Administração Geral para MPU - parte 10

por Adriel Sá em 05/05/2013
Olá, pessoal!

Finalizaremos hoje nosso conteúdo de questões comentadas da banca CESPE, exclusivamente para o concurso do MPU, que se aproxima.

Os assuntos deste "post" versarão sobre Liderança e Avaliação do Desempenho. Com isso, abordamos todo o conteúdo do edital.

Nos próximos "posts" focaremos no edital da disciplina de Administração de Materiais.

Abraço a todos, e fiquem com Deus!

adrieldesa@hotmail.com
 

Liderança

  1. 2012 - TJ-AL - Técnico Judiciário

    A autocracia é um modelo de liderança voltado para o indivíduo, elemento central do processo de liderança.

Item errado.

Chiavenato observa algumas características relacionadas ao estilo de liderança autocrático:

  • Apenas o líder fixa as diretrizes, sem qualquer participação do grupo;

  • O líder determina as providências e as técnicas para a execução das tarefas, cada uma por vez, na medida em que se tornam necessárias e de modo imprevisível para o grupo;

  • O líder determina qual a tarefa que cada um deve executar e qual o seu companheiro de trabalho;

  • O líder é Dominador e é “pessoal” nos elogios e nas críticas ao trabalho de cada membro.

  1. 2010 - ANEEL - Analista Administrativo

    As lideranças situacionais surgem como resultado de nomeações para ocupação de cargos de chefia.

Item errado.

Conforme lecionam Pruss e Spencer (1994), a idéia de liderança situacional, parte do princípio que o estilo de liderança a ser utilizado deve depender mais da situação do que da personalidade do líder. Esse tipo de liderança refere-se à escolha do estilo de atuação a ser empregado pelo líder ante as diferentes situações que ele detecta no dia a dia. Em outras palavras, o indivíduo será um bom líder quando, além de reunir qualidades, suficientes para tanto, conseguir agir de acordo com a situação detectada na prática, de maneira consciente, a fim de, conscientemente, organizar os objetivos individuais de seus subordinados em direção aos objetivos grupais e da empresa.

O item abordou o conceito de liderança formal, que segundo Erlei Moreira, é aquela exercida em qualquer organização pelos indivíduos que desempenham atividades, cujas funções implicam em responsabilidade sobre tarefas e autoridade sobre pessoas. Concretamente, um líder formal é todo indivíduo que ocupa qualquer cargo de supervisão ou de chefia numa organização, cargo este que lhe foi atribuído por autoridade superior.

  1. TJ-ES / Analista Judiciário – Administração

    Os subordinados de uma equipe cujo líder adote uma liderança no estilo X, conforme Douglas McGregor, têm um nível de dependência elevado em relação ao líder.

Item certo.

Segundo Chiavenato, a Teoria X força as pessoas a fazerem exatamente aquilo que a organização pretende que elas façam, independentemente de suas opiniões ou objetivos pessoais. Quando um administrador impõe arbitrariamente e de cima para baixo um esquema de trabalho e passa a controlar o comportamento dos subordinados, ele estará fazendo Teoria X. O fato de ele impor autocrática ou suavemente não faz diferença: ambas são maneiras diferentes de se fazer Teoria X. A própria Teoria das Relações Humanas, em seu caráter demagógico e manipulativo, também é uma forma suave, macia e enganosa de se fazer Teoria X.

A Teoria Y propõe um estilo de administração participativo e baseado nos valores humanos e sociais. Enquanto a Teoria X é a administração por meio de controles externos impostos às pessoas, a Teoria Y é a adminitração por objetivos que realça a iniciativa individual. As duas teorias são opostas entre si.

Portanto, o líder baseado na teoria X deve ser autocrático e centralizador já que os subordinados são preguiçosos, não assumem responsabilidades, ou seja, são extremamente dependentes das ordens do líder.

  1. MPE-PI/ TÉCNICO MINISTERIAL – ADMINISTRATIVA/ 2011

    A liderança contemporânea é caracterizada pela capacidade de o líder conduzir a equipe na direção de objetivos sob a autoridade do cargo.

Item errado.

