Auditoria - AFRFB 2014 - Prova comentada

por João Marcelo em 19/05/2014
Olá, pessoal!
 
Tudo bem com vocês?
 
Seguem nossos comentários acerca da prova de Auditoria - AFRFB 2014.
 
Façam bom proveito para futuros estudos!
 
Atenciosamente,
 
João Marcelo

 
1- Em relação às estimativas contábeis realizadas pela empresa auditada, o auditor independente deve:
 
a) sempre que constatar possível tendenciosidade da administração, concluir que as estimativas contábeis estão inadequadas, ressalvando o relatório.
b) periodicamente exigir da administração e de seus advogados carta de responsabilidade pelas estimativas efetuadas, eximindo a auditoria de avaliar os cálculos e premissas.
c) revisar os julgamentos e decisões feitos pela administração na elaboração destas estimativas contábeis, para identificar se há indicadores de possível tendenciosidade da administração.
d) reavaliar as premissas e cálculos e, quando discordar, determinar a modificação dos valores contabilizados, sob pena de não emitir o relatório de auditoria.
e) aceitar os valores apresentados, por serem subjetivos e de responsabilidade da administração e de seus consultores jurídicos ou áreas afins.
 
A questão foi baseada na NBC TA 540, que trata sobre Auditoria de Estimativas Contábeis. 
 
É importante saber que indicadores de possível tendenciosidade da administração não constituem, por si só, distorções para concluir sobre a razoabilidade de estimativas contábeis individuais. Por isso, a letra "a" está errada.
 
O auditor não deve eximir-se da responsabilidade de avaliar os cálculos e as premissas das estimativas contábeis. Uma carta de responsabilidade da administração e de seus advogados não isenta o auditor de verificar se as estimativas contábeis estão corretas. Por isso, a letra "b" está errada.
 
De acordo com a NBC TA 540, o auditor deve revisar os julgamentos e decisões feitas pela administração na elaboração de estimativas contábeis para identificar se há indicadores de possível tendenciosidade da administração. 
 
Perceba que a alternativa está de acordo com a norma, sendo o nosso gabarito a letra "c" da questão.
 
O auditor independente não tem o poder de determinar uma modificação em determinado item auditado. Determinar não, mas sugerir sim.  Por isso, a letra "d" está errada.
 
Não é todo valor apresentado pelo auditado que deve ser aceito pelo auditor. O auditor precisa obter o entendimento suficiente de que as premissas ou métodos utilizados pela administração são adequados para estabelecer aquela estimativa. Por isso, a letra "e" está errada.

 
2- É correto afirmar que:
 
1. a firma de auditoria tem por obrigação estabelecer e manter sistema de controle de qualidade para obter segurança razoável que a firma e seu pessoal cumprem com as normas profissionais e técnicas e as exigências legais e regulatórias aplicáveis.
2. a firma de auditoria deve estabelecer e manter sistema de controle de qualidade para obter segurança razoável que os relatórios emitidos pela firma ou pelos sócios do trabalho são apropriados nas circunstâncias.
3. o objetivo do auditor é implementar procedimentos de controle de qualidade no nível do trabalho que forneçam ao auditor segurança razoável de que a auditoria está de acordo com normas profissionais e técnicas e exigências legais e regulatórias aplicáveis.
 
a) Todas são falsas.
b) Somente 1 e 2 são verdadeiras.
c) Somente a 3 é verdadeira.
d) Somente a 2 é falsa.
e) Todas são verdadeiras.
 
Toda empresa que se preze deveria possuir um sistema de controle de qualidade para verificar se seus resultados estão indo conforme planejado.
 
Com a firma de auditoria, não é diferente. A NBC TA 220 diz que a firma de auditoria tem por obrigação estabelecer e manter um sistema de controle de qualidade para obter segurança razoável de que a firma e seu pessoal cumprem com as normas profissionais e técnicas e as exigências legais e regulatórias aplicáveis.
 
Além disso, o sistema de controle de qualidade é útil para que a firma tenha segurança razoável de que os relatórios emitidos pela firma ou pelos sócios do trabalho são apropriados.
 
Portanto, o itens 1 e 2 estão corretos.
 
Assim como a firma de auditoria, o auditor também deve incluir o controle de qualidade em seus trabalhos.
 
O auditor também deve implementar procedimentos de controle de qualidade no nível do trabalho que forneçam ao auditor segurança razoável de que a auditoria está de acordo com normas profissionais e técnicas e exigências legais e regulatórias aplicáveis.
 
Portanto, o item 3 também está correto.
 
