Comentário da prova de Auditoria-Auditor SEFAZ GO FCC 2018

por Tonyvan de Carvalho em 02/10/2018
Olá, Concursante!
 
Hoje comentarei a prova de Auditoria da SEFAZ GO, especificamente para o cargo de Auditor Fiscal, banca FCC.
 
Elaborei uma revisão, por meio de três artigos, durante a semana da prova e chamei a atenção de alguns pontos com maior probabilidade de aparecer na prova realizada no Domingo, dia 30/09/2018.
 
Quem seguiu as orientações dos artigos com a nossa revisão de véspera de Auditoria deve ter se saído bem. Dava para responder 4 de 6 questões só com os mapas mentais expostos nas revisões!
 
Além disso, o nosso material do TEC – Auditoria Recortada da Norma-, para quem é assinante avançado, contemplou todos os pontos do edital. Foi elaborado um Guia de estudos direcionado para esse concurso.
 
 
Links da revisão de véspera:
 
Primeira parte: https://bit.ly/2IjcTAY
 
Segundo parte: https://bit.ly/2OdMcTU
 
Terceira parte: https://bit.ly/2QgTT8T
 
De maneira geral, a FCC surpreendeu parcialmente. Cobrou questões clássicas – Amostragem, Planejamento, Documentação de Auditoria e Perícia. Algo que chama à atenção é a presença pela primeira vez nas provas de Auditoria da FCC uma questão sobre a parte conceitual das NBC TSP (esse assunto é novo e estava previsto no edital de Auditoria) e uma questão diferente sobre Fraude (um dos anexos da NBC TA 240(R1)).
 
As questões desta prova ficaram distribuídas da seguinte forma:
 
Auditoria Independente:
 
1 questão:  Amostragem em auditoria – NBC TA 530
 
1 questão: Documentação de auditoria - NBC TA 230(R1)
 
1 questão: Planejamento de auditoria – NBC TA 300(R1)
 
1 questão: Fraude – NBC TA 240(R1)
 
Perícia contábil:
 
1 questão:  NBC PP 01
 
Auditoria Governamental:
 
1  questão: NBC TSP
 
Vamos aos comentários das questões:
 
ASSUNTO: AMOSTRAGEM EM AUDITORIA
73. (AUDITOR FISCAL/SEFAZ GO/FCC/2018) Considere a seguinte situação hipotética:
Determinado Estado da Federação mantém programa de Cidadania Fiscal por meio do qual a emissão de notas e cupons fiscais pode ser feita com a inclusão do número de CPF do consumidor final. Após cadastro no programa, é possível que esses contribuintes diretos obtenham descontos no imposto sobre a propriedade de veículos automotores – IPVA devido.
Em auditoria interna da base de dados de resgates de pontos na forma de descontos no IPVA, realizou-se um teste para apurar a distância geográfica entre os estabelecimentos em que foram realizadas as compras dos bens e serviços de onde se originou a pontuação resgatada, o endereço registrado no cadastro do programa e o domicílio do proprietário constante da anotação no Departamento Estadual de Trânsito. O objetivo pretendido era indicar possíveis erros, fraudes ou simulações.
Após inspeção gráfica dos dados, o auditor promoveu a exclusão de uma série de observações que, a seu juízo, não poderiam estar corretas. Ao fim, chegou-se a uma relação de pessoas jurídicas como emissoras de documentação fiscal com afastamento geográfico suspeito entre sede e local de utilização dos pontos derivados.
 
Sobre o caso e considerando a amostragem em auditoria, é correto afirmar.
 
(A) Pode-se dizer que se trata de uma aplicação do método aleatório de seleção de amostra.
 
(B) Se o auditor desejar aumentar o risco amostragem, deve diminuir o tamanho da amostra.
 
(C) Não é objetivo da auditoria interna assessorar a administração da entidade no trabalho de prevenção de fraudes e erros.
 
(D) As normas não permitem a exclusão dos chamados valores aberrantes (outliers), pois, sem a integralidade do espaço amostral, as conclusões são tendenciosas.
 
(E) Embora tecnicamente correto, tal trabalho nunca poderia subsidiar uma campanha de auditoria dirigida.
 
Comentários:
 
Questão começa com uma narrativa que é irrelevante para a resolução da questão. Essa é terceira prova em seguida que a FCC utiliza dessa estratégia (anteriormente TCE RS e ISS São Luís) e o mesmo assunto - Amostragem. Nesse caso, fiquem tranquilos e passem logo para alternativas. Ela aborda aspectos gerais de Amostragem em auditoria.
  