A liderança contemporânea está muito voltada ao conceito de que um líder possui essa habilidade. Buscam identificar as qualidades e características pessoais que diferem líderes de não líderes. A liderança é o processo de influenciar pessoas ou grupos de pessoas. É líder aquele que desperta a cooperação espontânea nas pessoas pelo exercício do compartilhamento de valores. Os líderes são identificados com base em sua personalidade, focando qualidades e características que os destacam. Ou seja, a liderança não é algo apenas relacionado ao cargo de autoridade.

  1. MPE-PI/ ANALISTA MINISTERIAL – ADMINISTRATIVA/ 2011

    Segundo as teorias contingenciais de liderança, as metas organizacionais só são atingidas de maneira eficaz pelo grupo se o seu líder adota um comportamento democrático.

Item errado.

Segundo Fred Fiedler, a Teoria de Liderança Contingencial enfatiza que não há nada de absoluto nas organizações. Tudo é relativo; tudo depende das variáveis que influenciam nos negócios empresariais. Essa teoria preconiza que não há um estilo de liderança que seja melhor do que os restantes, tudo depende da situação. Uma das principais características necessárias ao líder é a sua capacidade de trabalhar em grupo. De acordo com a liderança situacional, não existe um único modo melhor de influência. O estilo de liderança que se deve adotar com indivíduos ou grupos depende do nível de maturidade das pessoas que o líder deseja influenciar.

  1. EBC/ ANALISTA ADMINISTRAÇÃO/ 2011

    Ao contrário de um cargo hierárquico, arbitrado pela burocracia, a liderança emerge de forma espontânea no grupo social. Enquanto um gerente ou supervisor toma posse pela autoridade burocrática, o líder é eleito pela coletividade. É líder aquele que desperta a cooperação espontânea nas pessoas pelo exercício do compartilhamento de valores.

Marco Tulio Zanini. A liderança eficaz – contexto brasileiro. In: Carmem Migueles et al. Liderança baseada em valores: caminhos para a ação em cenários complexos e imprevisíveis. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009, p. 82 (com adaptações).

Considerando os conceitos de liderança expostos no texto acima, julgue o item que se segue.

Liderança não é uma qualidade intrínseca da organização formal, surgindo de forma natural nos agrupamentos humanos.

Item certo.

O próprio enunciado, que reproduz trecho do livro de Marco Tulio Zanini enfatiza essa ideia. A liderança surge de forma natural.

  1. EBC/ ANALISTA ADMINISTRAÇÃO/ 2011

    Ao contrário de um cargo hierárquico, arbitrado pela burocracia, a liderança emerge de forma espontânea no grupo social. Enquanto um gerente ou supervisor toma posse pela autoridade burocrática, o líder é eleito pela coletividade. É líder aquele que desperta a cooperação espontânea nas pessoas pelo exercício do compartilhamento de valores.

Marco Tulio Zanini. A liderança eficaz – contexto brasileiro. In: Carmem Migueles et al. Liderança baseada em valores: caminhos para a ação em cenários complexos e imprevisíveis. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009, p. 82 (com adaptações).

Considerando os conceitos de liderança expostos no texto acima, julgue o item que se segue.

O líder deve despertar virtudes pessoais em cada indivíduo e apontar um norte para a direção dos esforços do grupo.

Item certo.

Segundo os autores Francisco Lacombe e Gilberto Heilborn, liderar significa conduzir um grupo de pessoas, influenciando seus comportamentos e ações, para atingir objetivos e metas de interesse comum desse grupo, de acordo com uma visão do futuro baseada num conjunto coerente de ideias e princípios.

  1. CESPE/ EBC/ ANALISTA ADMINISTRAÇÃO/ 2011

    Ao contrário de um cargo hierárquico, arbitrado pela burocracia, a liderança emerge de forma espontânea no grupo social. Enquanto um gerente ou supervisor toma posse pela autoridade burocrática, o líder é eleito pela coletividade. É líder aquele que desperta a cooperação espontânea nas pessoas pelo exercício do compartilhamento de valores.

Marco Tulio Zanini. A liderança eficaz – contexto brasileiro. In: Carmem Migueles et al. Liderança baseada em valores: caminhos para a ação em cenários complexos e imprevisíveis. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009, p. 82 (com adaptações).