Com isso, conclui-se que o gabarito da questão é letra "e".

 
 
3- No relatório de auditoria, deve ser divulgado que os procedimentos selecionados dependem do julgamento do auditor, incluindo a:
 
a) avaliação dos riscos de não conformidades nas demonstrações contábeis, sempre causadas por fraudes.
b) estimativa dos riscos de distorção relevante nas demonstrações contábeis, exclusivamente causadas por erro, sendo de responsabilidade da administração a ocorrência de fraudes.
c) identificação de todos os riscos de distorção nas demonstrações contábeis e no relatório da administração, independentemente se causada por fraude ou erro, determinando sua materialidade.
d) gestão dos riscos de distorção relevante nas demonstrações contábeis, identificadas na matriz de riscos, causada exclusivamente por erro.
e) avaliação dos riscos de distorção relevante nas demonstrações contábeis, independentemente se causada por fraude ou erro.
 
Cuidado com as palavras “sempre”, “exclusivamente” e “todos”. Poderíamos resolver essa questão por eliminação.  Vejamos:
 
A letra “a” está errada, pois os riscos decorrentes de erro também podem ser incluídos nos procedimentos selecionados pelo auditor para avaliação dos riscos de não conformidades nas demonstrações contábeis.
 
A letra “b” está errada, pois os riscos decorrentes de fraude também podem ser incluídos nos procedimentos selecionados pelo auditor para estimativa dos riscos de distorção relevante nas demonstrações contábeis.
 
A letra “c” está errada, pois não são todos os riscos de distorção que entram nos procedimentos selecionados pelo auditor. Deve haver a identificação daqueles riscos que são relevantes nas demonstrações contábeis.  Além disso, não há identificação de riscos de distorção relevante no relatório da administração.
 
A letra “d” está errada, pois a gestão dos riscos de distorção relevante nas demonstrações contábeis também deve abordar os riscos decorrentes de fraudes, e não apenas os decorrentes de erro.
 
A letra “e” está correta, pois é exatamente o que consta na NBC TA 700. Vejamos:
 
Segundo a referida norma, os procedimentos selecionados dependem do julgamento do auditor, incluindo a avaliação dos riscos de distorção relevante nas demonstrações contábeis, independentemente se causadas por fraude ou erro.
 
Nessas avaliações de risco, o auditor considera os controles internos relevantes para a elaboração das demonstrações contábeis da entidade para planejar procedimentos de auditoria que são apropriados nas circunstâncias, mas não para fins de expressar uma opinião sobre a eficácia dos controles internos da entidade.

 
4- A eficiência da auditoria na definição e utilização da amostra pode ser melhorada se o auditor:
 
a) aumentar a taxa de desvio aceitável da amostra, reduzindo o risco inerente e com características semelhantes.
b) diminuir o percentual a ser testado, mas utilizar a seleção não estatística para itens similares.
c) concluir que a distorção projetada é maior do que a distorção real de toda a amostra.
d) estratificar a população dividindo-a em subpopulações distintas que tenham características similares.
e) mantiver os critérios de seleção uniformes e pré-definidos com a empresa auditada.
 
Aumentar a taxa de desvio aceitável da amostra pode diminuir a eficiência da auditoria, pois o auditor passaria a aceitar mais riscos e, isso pode prejudicar o objetivo da auditoria, que é aumentar o grau de confiança nas demonstrações contábeis por parte dos usuários. Portanto, a letra “a” está errada.
 
A amostragem estatística costuma ser mais eficiente do que a amostragem não estatística, pois esta é determinada apenas pela experiência do auditor. Não se utiliza métodos científicos na amostragem não estatística, diferentemente do que ocorre na amostragem estatística. Nesse caso, diminuir o percentual a ser testado na amostragem não garante a eficiência da auditoria. Portanto, a letra “b” está errada.
 
Distorção projetada é a melhor estimativa do auditor de distorções em populações, envolvendo a projeção de distorções identificadas em amostras de auditoria para populações inteiras de onde foram extraídas as amostras.
 
Caso a distorção real seja menor da amostra seja menor do que a distorção projetada, demonstrará que as técnicas utilizadas pelo auditor são indevidas e, portanto, não são eficientes. Portanto, a letra “c” está errada.
 
Segundo a NBC TA 530, a eficiência da auditoria pode ser melhorada se o auditor estratificar a população dividindo-a em subpopulações distintas que tenham características similares.
 
O objetivo da estratificação é o de reduzir a variabilidade dos itens de cada estrato e, portanto, permitir que o tamanho da amostra seja reduzido sem aumentar o risco de amostragem.
 