Analisando as alternativas:
 
(A) Pode-se dizer que se trata de uma aplicação do método aleatório de seleção de amostra. Alternativa errada. Segundo a NBC TA 530, “Seleção aleatória (aplicada por meio de geradores de números aleatórios como, por exemplo, tabelas de números aleatórios”. Nesse caso, a questão não traz informações suficientes para garantir isso.
 
(B) Se o auditor desejar aumentar o risco amostragem, deve diminuir o tamanho da amostra. Alternativa correta. Ela está em conformidade com a NBC TA 530. Trata da relação inversa entre o tamanho da amostra e o risco. Veja:
Tamanho da amostra (ver item 7)
 
A10. O nível de risco de amostragem que o auditor está disposto a aceitar afeta o tamanho da amostra exigido. Quanto menor o risco que o auditor está disposto a aceitar, maior deve ser o tamanho da amostra.[grifo nosso]
(C) Não é objetivo da auditoria interna assessorar a administração da entidade no trabalho de prevenção de fraudes e erros. Alternativa errada. Essa é um dos principais objetivos da auditoria interna, segundo a NBC TI 01.
 
(D) As normas não permitem a exclusão dos chamados valores aberrantes (outliers), pois, sem a integralidade do espaço amostral, as conclusões são tendenciosas. Alternativa errada. Esses são os chamados “pontos fora da curva”. As normas de auditoria permitem tal exclusão, sem prejuízo de afetar a integralidade do espaço amostral.
 
(E) Embora tecnicamente correto, tal trabalho nunca poderia subsidiar uma campanha de auditoria dirigida. Alternativa errada. A forma como foi conduzido o trabalho poderia subsidiar qualquer tipo de auditoria.
 
Portanto, alternativa correta é B.
 
Observação: indicamos a leitura desse mapa na nossa revisão véspera - Revisão de Auditoria para SEFAZ GO FCC 2018 Parte 02!
 
ASSUNTO: NBC TSP
74. (AUDITOR FISCAL/SEFAZ GO/FCC/2018) As normas brasileiras de contabilidade constituem importante paradigma de conduta profissional na condução dos trabalhos previstos na Resolução CFC nº  560/83, de 28 de outubro de 1983, e correlatos. Iniciadas pelo acrônimo “NBC”, dividem-se em normas técnicas, que recebem o primeiro sufixo “T”, e profissionais, que recebem o primeiro sufixo “P”.
Acerca da NBC TSP, é correto afirmar que
 
(A) normas técnicas regionalizadas, como a atual ESTRUTURA CONCEITUAL, permanecerão válidas até 2019, quando então darão lugar às normas internacionais convergidas (IFAC-IPSAS).
 
(B) não é candidata ao processo de convergência com as normas internacionais (IFAC-IPSAS), posto que contém muitas peculiaridades locais.
 
(C) é norma técnica que inclui peculiaridades das sociedades domiciliadas no Estado de São Paulo.
 
(D) sua estrutura conceitual não faz menção a orçamento.
 
(E) embora as estatísticas de finanças públicas e as demonstrações contábeis do setor público tenham muito em comum, são reguladas por diretrizes com objetivos diferentes.
 
Comentários:
 
Essa foi a primeira vez que veio questão conceitual desse assunto nas provas de Auditoria. Embora fosse uma questão diferente, dava para TENTAR sair por eliminação. Chamei-a de “Questão Pedro Bial” - Teoria da Eliminação.
As NBC TSPs são as Normas Brasileiras de Contabilidade aplicadas ao Setor Público, convergentes com as Normas Internacionais de Contabilidade para o Setor Público, emitidas pela International Federation of Accountants (Ifac); e as Normas Brasileiras de Contabilidade aplicadas ao Setor Público editadas por necessidades locais, sem equivalentes internacionais. Essa informação já eliminaria a alternativas “b”.
 
Segundo a Estrutura Conceitual:
Importância do orçamento público
 
8. O governo e outras entidades do setor público elaboram orçamentos. No Brasil, a Constituição exige a elaboração do orçamento anual, a sua aprovação pelo poder Legislativo e a sua disponibilização à sociedade. A legislação brasileira define o que a peça orçamentária deve conter. A sociedade fiscaliza a gestão das entidades públicas diretamente, respaldada pela Constituição, ou indiretamente, por meio de representantes. O orçamento aprovado é utilizado como base para a definição dos níveis de tributação e de outras receitas, compondo o processo de obtenção de autorização legislativa para a realização do gasto público.
 