Considerando os conceitos de liderança expostos no texto acima, julgue o item que se segue.

O compartilhamento de valores interfere negativamente na cooperação espontânea em apoio ao líder.

Item errado.

Ao compartilhar os valores, o indivíduo colabora positivamente com o líder na compreensão e interpretação das ações da equipe em busca do alcance dos objetivos da organização. O compartilhamento de valores auxilia no desenvolvimento de um ambiente mais participativo e de cooperação nas relações interpessoais.

  1. 2008 - TCU - Analista de Controle Externo - Planejamento e Gestão

    Frederick Winslow Taylor foi o primeiro expert norte-americano em racionalização e eficiência no trabalho. Seu ideário de administração, embora seja do início do século passado, foi o primeiro “manifesto revolucionário” sobre o redesenho de processos de trabalho visando aumentos radicais de produtividade e é, de longe, o mais bem-sucedido de todos até hoje.

As pressões geradas pelo aumento da competição no mundo globalizado a partir do final do século XX fizeram que a busca frenética de aumentos em eficiência passasse a ser a prioridade número um de todo executivo. No entanto, ao contrário do que dão a entender propostas modernas, supostamente revolucionárias, o tema não é novo: surgiu em 1911 com a promessa de, já naquela época, alterar para valer as concepções predominantes no mundo do trabalho. Naquela época, não havia nenhum pensamento por trás do ato de trabalhar.

Trabalho era ação pura; trabalhava-se apenas. Não havia metodologia, só força bruta. Os gerentes limitavam-se a estabelecer cotas de produção, não se preocupavam com processos. Era só “o que”, não “como”. O taylorismo é o germe de todas as propostas que vieram depois para formatar racionalmente o ato de se produzir qualquer coisa. Gerar resultados por intermédio de pessoas. Administrar.

Clemente Nóbrega. Taylor superstar. In: Exame, 24/9/1997 (com adaptações).

A liderança centrada nas pessoas foi uma preocupação teórica de Taylor, que defendia a idéia de que resultados só podiam ser obtidos por intermédio das pessoas.

Item errado.

Conforme síntese de Idalberto Chiavenato, a preocupação teórica de era com a eficiência alocada nas tarefas, não nas pessoas. Para Taylor, os gerentes planejam e coordenam as atividades enquanto os funcionários executam as tarefas, sem qualquer participação estratégica.

  1. 2011 - TJ-ES - Analista Judiciário – Administração

    De acordo com os estudos clássicos a respeito de estilos de liderança, administrador que conduz seus subordinados por meio de liderança liberal obtém produtividade superior à obtida por aquele que adota liderança autocrática, em razão da criatividade e da inovação geradas.

Item errado.

Chiavenato explica os resultados das pesquisas feitas por White e Lippitt, resultando em três estilos básicos de liderança:

Autocrática: os grupos submetidos apresentaram maior volume de trabalho produzido, com evidentes sinais de tensão, frustração e agressividade.

Liberal: os grupos não se sairam bem quanto à quantidade nem quanto a qualidade, com sinais de individualismo, desagragação do grupo, insatisfação, agressividade e pouco respeito ao líder.

Democrática: os grupos não chegaram a apresentar um nível quantitativo de produção tão elevado como quando submetidos à liderança autocrática, porém a qualidade do seu trabalho foi surpreendentemente melhor, acompanhada de um clima de satisfação, de interação grupal, de responsabilidade e de comprometimento das pessoas.

  1. 2011 - TJ-ES - Analista Judiciário – Administração

    Os subordinados liderados por um chefe que adota um estilo Y, conforme preconizado por Douglas McGregor, geralmente têm dificuldades para desenvolver relacionamentos interpessoais — entre si e com o chefe — francos e espontâneos.

Item errado.

Segundo Chiavenato, a Teoria X força as pessoas a fazerem exatamente aquilo que a organização pretende que elas façam, independentemente de suas opiniões ou objetivos pessoais. Quando um administrador impõe arbitrariamente e de cima para baixo um esquema de trabalho e passa a controlar o comportamento dos subordinados, ele estará fazendo Teoria X. O fato de ele impor autocrática ou suavemente não faz diferença: ambas são maneiras diferentes de se fazer Teoria X. A própria Teoria das Relações Humanas, em seu caráter demagógico e manipulativo, também é uma forma suave, macia e enganosa de se fazer Teoria X.