Portanto, a letra “d” está correta e é o gabarito da nossa questão.
 
Caso a firma de auditoria mantenha os critérios de seleção uniformes e pré-definidos com a empresa auditada, a auditoria restará prejudicada, pois a empresa poderá utilizar mecanismos fraudulentos na amostragem realizada pelo auditor. Portanto, a letra “e” está errada.

 
5- São características do auditor experiente possuir experiência prática de auditoria e conhecimento razoável de:
 
a) processos de auditoria, normas de auditoria e exigências legais aplicáveis.
b) normas de auditoria e exigências legais aplicáveis e processos judiciais cíveis dos diretores.
c) ambiente de negócios em que opera a entidade e negócios estratégicos realizados pelos seus concorrentes.
d) assuntos de auditoria e de relatório financeiro relevantes à atividade da entidade e das atividades dos conselheiros em outras empresas.
e) processos sigilosos e fórmulas dos produtos
 
Segundo a NBC TA 230, que trata sobre Documentação de Auditoria, o auditor experiente é aquele que possui experiência prática de auditoria.
 
Até aí parece meio óbvio, não? É assim que consta na norma. Rsrs
 
Além disso, o auditor experiente deve possuir conhecimento razoável de:
  • processos de auditoria
  • normas de auditoria e exigências legais e regulamentares aplicáveis
  • ambiente de negócios em que se opera a entidade
  • assuntos de auditoria e de relatório financeiro relevantes ao setor de atividade da entidade
 
Diante do exposto, o item que segue a literalidade da norma está na primeira alternativa.
 
Portanto, o gabarito da questão é letra "a".

 
6- A empresa Orion S.A. realizou a contagem de seus estoques (inventário físico), em 31 de outubro de 2013. O auditor foi contratado para realizar a auditoria das Demonstrações Contábeis de 31 de dezembro de 2013. Em relação ao inventário, deve o auditor:
 
a) validar a posição apresentada nas demonstrações contábeis de 31 de dezembro de 2013, uma vez que foi atendida a exigência de inventariar os estoques, uma vez ao ano.
b) solicitar nova contagem de inventário em 31 de dezembro de 2013 ou na data do início dos trabalhos de auditoria, sendo sempre obrigatória sua presença e participação na contagem física e aprovação dos procedimentos de inventário.
c) exigir que seja elaborada nota explicativa evidenciando a posição do inventário em 31 de outubro de 2013, ressalvando a posição do inventário em 31 de dezembro de 2013, esclarecendo que não houve contagem das posições de estoques entre 31 de outubro e 31 de dezembro de 2013.
d) executar procedimentos para obter evidência de auditoria de que as variações no estoque, entre 31 de outubro de 2013 e 31 de dezembro de 2013, estão adequadamente registradas.
e) limitar sua avaliação a posição de estoques apresentada em 31 de outubro de 2013, restringindo o escopo de seu trabalho na área de estoques, aos saldos apresentados nesta data.
 
Como o auditor foi contratado para realizar a auditoria das Demonstrações Contábeis de 31 de dezembro de 2013, ele deve analisar a situação da entidade à época do início da auditoria.
 
Diante disso, o auditor deve obter evidências que demonstrem que as variações ocorridas entre a última contagem de estoques e o início de seus trabalhos estão registradas de forma adequada. Sendo assim, o gabarito da questão é letra "d".
 
Não existe nenhuma exigência prevista nas normas de que o inventário deve ser realizado apenas uma vez ao ano. Portanto, a alternativa “a” está errada.
 
A presença e participação na contagem física e aprovação dos procedimentos de inventário não são obrigatórias.  Caso existe evidências fortes de que a entidade auditada possa burlar seu inventário, aí sim a presença física e a aprovação dos procedimentos seriam importantes. Portanto, a letra “b” está errada.
 
O auditor independente não pode exigir ou determinar a elaboração de notas explicativas à administração. Portanto, a letra “c” está errada.
 
Limitar sua avaliação a posição de estoques apresentada em 31 de outubro de 2013 pode prejudicar o objetivo do auditor independente, que é aumentar o grau de confiança nas demonstrações contábeis por parte dos usuários. Portanto, a letra “e” está errada.

 
7- É permitido ao auditor externo, durante o processo final de montagem dos arquivos da auditoria concluída, modificar os documentos de auditoria. Não se inclui como modificação possível:
 
a) apagar, descartar ou destruir documentação superada.
b) acrescentar referências cruzadas aos documentos de trabalho.
c) substituir carta de circularização dos advogados, com nova posição das contingências.
d) conferir itens das listas de verificação, evidenciando ter cumprido os passos pertinentes à montagem do arquivo.
e) documentar evidência de auditoria que o auditor obteve antes da data do relatório de auditoria.
 
