Comentários: prova de Contabilidade do TRT2 - FCC

por Renato Valente em 23/07/2018
Olá pessoal
 
Aqui quem fala é o Renato Valente, comentarista nas questões de Contabilidade Geral e de Direito tributário.
 
Hoje farei breves comentários às questões de contabilidade geral que foram cobradas no último fim de semana (22/07/2018) na prova de Analista Judiciário, especialidade Contabilidade do TRT 2 região (SP).
 
Serve de treino para a prova do ICMS-GO, cuja banca também é FCC.
 
No total foram 5 itens, mãos à obra:
 
 
51. Em 31/12/2016, uma empresa obteve um empréstimo no valor de R$ 10.000.000,00 com as seguintes características:
− prazo total: 10 anos;
− taxa de juros compostos: 8% ao ano;
− pagamentos: parcelas iguais e anuais de R$ 1.490.295,00, sendo que a primeira parcela tinha vencimento para 31/12/2017.
Para a obtenção do empréstimo, a empresa incorreu em custos de transação no valor total de R$ 435.797,00, sendo que a taxa
de custo efetivo da operação foi de 9% ao ano.
Com base nessas informações, o valor dos encargos financeiros reconhecidos no resultado de 2017 e o saldo referente ao
empréstimo apresentado no balanço patrimonial, em 31/12/2017, foram, respectivamente, em reais,
(A) 1.235.797,00 e 9.745.502,00
(B) 900.000,00 e 9.409.705,00
(C) 860.778,27 e 9.370.483,27
(D) 1.235.797,00 e 9.309.705,00
(E) 860.778,27 e 8.934.686,27
 
Resolução:
 
A questão solicitou os encargos financeiros (juros) e o valor líquido no BP no final do período de 1 ano.
 
De acordo com o item 11 e 12 do CPC 08, o valor captado de empréstimos deve ser líquido de custos de transação, e os custos incorridos deve ser apropriados no decorrer do contrato, assim, ele será primeiramente reconhecido como retificador no passivo. vejamos:
D Disponibilidade 9.564.203
D Custos a amortizar 435.797  (retifica empréstimo no passivo)
C Empréstimos a pagar 10.000.000
 
Os encargos financeiros incidem no valor líquido do empréstimo utilizando-se da taxa efetiva, conforme o item 12 do CPC 08. Dessa forma, esse será o nosso encargo financeiro (juros passivos ou despesas financeiras):
 
Encargos financeiros: 9.564.203 x 9% = 860.778,27
 
Por fim, sabendo que a parcela é a soma de juros + amortização, temos que tirar da parcela os juros e pegar a amortização e abater do valor líquido do empréstimo:
 
Parcela = amortização + juros
1.490.295 = Amortização + 860.778,27
Amortização = 629.516,73
 
Valor líquido do empréstimo em 31/12/2017: 9.564.203 - 629.516,73 = 8.934.686,27
 
Gabarito Letra E
 
 
52. A empresa Trabalhos Manuais S.A., ao adquirir mercadorias para revenda, em 30/03/2017, pagou os seguintes valores:
− Fornecedor: R$ 180.000,00 (valor líquido, sem tributos).
− Seguro para transporte das mercadorias até a empresa: R$ 5.000,00
− Tributos recuperáveis: R$ 23.000,00
− Tributos não recuperáveis: R$ 16.000,00
Em 16/4/2017, a empresa revendeu todas estas mercadorias por R$ 450.000,00, concedendo um desconto comercial de 10%,
pagou R$ 4.500,00 de comissão para os vendedores e R$ 7.000,00 de frete para entrega das mercadorias vendidas. Com base
nestas informações, o lucro bruto apurado pela empresa Trabalhos Manuais S.A., especificamente em relação à compra e venda
das mercadorias, foi, em reais,
(A) 249.000,00
(B) 204.000,00
(C) 181.000,00
(D) 192.500,00
(E) 199.500,00
 
Resolução:
 
Questão clássica de estoques da FCC, primeiro temos que calcular o custo do estoque para depois aplicá-lo na DRE:
 
O custo do estoque está regulado no item 11 do CPC 16. vejamos:
 
Preço de aquisição R$ 180.000,00
Seguro R$ 5.000,00
Tributos não recuperáveis: R$ 16.000,00
(=) Custo do estoque R$ 201.00,00
 
Agora vamos para parte da DRE: há somente o desconto comercial (= desconto incondicional) que pode alterar o valor do lucro bruto, os demais itens do enunciado são deduções do lucro bruto e, por isso, não nos interessa para se chegar à resposta.
 
Receita bruta de vendas   R$ 450.000,00
(-) desconto incondicional (10%)   R$ 45.000,00  
(=) Receita líquida  R$ 405.000,00
(-) CMV               R$ 201.000,00
(=) Lucro bruto        R$ 204.000,00
 
 
Gabarito Letra B
 
 
53. A Cia. dos Direitos possuía, em 31/12/16, um ativo intangível com vida útil indefinida correspondente a ágio derivado de
expectativa de rentabilidade futura, cujo valor contábil era R$ 730.000,00 composto por:
− Custo de aquisição: R$ 880.000,00
− Perda por desvalorização reconhecida em 2016: R$ 150.000,00
Em 31/12/17, a Cia. realizou o Teste de Recuperabilidade do Ativo e obteve as seguintes informações:
− Valor em uso: R$ 900.000,00
− Valor justo líquido de despesas de venda: R$ 700.000,00
Com base nas informações acima, a Cia. dos Direitos, em 31/12/17,
(A) manteve o valor contábil de R$ 730.000,00.
(B) reconheceu um ganho no valor de R$ 150.000,00.
(C) reconheceu uma perda por desvalorização no valor de R$ 30.000,00.
(D) reconheceu um ganho no valor de R$ 170.000,00.
(E) reconheceu um ganho no valor de R$ 20.000,00
 