A Teoria Y propõe um estilo de administração participativo e baseado nos valores humanos e sociais. Enquanto a Teoria X é a administração por meio de controles externos impostos às pessoas, a Teoria Y é a adminitração por objetivos que realça a iniciativa individual. As duas teorias são opostas entre si.

  1. 2010 - AGU – Administrador

    Ao assumir a gerência de qualidade de uma organização, Maria pretende criar uma auditoria de processos gerenciais, que avaliará a conformidade das atividades desenvolvidas pelos diversos setores componentes da organização. Para compor sua equipe, Maria decidiu recrutar pessoalmente cada colaborador, por meio de seleção externa, pois acredita que, de modo geral, as pessoas não são responsáveis e não gostam de trabalhar. Visando atrair colaboradores para o cargo, ela oferecerá as melhores gratificações financeiras da organização. Os futuros auditores de processos terão uma rotina muito bem delineada e serão avaliados semestralmente pelas chefias imediatas. Os aspectos da avaliação julgados deficientes serão objeto de capacitações.

Maria, em termos de liderança, se pauta na teoria X de McGregor.

Item certo.

Segundo a teoria desenvolvida por Douglas McGregor (Teoria X e Teoria Y), são dois conceitos desenvolvidos que representam dois conjuntos de suposições antagônicas que são feitas aos trabalhadores, as quais servem de base a qualquer teoria de como liderar pessoas dentro de uma organização:

- Teoria X: as organizações partem do pressuposto de que as pessoas têm aversão ao trabalho e à responsabilidade, preferindo ser dirigidas e, por isso, devem ser controladas e motivadas pela coacção, pela punição, pelo dinheiro ou pelos elogios. Estes pressupostos correspondem à concepção mecanicista dos trabalhadores utilizada pela Escola Clássica e levam as organizações a colocar a ênfase na satisfação dos factores higiénicos definidos por Frederick Herzberg.

- Teoria Y: parte-se da hipótese de que as pessoas são criativas e competentes e consideram que o trabalho é tão natural como a diversão ou o descanso. Assim sendo, sob condições correctas desejam trabalhar, daí que é fundamental proporcionar-lhe condições para o seu desenvolvimento pessoal. Estes pressupostos constituem a base da chamada Administração Participativa.

  1. 2010 - Banco da Amazônia - Técnico Científico – Administração

    Na atualidade, inexiste situação que comporte a aplicação da liderança autocrática no âmbito de uma organização, pois essa é uma teoria sem aplicabilidade prática.

Item errado.

Chiavenato explica os resultados das pesquisas feitas por White e Lippitt, resultando em três estilos básicos de liderança:

Autocrática: os grupos submetidos apresentaram maior volume de trabalho produzido, com evidentes sinais de tensão, frustração e agressividade.

Liberal: os grupos não se sairam bem quanto à quantidade nem quanto a qualidade, com sinais de individualismo, desagragação do grupo, insatisfação, agressividade e pouco respeito ao líder.

Democrática: os grupos não chegaram a apresentar um nível quantitativo de produção tão elevado como quando submetidos à liderança autocrática, porém a qualidade do seu trabalho foi surpreendentemente melhor, acompanhada de um clima de satisfação, de interação grupal, de responsabilidade e de comprometimento das pessoas.

Ainda, segundo Chiavenato, o líder utiliza os três estilos de acordo com a situação, com as pessoas e com as tarefas a serem executadas. O líder tanto manda cumprir ordens , como sugere aos subordinados a realização de certas tarefas, como ainda consulta os subordinados antes de tomar alguma decisão. Ele utiliza coerentemente os três estilos de liderança. A principal problemática da liderança é saber quando aplicar, qual estilo, com quem e dentro de que circunstâncias e tarefas a serem desenvolvidas.

  1. 2004 - TRE-AL - Técnico Judiciário - Área Administrativa

    A liderança pode ser compreendida como a indução de indivíduos para que ajam tendo em vista um objetivo comum.

Item certo.