Durante o processo final de montagem dos arquivos da auditoria concluída, a condição para que as modificações sejam cabíveis é que elas sejam de natureza administrativa.
 
De acordo com a NBC TA 230, que trata sobre Documentação de Auditoria, são exemplos de tais modificações:
  • apagar ou descartar documentação superada;
  • selecionar, conferir e acrescentar referências cruzadas aos documentos de trabalho;
  • conferir itens das listas de verificação evidenciando ter cumprido os passos relativos ao processo de montagem do arquivo;
  • documentar evidência de auditoria que o auditor obteve, discutiu e com a qual concordou junto aos membros relevantes da equipe de trabalho antes da data do relatório de auditoria.
 
A substituição de carta de circularização dos advogados, com nova posição das contingências, não é uma modificação de natureza administrativa. Por isso, não é cabível tal modificação durante o processo final de montagem dos arquivos.
 
Como a questão pede a modificação que não é possível, o nosso gabarito é letra "c".

 
8- O auditor independente, ao utilizar o trabalho específico dos auditores internos, deve:
 
a) ressalvar que o trabalho foi efetuado pelos auditores internos e a responsabilidade é limitada, registrando que a empresa tem conhecimento da decisão por utilizar estes trabalhos.
b) incluir, na documentação de auditoria, as conclusões atingidas relacionadas com a avaliação da adequação do trabalho dos auditores internos e os procedimentos de auditoria por ele executados sobre a conformidade dos trabalhos.
c) restringir a utilização a trabalhos operacionais, de elaboração de cálculos e descrição de processos que não ofereçam riscos ao processo de auditoria, visto que a responsabilidade é limitada sobre eles.
d) dividir as responsabilidades com a administração da empresa auditada, restringindo seus trabalhos ao limite da auditoria realizada e à documentação produzida pelos seus trabalhos.
e) assumir a qualidade dos trabalhos da auditoria interna, incluindo em seus papéis de trabalho como documentação suporte e comprobatória.
 
A questão foi baseada na NBC TA 610, que trata sobre a Utilização do trabalho de auditoria interna.
 
A responsabilidade do auditor independente não é diminuída caso ele utilize os trabalhos do auditor interno. Diante disso, podemos excluir as letras “a”, “c” e “d”
 
Já a letra “e” diz que o auditor independente deve assumir a qualidade dos trabalhos da auditoria interna. Segundo essa alternativa, o auditor independente poderia ficar com o todo mérito do trabalho feito pela auditoria interna. Tal fato não seria justo em nenhum lugar. Portanto, a letra “e” está errada.
 
Restou apenas a letra “b”.
 
De acordo com a NBC TA 610, se o auditor independente utilizou o trabalho de auditoria interna, ele deve incluir na documentação de auditoria:
1)    a avaliação:
1.1) se a posição hierárquica da auditoria interna e suas políticas e procedimentos dão adequado suporte para a objetividade dos auditores internos;
1.2) do nível de competência da auditoria interna;
1.3) se a auditoria interna aplica uma abordagem sistemática e disciplinada, incluindo controle de qualidade;
2)    a natureza e a extensão do trabalho utilizado e a base para sua decisão; e
3)   os procedimentos de auditoria executados pelo auditor independente para avaliar a adequação dos trabalhos realizados.
 
Temos aí o gabarito da nossa questão. Letra “b”.

 
9- A administração da empresa Elevação S.A. restringiu a alteração das demonstrações contábeis aos efeitos do evento subsequente que causou a alteração. A legislação vigente, à qual a empresa está subordinada, não proíbe a empresa de proceder desta forma. Nesta situação, o auditor deve alterar o relatório de auditoria para:
 
a) retificar a data definitiva em que a empresa deverá fazer a publicação, ressalvando essa alteração nas demonstrações contábeis, sem emitir posição sobre o evento subsequente.
b) incluir data adicional restrita a essa alteração que indique que os procedimentos do auditor independente, sobre os eventos subsequentes, estão restritos unicamente às alterações das demonstrações contábeis descritas na respectiva nota explicativa.
c) substituir a data do término dos trabalhos, ressalvando o evento subsequente, mencionando a impossibilidade de avaliação dos impactos.
d) adicionar parágrafo de outros assuntos, evidenciando o evento subsequente, mencionando a responsabilidade dos administradores sobre os efeitos desse novo evento.
e) determinar a data de término dos trabalhos, evidenciando a reavaliação das demonstrações contábeis de forma completa e evidenciando que não há impactos nas demonstrações anteriormente apresentadas.
 
