que em nenhum deles eu estava bem preparado.
 
Se ela não tivesse conseguido, sem problemas, ela teria continuado os estudos, quanto tempo fosse preciso. Assim como eu o teria feito, se também não tivesse sido aprovado. Afinal de contas, não existe fórmula mágica!
 
Para quem tiver interesse, gravei o vídeo abaixo detalhando um pouco mais essa história, e como fizemos na época do concurso para definir a estratégia.
 
Encerrando, passo os links para meus canais:
 
A
 
 
 
 
Conforme vou recebendo mensagens, vou acrescentando abaixo pontos que julgar relevantes.
 
1) Cuidado para não interpretar incorretamente este artigo
 
Recebi muitas mensagens de pessoas estudando para o próximo ICMS SP e já falando em abandonar algumas matérias. Eu não recomendaria fazer isso. O próximo concurso ainda está longe, nem previsão de edital há. Com tanto tempo de estudo até a prova, o ideal é sim tentar fechar o edital.
 
Uma coisa é estudar com tempo, com bastante tempo. Oras, se temos muito tempo, o melhor a fazer é tentar cobrir todas as matérias, você só tem a ganhar, pois estará mais preparado para dar conta do edital que vier. Afinal de contas, ninguém garante que o próximo edital venha igual ao anterior, concorda? Quanto menos matérias você estudar agora, mais "frágil" estará quando o próximo edital sair.
 
Todo o artigo acima foi construído pensando no cenário em que você está indo prestar um concurso e tem pouco tempo até a prova. É um contexto bem diferente, concorda? Quando temos pouco tempo, não dá para fazer mágica, e aí priorizamos. Se temos muito tempo, o melhor a fazer é sim estudar tudo o que for possível!
 
No máximo, você poderia dedicar mais tempo às matérias que valem mais pontos. Mas não jogue as outras fora, não agora, não é hora para fazer isso.
 
2) Como fazer para identificar as matérias mais relevantes em concursos do Cespe, no qual a banca não diz quantas questões são para cada matéria?
 
Basta mandar o site gerar um caderno dos concursos anteriores para o mesmo cargo, para ter uma noção do que vale mais. Se o Cespe tiver tradição em fazer a prova, melhor ainda.
 
Exemplo: TCU/auditor/controle externo/controle externo
 
Filtre por questões anteriores do TCU, cargo AUFC, área controle externo, banca Cespe. O índice deste caderno já vai te dar uma bela noção de quais matérias valem mais.
Deixe seu comentário:
Ocorreu um erro na requisição, tente executar a operação novamente.