Marco Tulio Zanini leciona que, ao contrário de um cargo hierárquico, arbitrado pela burocracia, a liderança emerge de forma espontânea no grupo social. Enquanto um gerente ou supervisor toma posse pela autoridade burocrática, o líder é eleito pela coletividade. É líder aquele que desperta a cooperação espontânea nas pessoas pelo exercício do compartilhamento de valores

  1. DETRAN-ES / ADMINISTRADOR/ 2010

    O estilo de liderança situacional — analisado pelos modelos de liderança de Tannebaum e Schimidt, Fiedler e Hersey - Blanchard — caracteriza-se pelo equilíbrio entre a efetividade da execução da tarefa e a satisfação da equipe.

Item certo.

Segundo Maximiano, a essência das teorias da liderança situacional é a ideia de que, para ser eficaz, o estilo tem que ser apropriado à situação. O estilo de liderança a ser adotado pelo líder deve se basear em características do contexto e também nas características do líder e dos liderados e seu objetivo é executar as tarefas adequadamente visando ao objetivo maior de toda organização que é atender as necessidades dos clientes.

  1. 2008 - INSS - Analista do Seguro Social

    Uma empresa pública em processo de reestruturação elaborou um documento contendo um desenho gráfico que mostra a disposição de cada integrante da empresa e sua vinculação a uma área específica. Nesse documento, ficou evidente que a autoridade é funcional e fundamentada em projetos e também que existe uma integração entre as diversas áreas funcionais.

Dentro da estrutura informal dessa empresa, podem surgir futuros líderes formais.

Item certo.

Segundo Chiavenato, a estrutura informal é um bom lugar para líderes formais se desenvolverem; no entanto, nem sempre um grande líder informal será um grande líder formal, pois eles podem falhar com o medo da responsabilidade formal. Algumas vezes, a estrutura informal torna-se uma força negativa dentro da empresa. Ainda assim, se a administração conseguir conciliar ou integrar os grupos formais com os informais, haverá uma harmonização nas tarefas, o quepode tornar-se uma condição favorável de rendimento e produção.

  1. 2005 - TRE-MT - Técnico Judiciário - Área Administrativa

    A Elétrica AK atua basicamente com a venda de materiais elétricos e hidráulicos e vende também alguns produtos básicos para reforma. Possui em seu quadro de empregados cinco vendedores, um caixa, um motorista freelancer - João -, um estoquista e uma gerente geral – Marisa.

Com base nessa situação hipotética, julgue o item que se segue, relativo ao comportamento organizacional.

Supondo que Marisa tem atuado de forma controladora na Elétrica AK, que toma as decisões de forma meticulosa, que possui muita competência na atividade de gestão da empresa e que é uma excelente orientadora para os empregados da empresa, é correto afirmar, portanto, que Marisa é uma líder do tipo autocrática.

Item certo.

Chiavenato observa algumas características relacionadas ao estilo de liderança autocrático:

  • Apenas o líder fixa as diretrizes, sem qualquer participação do grupo (forma controladora);

  • O líder determina as providências e as técnicas para a execução das tarefas, cada uma por vez, na medida em que se tornam necessárias e de modo imprevisível para o grupo (meticulosidade);

  • O líder determina qual a tarefa que cada um deve executar e qual o seu companheiro de trabalho (excelente orientador);

  • O líder é Dominador e é “pessoal” nos elogios e nas críticas ao trabalho de cada membro.

  1. 2005 - TRE-MT - Técnico Judiciário - Área Administrativa

    A Elétrica AK atua basicamente com a venda de materiais elétricos e hidráulicos e vende também alguns produtos básicos para reforma. Possui em seu quadro de empregados cinco vendedores, um caixa, um motorista freelancer - João -, um estoquista e uma gerente geral – Marisa.

Com base nessa situação hipotética, julgue o item que se segue, relativo ao comportamento organizacional.

Sabendo que Domingues é o mais antigo e experiente vendedor da Elétrica AK e que é normalmente referência para os outros vendedores, é correto concluir que Domingues possui uma liderança baseada na sua autoridade formal em relação aos outros vendedores.

Item errado.