9. Devido à importância do orçamento público aprovado, as informações que possibilitam aos usuários compararem a execução orçamentária com o orçamento previsto facilitam a análise quanto ao desempenho das entidades do setor público. Tais informações instrumentalizam a prestação de contas e a responsabilização (accountability) e fornecem subsídios para o processo decisório relativo aos orçamentos dos exercícios subsequentes. A elaboração de demonstrativo que apresenta e compara a execução do orçamento com o orçamento previsto é o mecanismo normalmente utilizado para demonstrar a conformidade com os requisitos legais relativos às finanças públicas.
Assim, eliminaríamos a alternativa “d”.
 
A letra “c”, em minha opinião, quis fazer uma brincadeira. Rs... Misturou SP – de Setor Público com o Estado de São Paulo.
 
A estrutura conceitual não é regionalizada. Assim, “a” está errada.
 
Então, sobraria apenas a alternativa “e”.
 
Portanto, alternativa correta é E.
 
ASSUNTO: PERÍCIA CONTÁBIL
77. (AUDITOR FISCAL/SEFAZ GO/FCC/2018) São motivos que podem ensejar a suspeição do perito do juízo:
I. ser devedor, mesmo que ainda não esteja em mora, a uma das partes.
II. motivo íntimo.
III. ter aconselhado parte envolvida, ainda que acerca de objeto diverso do posto em discussão no litígio.
IV. ser herdeiro presuntivo do cônjuge de uma das partes.
Está correto o que se afirma APENAS em
(A) I e III.
(B) II e IV.
(C) I e II.
(D) III e IV.
(E) I e IV.
 
Comentários:
 
Sempre falo: toda vez que a FCC traz expresso Perícia Contábil no edital, ela costuma cobrar questão desse assunto. Raramente foge essa regra! Aqui apenas o mapa mental abaixo resolve. Veja:
Analisando os itens, concluímos que são causas de suspeição: “II” e “IV”. Os itens “I” e “III” apresentam partes que os tornam errados quando confrontados com a norma supracitada.
 
Portanto, alternativa correta é B.
 
Observação: indicamos a leitura desse mapa na nossa revisão véspera - Revisão de Auditoria para SEFAZ GO FCC 2018 Parte 03!
 
ASSUNTO: PLANEJAMENTO DE AUDITORIA
78. (AUDITOR FISCAL/SEFAZ GO/FCC/2018) A estratégia global de auditoria
(A) orienta os esforços da equipe do trabalho, considerando fatores não significativos.
(B) não deve levar em conta resultados de atividades preliminares nem o conhecimento obtido em outros trabalhos realizados pelo sócio do trabalho.
(C) deve identificar características do trabalho, desde que não defina o seu alcance.
(D) define o alcance, época e direção de auditoria, para orientar o desenvolvimento do plano de auditoria.
(E) não pode, desde logo, definir objetivos do relatório do trabalho.
 
Comentários:
 
Questão aborda aspectos da parte geral (ampla) do planejamento – estratégia global, segundo a NBC TA 300(R1). Só com o mapa mental a seguir dava para matar a questão! Veja:
 
Analisando cada alternativa:
 
(A) orienta os esforços da equipe do trabalho, considerando fatores não significativos. Alternativa errada. Os fatores considerados são significativos.
 
(B) não deve levar em conta resultados de atividades preliminares nem o conhecimento obtido em outros trabalhos realizados pelo sócio do trabalho. Alternativa errada. Tanto os resultados de atividades preliminares quanto o conhecimento obtido em outros trabalhos realizados pelo sócio do trabalho são fatores que são levados em consideração no planejamento para otimização da auditoria.
 
(C) deve identificar características do trabalho, desde que não defina o seu alcance. Alternativa errada. Ver mapa mental.
 
(D) define o alcance, época e direção de auditoria, para orientar o desenvolvimento do plano de auditoria. Segundo a NBC TA 300(R1):
Atividades de planejamento
 
7. O auditor deve estabelecer uma estratégia global de auditoria que defina o alcance, a época e a direção da auditoria, para orientar o desenvolvimento do plano de auditoria.[grifo nosso]
 
(E) não pode, desde logo, definir objetivos do relatório do trabalho. Ver mapa mental.
 
Portanto, alternativa correta é D.
 
Observação: indicamos a leitura desse mapa na nossa revisão véspera - Revisão de Auditoria para SEFAZ GO FCC 2018 Parte 01!
 