Resolução:
 
Questão sobre teste de imparment, previsto no CPC 01
 
De plano, observe que se trata de um intangível com vida útil indefinida, ou seja, não amortizaremos.
Também fica atento de que se trata de ágio derivado de expectativa de rentabilidade futura (goodwill), que possui uma séries de restrições no CPC 01
 
O teste consiste em comparar o valor contábil com o valor recuperável
 
  • Valor contábil (VC): 880.000 - 150.000 = 730.000
  • Valor recuperável (VR) = 900.000      (Segundo o CPC 06, é o MAIOR valor entre o valor justo e o valor em uso)
 
O teste determina que o valor do ativo não fique superior ao que ele pode recuperar no mercado. Portanto, se compararmos o VC com o VR, teremos uma diferença de 170.000 a favor do VR, o que permitiria uma reversão de até 150.000, que é o valor da Perda por desvalorização reconhecida em 2016.
 
Mas se lembra que falei do Goodwill? pois é... ele não permite reversão, vejamos o CPC 01:
119. A reversão de perda por desvalorização de um ativo, exceto o ágio por expectativa de rentabilidade futura (goodwill), deve ser reconhecida imediatamente no resultado do período, a menos que o ativo esteja registrado por valor reavaliado de acordo com outra norma. Qualquer reversão de perda por desvalorização sobre ativo reavaliado deve ser tratada como aumento de reavaliação conforme tal norma
 
Portanto, o valor contábil desse goodwill ficará intacto, ou seja, manterá o valor contábil de R$ 730.000,00.
 
Gabarito Letra A
 
 
54. A Cia. Produtora adquiriu, em 31/12/2015, uma máquina por R$ 1.680.000,00, à vista. A vida útil econômica estimada desta
máquina, na data da aquisição, era 12 anos e o valor residual era R$ 240.000,00. Em 1/1/2017, a empresa reavaliou a vida útil
remanescente da máquina para 10 anos e o novo valor residual esperado era R$ 120.000,00. Com base nessas informações, o
valor contábil da máquina evidenciado no Balanço Patrimonial da Cia. Produtora, em 31/12/2017, foi de
(A) R$ 1.368.000,00
(B) R$ 1.080.000,00
(C) R$ 1.416.000,00
(D) R$ 1.248.000,00
(E) R$ 1.296.000,00
 
Resolução:
 
São duas depreciações em momentos distintos.
1) de 31/12/2015 até 1/1/2017 = 1 ano, vida útil 12 anos e valor residual de 240.000
 
\mbox{1.680.000} - ({\mbox{1.680.000 - 240.000} \over \mbox{12 anos}}) = \mbox{1.560.000}
 
2) de 1/1/2017 até 31/12/2017 = 1 ano, vida útil 10 anos e valor residual de 120.000
 
\mbox{1.560.000} - ({\mbox{1.560.000 - 120.000} \over \mbox{10 anos}}) = \mbox{1.416.000}
 
 
Gabarito Letra C
 
 
55. A Cia. Riscos Ativos está respondendo a diversos processos em diversas áreas. Os valores das provisões reconhecidas em 31/12/2016, as informações sobre a reavaliação das condições destes processos em 31/12/2017, e as informações sobre dois novos processos que foram identificados em 2017, são apresentados na tabela a seguir:
 
Com base nessas informações, em 2017, a Cia Riscos Ativos
(A) reconheceu, na Demonstração do Resultado, uma perda de R$ 390.000,00.
(B) reconheceu, na Demonstração do Resultado, uma perda de R$ 210.000,00.
(C) apresentou, no Balanço Patrimonial, um saldo na conta Provisões de R$ 1.060.000,00.
(D) apresentou, no Balanço Patrimonial, um saldo na conta Provisões de R$ 1.200.000,00.
(E) reconheceu, na Demonstração do Resultado, um ganho de R$ 460.000,00.
 
Resolução:
 
Questão alterna entre o reconhecimento na DRE e no BP das provisões (CPC25), farei nessa ordem:
 
Processo Trab: era provável e o saldo aumento, se aumentou então a diferença é despesa de 60.000
Processo Trib 1: era provável mas se tornou possível, então revertemos como receita 550.000 pois não reconhecemos passivos contingentes no BP
Processo Trib 2: não tinha saldo mas se houve obrigação provável de 150.000, esse valor será reconhecido como despesa de provisão.
Processo Civel: era provável mas se tornou possível, então revertemos como receita 120.000 pois não reconhecemos passivos contingentes no BP
Processo Amb: era provável e tornou-se obrigação remota, não há impacto na DRE
 
Valor líquido com provisão na DRE: - 60.000 + 550.000 - 150.000 + 120.000 = 460.000 (receita)
 
Por fim, no BP, só reconheço se for provável:
  • Provável = reconheço no BP e divulgo nas notas explicativas (Provisão)
  • Possível = não reconheço no BP e divulgo nas notas explicativas (Passivo Contingente)
  • Remota = não reconheço no BP e não divulgo nas notas explicativas
 
Nessa empresa, apenas o processo trabalhista e o processo tributário 2 estarão no BP em 31/12/2017. Logo: 240.000 + 150.000 = 390.000
 
 
Gabarito Letra E
 
 
 
Por enquanto é isso, espero que tenham se saído bem e bons estudos!
Deixe seu comentário:
Ocorreu um erro na requisição, tente executar a operação novamente.