De acordo com Montana e Charnov (1998, p. 221) um líder formal é alguém que foi oficialmente investido de autoridade e poder organizacional e geralmente recebe o titulo de gerente, diretor ou supervisor, e a quantidade de poder é determinada pela posição ocupada”. Existe nomeação para o líder formal. Apesar dos integrantes da empresa estarem conscientes de que devem seguir as orientações do gerente ou diretor, nem sempre os responsáveis têm a habilidade de conduzir os colaboradores a atingir os objetivos propostos. Nesse momento é que pode atuar o líder informal, que não tem o mesmo título de liderança oficial, mas tem o dom e a capacidade de influenciar seus companheiros.

Como o próprio nome indica, o líder informal não exerce liderança normativa, legal e nem sempre possui cargos importantes. É uma pessoa comum, porém, com extraordinário brilho pessoal, fruto de traços de inteligência, de comportamento ético, de domínio técnico a respeito de temas específicos e de ótimo relacionamento interpessoal. Impõe-se com naturalidade e conquista o respeito e admiração dos companheiros, pelo simples fato de ser uma pessoa completamente natural e autêntica. Portanto, suas ações ou decisões são previamente analisadas, com o intuito de evitar futuras preocupações.

Avaliação do Desempenho

  1. 2013 - TRT - 10ª REGIÃO (DF e TO) - Analista Judiciário - Tecnologia da Informação

    As medidas objetivas, tais como índices de produtividade, questionários de percepção e indicadores referentes a resultados quantitativos, constituem as principais métricas de avaliação de desempenho nas organizações, pois eliminam a subjetividade.

Item errado.

Segundo Arvey e Murphy (1998), medidas objetivas são aquelas relativas ao resultado do trabalho propriamente dito. Já as medidas subjetivas são aquelas que avaliam as dimensões sobre fatores do desempenho ocupacional (relativas à mensuração do comportamento).

Ainda, Chiavenato, com relação aos métodos possíveis de serem usados pelas organizações, divide-os em dois grupos, com as seguintes características: os de medidas objetivas e os de medida subjetiva. No primeiro grupo, tem-se o uso do absenteísmo e da produtividade e no segundo grupo, destacam-se as técnicas da Escala Gráfica; das Listas de Verificação; das Escalas de Escolha Forçada; das Escalas de Incidentes Críticos; do Método de Classificação e do método de Distribuição Forçada.

Assim, o erro está em afirmar que os questionários de percepção são medidas objetivas, já ques esses prestam a avaliar dimensões de fatores de desempenho.

  1. 2012 - TJ-AC - Analista Judiciário – Administração

    Ao adotar a avaliação de desempenho por escolha forçada, a organização terá como vantagem atenuar a subjetividade do avaliador, de forma a se evitar o efeito halo na avaliação.

Item certo.

Para Chiavenato (1992), o método da escolha forçada consiste em avaliar o desempenho dos indivíduos por intermédio de frases descritivas de determinadas alternativas de tipos de desempenho individual. Em cada bloco, o conjunto composto de duas, quatro ou mais frases, o avaliador deve escolher forçosamente apenas uma ou duas que mais se aplicam ao desempenho do empregado avaliado. Dai à denominação “escolha forçada”.

Vantagens: sua aplicação é simples e não exige preparo prévio, intenso ou sofisticado dos avaliadores. É reconhecida como um método que proporciona resultados bastante confiáveis, pois minimiza a influência da subjetividade do avaliador.

Desvantagens: sua elaboração e montagem são complexas, exigindo um planejamento muito cuidadoso e demorado. É um método fundamentalmente comparativo e discriminativo e apresenta resultados globais; discrimina apenas os empregados bons, médios e fracos, sem informações maiores. Quando utilizado para fins de desenvolvimento de RH, necessita de uma complementação de informações de necessidade de treinamento, potencial de desenvolvimento, etc. Não provoca retroação de dados, nem permite comparações. Técnica pouco conclusiva a respeito dos resultados. Nenhuma participação ativa do avaliado.

  1. 2012 - TJ-AC - Analista Judiciário – Administração

    A organização deve evitar o método de avaliação de desempenho pelos incidentes críticos em razão de ser de difícil utilização e de complexa montagem.

Item errado.

