Atualidades - A ameaça da epidemia de Chikungunya

por Leandro Signori em 30/10/2014
Olá guerreiro do TEC Concursos,
 
Você já ouviu falar da chikungunya?
 
- Chico o que professor? Chicucunha?
 
- Rsrs..... vou lhe explicar.
 
O vírus chikungunya não é novo, foi identificado pela primeira vez entre 1952 e 1953, durante uma epidemia na Tanzânia. Mas casos parecidos com essa infecção – com febres e dores nas articulações – já haviam sido relatados em 1770.
 
A doença foi identificada pela primeira vez na Ásia, em 1960, durante um surto na Tailândia, e durante as décadas de 1960 e 1970, na Índia. Em 2007, foram identificados os primeiros casos de transmissão na Europa, no norte da Itália. Em dezembro de 2013, o vírus finalmente chegou à América, quando casos foram identificados na ilha de São Martinho (ou Saint-Martin), nas Antilhas. Atualmente, existe um surto da doença em vários países do Caribe.
 
Os dois primeiros casos de transmissão interna do vírus no Brasil foram divulgados em 16 de setembro. Portanto, uma doença recentíssima em nosso país. Pouco mais de um mês depois, em 25 de outubro, já eram 828 casos diagnosticados internamente, conforme o Ministério da Saúde. A febre chicungunya é uma doença que ameaça virar epidemia no Brasil.
 
A infecção pelo vírus chikungunya provoca sintomas parecidos com os da dengue, porém mais dolorosos. Comparado com a dengue, o vírus mata com menos frequência.
 
Por ser transmitido pelo mesmo vetor da dengue, o mosquito Aedes aegypti, e também pelo mosquito Aedes albopictus a infecção pelo chikungunya segue os mesmos padrões sazonais da dengue. O risco aumenta, portanto, em épocas de calor e chuva, mais propícias à reprodução dos insetos. A principal diferença de transmissão em relação à dengue é que o Aedes albopictus também pode ser encontrado em áreas rurais, não apenas em cidades.
 
Os sintomas surgem entre dois e 12 dias após a picada do mosquito contaminado com o vírus. O primeiro deles é uma febre repentina acima de 38,5 graus. A principal característica da doença é a forte dor nas articulações. Na fase mais aguda, durante a primeira semana, podem aparecer bolhas, descamação da pele, fadiga e, em alguns casos, conjuntivite. Os sinais e sintomas tendem a ser mais intensos em crianças (até dois anos de idade), gestantes e idosos. Pessoas com doenças crônicas têm mais chance de desenvolver formas graves da doença.
 
Assim como a dengue, não há uma vacina para a chikungunya. Sobre a prevenção, valem as mesmas regras aplicadas à dengue: ela é feita por meio do controle dos mosquitos que transmitem o vírus. Portanto, evitar água parada, que os insetos usam para se reproduzir, é a principal medida. Em casos específicos de surtos, o uso de inseticidas e telas protetoras nas janelas das casas também pode ser aconselhado.
 
*****
 
Ok caro aluno. Agora que você já sabe o que é a chikungunya, fique atento, pois pode ser cobrado no seu concurso. A banca também pode tentar lhe confundir, dizendo que se trata da dengue.
 
Você sabe que Atualidades e Conhecimentos Gerais pode fazer a diferença na sua aprovação. Se você gabaritar a disciplina conquistará preciosos pontos em relação à concorrência. Somente neste artigo, observe quantas informações você recebeu e que poderiam estar passando despercebidas. Pense nisso!
 
Aproveito para lhe convidar a fazer um dos meus cursos de Atualidades para o TCU ou Polícia Federal ou o curso de Conhecimentos Gerais para o cargo de Assistente Administrativo da Câmara dos Deputados. Um bom curso não é despesa, é um excelente investimento na sua aprovação. Acesse o conteúdo demonstrativo e resolva as questões comentadas clicando aqui: https://www.tecconcursos.com.br/cursos-direcionados/camara-dos-deputados-tecnico-legislativo-area-assistente-administrativo-preedital/conhecimentos-gerais-para-a-camara-dos-deputados-tecnico-legislativo-area-assistente-administrativo
 
Bons estudos!
 
Prof. Leandro Signori
 
 
 
 
 
 
 
Deixe seu comentário:
Ocorreu um erro na requisição, tente executar a operação novamente.