ASSUNTO: DOCUMENTAÇÃO DE AUDITORIA
79. (AUDITOR FISCAL/SEFAZ GO/FCC/2018) A documentação de auditoria:
I. Também é conhecida como “papéis de trabalho”.
II. Deve ser preparada de modo que um leigo possa entender a natureza, época e extensão dos procedimentos de auditoria executados.
III. Deve ser sigilosa, ocultando, por exemplo, o nome do profissional que executou o trabalho de auditoria.
IV. Trata-se de coleção de papéis para a elaboração do relatório final que pode, excepcionalmente, conter documentos emitidos após a data desse relatório.
Está correto o que se afirma APENAS em
(A) I e IV.
(B) I e III.
(C) I e II.
(D) III e IV.
(E) II e IV.
 
Comentários:
 
Questão aborda aspectos gerais de documentação de auditoria, segundo a NBC TA 230(R1).
 
Analisando cada item:
 
I. Item correto. 
 
Segundo a NBC TA 230(R1):
Definições
6.   Para fins das normas de auditoria, os seguintes termos possuem os significados atribuídos abaixo:
(a) Documentação de auditoria é o registro dos procedimentos de auditoria executados, da evidência de auditoria relevante obtida e conclusões alcançadas pelo auditor (usualmente também é utilizada a expressão “papéis de trabalho”).
 
II. Item erado. Não é um leigo, mas um auditor experiente.
 
Segundo a NBC TA 230(R1):
Forma, conteúdo e extensão da documentação de auditoria
 
8. O auditor deve preparar documentação de auditoria que seja suficiente para permitir que um auditor experiente, sem nenhum envolvimento anterior com a auditoria, entenda (ver itens A2 a A5 e A16 e A17):
 
(a) a natureza, época e extensão dos procedimentos de auditoria executados para cumprir com as normas de auditoria e exigências legais e regulamentares aplicáveis (ver itens A6 e A7);
 
(b) os resultados dos procedimentos de auditoria executados e a evidência de auditoria obtida; e
 
(c) assuntos significativos identificados durante a auditoria, as conclusões obtidas a respeito deles e os julgamentos profissionais significativos exercidos para chegar a essas conclusões (ver itens A8 a A11).[grifo nosso]
III. Item erado.
 
IV. Item correto. Dar pra extrair essa conclusão da definição de documentação de auditoria, segundo a NBC TA 230(R1) c/c um exemplo: documentos que caracterizem eventos subsequentes.
Portanto, alternativa correta é A.
 
Observação: indicamos a leitura desse mapa na nossa revisão véspera - Revisão de Auditoria para SEFAZ GO FCC 2018 Parte 01!
 
ASSUNTO: FRAUDE
80. (AUDITOR FISCAL/SEFAZ GO/FCC/2018) Fatores de risco para a ocorrência de fraude são pressões/incentivos, oportunidades ou atitudes/racionalizações que ocorrem naturalmente nos mercados, mas que acabam por favorecer o surgimento de distorções relevantes e intencionalmente causadas nas demonstrações contábeis. A alternativa que contém, respectivamente, uma pressão/incentivo, uma oportunidade e uma atitude/racionalização reconhecidas nas normas como fatores de risco é:
(A) Mudança previstas nos planos de benefícios dos empregados / obrigações financeiras pessoais / relacionamentos adversos entre a entidade e empregados com acesso a dinheiro.
(B) Alto nível de competição ou saturação do mercado, acompanhada por declínio da margem de retorno / garantias pessoais em dívidas da entidade / partes significativas da remuneração atreladas a metas agressivas de performance.
(C) Demissões previstas de empregados / ativos pequenos sem identificação clara de propriedade / mudança do estilo de vida de funcionários com acesso a ativos.
(D) Tolerância a pequenos roubos / remuneração incompatível com a expectativa / grandes quantias em dinheiro em mãos.
(E) Segregação inadequada de funções / investigação inadequada da vida pregressa de candidatos a empregos / falta de conciliação completa de ativos.  documentação de auditoria:
 
Comentários:
 
Questão disparada a mais difícil da prova de Auditoria. Nunca cobrada até então! Questão “The walking dead” - NÍVEL HARD! Vocês e os demais candidatos PODERIAM errar sem problema! Essa é a questão mais difícil sobre FRAUDE que já vil!!!! Mas você poderia analisar pela lógica, mas como o tempo era curto demais para raciocinar, então mais que natural tomar um susto da leitura da questão por ser nova. rs. Só para você ter uma ideia – a FCC pegou o Apêndice 1 da NBC TA 240(R1) para fundamentar a resposta. Apelidei-a de Questão “The walking dead”.
 