A questão foi baseada na NBC TA 560, que trata sobre Eventos Subsequentes.
 
Vejamos a seguinte “equação”:
 
(i) Caso a legislação não proíba a administração de restringir a alteração das demonstrações contábeis aos efeitos do evento ou eventos subsequentes que causaram essa alteração; e
 
+
 
(ii) caso os responsáveis pela aprovação das demonstrações contábeis não estejam proibidos de restringir a aprovação a essa alteração,
 
(=) O auditor poderá limitar os procedimentos de auditoria aos eventos subsequentes.
 
Nesses casos, o auditor independente deve alterar o relatório para incluir data adicional restrita a essa alteração que indique que os procedimentos do auditor independente sobre os eventos subsequentes estão restritos unicamente às alterações das demonstrações contábeis descritas na respectiva nota explicativa.
 
Perceba que a alternativa está adequada às normas é a letra "b". Portanto, é o gabarito da nossa questão.

 
10- A determinação de materialidade para execução de testes:
 
a) não é um cálculo mecânico simples e envolve o exercício de julgamento profissional. É afetado pelo entendimento que o auditor possui sobre a entidade, atualizado durante a execução dos procedimentos de avaliação de risco, e pela natureza e extensão de distorções identificadas em auditorias anteriores e, dessa maneira, pelas expectativas do auditor em relação a distorções no período corrente.
b) é um cálculo mecânico simples e envolve o exercício de julgamento profissional. É afetado pelo entendimento que o auditor possui sobre a entidade, atualizado durante a execução dos procedimentos de avaliação de risco, e pela natureza e extensão de distorções identificadas em auditorias anteriores e, dessa maneira, pelas expectativas do auditor em relação a distorções no período corrente.
c) não é um cálculo mecânico simples e envolve o exercício de julgamento profissional. Não deve ser afetado pelo entendimento que o auditor possui sobre a entidade, atualizado durante a execução dos procedimentos de avaliação de risco, e pela natureza e extensão de distorções identificadas em auditorias anteriores e, dessa maneira, pelas expectativas do auditor em relação a distorções no período corrente e subsequentes.
d) é um cálculo mecânico simples e envolve o exercício de julgamento profissional. Não deve ser afetado pelo entendimento que o auditor possui sobre a entidade, atualizado durante a execução dos procedimentos de avaliação de risco, e pela natureza e extensão de distorções identificadas em auditorias anteriores e, dessa maneira, pelas expectativas do auditor em relação a distorções no período corrente.
e) não é um cálculo mecânico simples e envolve o exercício de julgamento profissional. Não deve ser afetado pelo entendimento que o auditor possui sobre a entidade, não deve ser atualizado durante a execução dos procedimentos de avaliação de risco, e pela natureza e extensão de distorções identificadas em auditorias anteriores e, dessa maneira, pelas expectativas do auditor em relação a distorções em períodos subsequentes.
 
A questão é baseada na NBC TA 320, que trata sobre a Materialidade no Planejamento e na Execução da Auditoria.
 
Materialidade para execução da auditoria significa o valor(es) fixado(s) pelo auditor, inferiores ao considerado relevante para as demonstrações contábeis como um todo.
 
Essa materialidade é adequada para reduzir a um nível baixo a probabilidade de que as distorções não corrigidas e não detectadas em conjunto, excedam a materialidade para as demonstrações contábeis como um todo.
 
Na execução de testes, a determinação de materialidade não é um cálculo mecânico simples e envolve o exercício de julgamento profissional.
 
Os critérios para a definição de materialidade são afetados pelo entendimento que o auditor possui sobre a entidade, atualizado durante a execução dos procedimentos de avaliação de risco, e pela natureza e extensão de distorções identificadas em auditorias anteriores e, dessa maneira, pelas expectativas do auditor em relação a distorções no período corrente.
 
Perceba que, resumidamente, a definição de materialidade deve observar o caso concreto. Cada entidade auditada terá uma materialidade diferente.
 
Uma dívida de dois mil reais para uma padaria pode ser considerado uma alta quantia. Entretanto, esse mesmo valor para uma multinacional pode não ser considerado algo relevante.
 
Perceba que a única alternativa que se adequa ao disposto na norma é a letra "a". Portanto, esse é o gabarito da nossa questão.
 
Deixe seu comentário:
Ocorreu um erro na requisição, tente executar a operação novamente.