Chiavenato (2004, p.234) leciona que o método de incidentes críticos é um método tradicional de avaliação do desempenho simples e que se baseia nas características extremas (incidentes críticos) que representam desempenhos altamente positivos (sucesso) ou altamente negativos (fracassos).

  1. 2012 - TJ-RO - Analista Judiciário – Administração IMAGEM 54

    Servidor público que trabalha no almoxarifado de um órgão público candidatou-se ao cargo de gerente de relações públicas desse mesmo órgão. O referido órgão analisa o desempenho desse servidor com base nos conceitos de sua última avaliação de desempenho, que variam de zero a dez.

A utilização dos conceitos obtidos pelo servidor em sua última avaliação de desempenho como critério para tomada de decisão caracteriza a avaliação de desempenho do tipo escolha forçada.

Item errado.

Para Chiavenato (1992), o método da escolha forçada consiste em avaliar o desempenho dos indivíduos por intermédio de frases descritivas de determinadas alternativas de tipos de desempenho individual. Em cada bloco, o conjunto composto de duas, quatro ou mais frases, o avaliador deve escolher forçosamente apenas uma ou duas que mais se aplicam ao desempenho do empregado avaliado. Dai à denominação “escolha forçada”.

  1. 2010 - AGU – Administrador

    Ao assumir a gerência de qualidade de uma organização, Maria pretende criar uma auditoria de processos gerenciais, que avaliará a conformidade das atividades desenvolvidas pelos diversos setores componentes da organização. Para compor sua equipe, Maria decidiu recrutar pessoalmente cada colaborador, por meio de seleção externa, pois acredita que, de modo geral, as pessoas não são responsáveis e não gostam de trabalhar. Visando atrair colaboradores para o cargo, ela oferecerá as melhores gratificações financeiras da organização. Os futuros auditores de processos terão uma rotina muito bem delineada e serão avaliados semestralmente pelas chefias imediatas. Os aspectos da avaliação julgados deficientes serão objeto de capacitações.

A avaliação de desempenho por incidentes críticos se baseia na avaliação dos aspectos normais e recorrentes das atividades desenvolvidas em uma organização.

Item errado.

Chiavenato (2004, p.234) leciona que o método de incidentes críticos é um método tradicional de avaliação do desempenho simples e que se baseia nas características extremas (incidentes críticos) que representam desempenhos altamente positivos (sucesso) ou altamente negativos (fracassos), não se importanto com aspectos de normalidade.

  1. 2010 - MPS – Administrador

    A utilização de múltiplos avaliadores gera uma confusão nas informações obtidas, prejudicando os processos de avaliação de desempenho.

Item errado.

William M. Mercer Consulting (2004) leciona que a avaliação 360º “é um processo de mapeamento comportamental, efetuado em diversos níveis de observação (superior, pares, subordinados, clientes internos, próprio funcionário, etc) que possibilita obter uma descrição mais objetiva da atuação e do desenvolvimento do profissional mapeado”.

  1. 2004 - TRE-AL - Técnico Judiciário - Área Administrativa

    O feedback de revisão do desempenho do indivíduo é uma ação gerencial importante. Deve ser entendido mais como aconselhamento que como julgamento e possibilitar que o indivíduo se mantenha com o moral elevado.

Item certo.

Segundo Robbins (2002), há uma certa relutância por parte dos avaliadores em oferecer feedback aos funcionários, isso pode ser devido ao fato de ser desconfortável discutir o desempenho fraco diretamente com o funcionário. Os avaliadores temem o confronto quando apresentam um feedback negativo. A solução para esse problema não é ignorar o feedback, mas treinar o avaliador para que saiba conduzir sessões construtivas de avaliação. Uma avaliação eficaz é aquela em que o funcionário percebe o julgamento como justo, percebe a sinceridade do chefe e o clima como construtivo. Isso pode resultar na elevação do moral do funcionário, tendo ele sido informado das áreas de seu desempenho que precisam ser melhoradas e estando determinado a corrigir suas deficiências. O autor também informa que a revisão do desempenho deve ser programada para ser mais uma atividade de aconselhamento do que de julgamento. Isso pode ser obtido permitindo–se que a avaliação de desempenho evolua a partir da própria auto–avaliação do funcionário

Deixe seu comentário:
Ocorreu um erro na requisição, tente executar a operação novamente.