 
A NBC TA 240(R1) define Fatores de risco de fraude como sendo eventos ou condições que indiquem incentivo ou pressão para que a fraude seja perpetrada ou ofereçam oportunidade para que ela ocorra.  Veja os exemplos do Apêndice 1:
Apêndice 1
[...]
Fatores de risco relacionados a distorções decorrentes de apropriação indevida de ativos também são classificados segundo as três condições geralmente presentes quando há fraude: incentivo/pressão, oportunidade e atitude/racionalização. Alguns dos fatores de risco relacionados a distorções decorrentes de informações contábeis fraudulentas também podem estar presentes quando ocorrerem distorções originárias de apropriação indevida de ativos. Por exemplo, o monitoramento ineficaz da administração e outras deficiências no controle interno podem estar presentes quando existirem distorções decorrentes de informação contábil fraudulenta ou apropriação indevida de ativos.
 
Incentivos/Pressões
 
Obrigações financeiras pessoais podem criar pressão sobre a administração ou empregados com acesso a dinheiro ou outros ativos suscetíveis de roubo para que se apropriem indevidamente de tais ativos. Relacionamentos adversos entre a entidade e empregados com acesso a dinheiro ou outros ativos suscetíveis de roubo podem motivar esses empregados a apropriar-se indevidamente de tais ativos. Por exemplo, relações adversas podem ser criadas pelo seguinte:
 
•Demissões conhecidas ou previstas de empregados.
 
•Mudanças recentes ou previstas na forma de remuneração ou nos planos de benefícios dos empregados.
 
•Promoção, remuneração ou outras recompensas incompatíveis com as expectativas.
 
Oportunidades
 
Certas características ou circunstâncias podem aumentar a suscetibilidade dos ativos à apropriação indevida. Por exemplo, as oportunidades de apropriação indevida de ativos aumentam quando existe o seguinte:
 
•Grandes quantias de dinheiro em mão ou processadas.
 
•Itens de estoque com tamanho pequeno, com alto valor ou em alta procura.
 
• Ativos facilmente conversíveis, tais como títulos ao portador, diamantes ou chips de computador.
 
Ativos fixos de tamanho pequeno, comercializáveis ou sem identificação clara de propriedade.
 
O controle interno inadequado sobre os ativos pode aumentar a suscetibilidade de apropriação indevida dos ativos. Por exemplo, a apropriação indevida de ativos pode ocorrer por causa do seguinte:
 
•Segregação inadequada de funções ou de verificações independentes.
 
•Supervisão geral inadequada dos gastos da alta administração, tais como viagens e outros reembolsos.
 
•Supervisão geral inadequada pela administração dos empregados responsáveis por ativos, por exemplo, supervisão ou monitoramento inadequado de locais remotos.
 
•Investigação inadequada da vida pregressa de candidatos a empregos com acesso a ativos.
 
•Registros inadequados referentes aos ativos.
 
•Sistema inadequado de autorização e aprovação de operações (por exemplo, em compras).
 
•Salvaguardas físicas inadequadas de dinheiro, investimento, estoque ou ativos fixos.
 
•Falta de conciliação completa e tempestiva de ativos.
 
•Falta de documentação tempestiva e apropriada de transações, por exemplo, créditos por devolução de mercadoria.
 
•Falta de férias obrigatórias para empregados que executam funções-chave de controle.
 
•Entendimento inadequado de tecnologia da informação pela administração, o que possibilita aos empregados de tecnologia da informação perpetrar apropriação indevida.
 
•Controles inadequados para o acesso a registros automatizados, incluindo os controles e o exame dos registros de eventos dos sistemas computadorizados.
 
Atitudes/racionalizações
 
• Falta de consideração em relação à necessidade de monitorar ou reduzir riscos relacionados com apropriações indevidas de ativos.
 
• Falta de consideração em relação ao controle interno sobre apropriação indevida de ativos por burlar os controles existentes ou por omissão em tomar medidas corretivas sobre deficiências no controle interno.
 
• Conduta que indique desagrado ou insatisfação com a entidade ou o tratamento de seus empregados.
 
Mudanças na conduta ou estilo de vida que possam indicar que ativos foram indevidamente apropriados.
 
• Tolerância de pequenos roubos. [grifo nosso]
Questão extraída literalmente da norma da norma supracitada.
 
Portanto, alternativa correta é C.
 
Depois de mais uma prova comentada, quero ratificar o meu convite para você conhecer o meu material aqui no TEC. São Módulos de Auditoria e Questões das disciplinas comentadas por mim, e elas podem ser acessadas no TEC. Esse material está adaptado às novas alterações das normas de auditoria e contempla mapas mentais, tabelas e esquemas para facilitar a memorização dos tópicos mais recorrentes em provas.
 
Firme nos estudos!
 
Grande abraço,
 
Prof. Tonyvan
 
 
Deixe seu comentário:
Ocorreu um erro na requisição, tente executar a operação novamente.