Leonardo de Paula, 23º - Auditor Fiscal da Receita Federal 2014

Já conhece a história de sucesso de Leonardo de Paula? Veja mais depoimentos de alunos do TEC!

Olá, meu nome é Leonardo de Paula da Cunha, sou de Goiânia - GO e recentemente  fui aprovado em 23º lugar no concurso de Auditor Fiscal da Receita Federal do Brasil.  Muitas pessoas estão me perguntando sobre a minha metodologia de estudos, então eu  resolvi escrever esse texto. Ficou grande mas acredito que aborda vários assuntos de  interesse de quem se prapara para concursos. Espero que seja útil aos que vêm  buscando esse e outros cargos importantes.
 
Não tenho aqui a intenção de ensinar as pessoas como estudar, até mesmo porque  existe uma literatura especializada e extremamente competente sobre o assunto. Limito-me a expor alguns pontos de vista e a metodologia que eu utilizei para alcançar meu  sonhado cargo de AFRFB. De antemão peço desculpas por eventuais erros no texto pois  o escrevi sem muito tempo para revisões.  
 
 
HISTÓRICO
 
Me formei em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC Goiás),  no ano de 2011, um pouco desanimado com o curso, pois não me via de maneira alguma  advogando ou atuando em áreas típicas de carreiras jurídicas como em defensorias,  Ministério Público e outras.
 
Viajei para a Austrália em dezembro de 2011 em busca de conhecer novos ares,  novas pessoas, uma cultura e um estilo de vida diferentes. Dei continuidade aos meus  estudos da Língua Inglesa, fiquei fora do país um ano e por lá não tive contato algum com  a Ciência Jurídica. Viajei muito e aproveitei bons momentos da vida!  Acredito que se eu não tivesse feito essa viagem “sabática”, dificilmente seria  aprovado para AFRFB hoje, porque vivi as experiências que gostaria e quando aqui  cheguei, estava com a cabeça tranquila para estudar, não pensava que poderia estar em  qualquer outro lugar, só queria mesmo estar aqui, estudando, concentrado. Aqui vai um  abraço aos amigos de Sydney, especialmente para o Danilo e a Mariana. Gosto muito de  vocês.
 
Voltei renovado ao Brasil em fevereiro de 2013 e precisava decidir o que fazer  profissionalmente. Meio desencantado ainda com o Direito me lembrei que havia gostado  imensamente de Direito Tributário durante o curso e que meu primo é Auditor Fiscal da  Secretaria da Fazenda do Estado de Goiás. De repente me atentei para a existência da  área fiscal. Passei a investigar mais sobre esta área e vi que ela possibilita uma atuação  diferente daquela “jurídica tradicional”, com mais ênfase em temas que eu gosto  (tributário, economia, comércio internacional).
 
Nesse sentido, li vários depoimentos dos então recém aprovados no concurso de  AFRFB 2012 e decidi: Vou ser AFRFB!  Hoje, depois de ter estudado várias matérias de Direito novamente (além de  Administrativo e Constitucional estudei também Civil, Penal e Empresarial, pois constavam no edital de 2012), eu voltei a me interessar mais pela Ciência Jurídica, quero continuar estudando e me aperfeiçoando! A lição que fica pra mim é: quando estudamos o que queremos, de forma livre para alcançar nossos objetivos, sem fins acadêmicos, fica muito
mais prazeroso estudar.
 
 
INÍCIO DOS ESTUDOS
 
Iniciar os estudos não foi fácil, eu tinha a força de vontade, mas ainda não tinha o  conhecimento de como estudar da melhor maneira, ainda mais que fiquei um bom tempo  no exterior sem ter contato algum com as matérias. Para sair da inércia, li o livro ‘Como  passar em provas e concursos’ do William Douglas, selecionei os melhores materiais  segundo os depoimentos de aprovados e a bibliografia sugerida pelo Alexandre Meirelles  e, dessa forma, comecei estudando não muitas horas por dia, uma vez que não tinha  preparo físico e mental para longos dias de estudo ainda.   
 
No início, eu não conseguia estudar com muita constância, minhas horas líquidas  variavam entre 3 e 7 por dia, me cansava facilmente e o sono aparecia constantemente.  Com o tempo, fui adquirindo resistência e fui aumentando a carga horária aos poucos até  chegar a um ponto de constância, que eu considerei ideal, no qual estudava 12 horas  líquidas por dia tranquilamente.
 
Bebia café duas vezes ao dia para afastar o sono. Bem cedo e depois do almoço.  Nunca utilizei nenhuma outra substância para ficar acordado ou aumentar a concentração.  Acredito firmemente que a capacidade de adaptação do nosso organismo é  suficientemente capaz de superar qualquer dificuldade de concentração ou disposição  inicial se a pessoa se esforçar e buscar verdadeiramente a constância nos estudos.   
 
Quanto aos descansos, no início eu só estudava de segunda à sexta e descansava  nos finais de semana. Com o passar do tempo vi a necessidade de estudar mais e fui  passando a estudar sábados e domingos também, até ter resistência suficiente para, no  período pós-edital, estudar acima de 10 por dia, todos os dias, sem descanso.   
 
Minha dica aqui: estude o máximo que conseguir! Às vezes, o seu máximo vai ser  pouco hoje, mas se você mantiver a constância ele vai aumentando aos poucos até  chegar onde você realmente deseja. O importante é não se acomodar!!!  
 
 
ORGANIZAÇÃO E CICLOS
 
 A organização pessoal é fundamental para alcançar qualquer objetivo. Eu dei extrema importância para esse aspecto da minha preparação!!! Alcançar o cargo de  AFRFB deve ser encarado como um projeto e, como tal, deve ser bem planejado! A base  fundamental do planejamento que eu utilizei foi o seguinte pensamento: eu não quero me  enganar! Quero fazer o meu melhor e encarar o desafio sem subterfúgios!    
 
Utilizei sempre um cronômetro para marcar as horas líquidas estudadas. Nesse  sentido, para saber como o meu desempenho estava, criei uma planilha no Excel para  contabilizar todas as horas de estudo. Separei colunas para cada matéria e organizei a  planilha de uma maneira que eu pudesse ter o somatório total de horas estudadas  segregado em dia, semana e mês. Também há o total de horas em cada matéria.
 
Com esse controle em uma planilha do Excel eu tinha uma EXCELENTE ferramenta para medir o meu desempenho. Podia ver em cada coluna a minha constância  e ao final de cada um dos períodos supramencionados a evolução acumulada em cada  matéria. Segue abaixo uma imagem de parte da planilha:
 
 
 
Cada matéria tem sua própria coluna e cada linha representa um dia. É importante notar que na coluna da matéria é possível ver a constância em determinada época ou a falta dela, bem como os totais. Assim é muito mais fácil ter uma visão real dos estudos e não se enganar, saber onde pode melhorar e o que já está bom.
 
Minha dica: controle suas horas! Saiba como tem sido seu estudo com realidade para você chegar onde quer!
 
Juntamente com a tabela de horas eu criei um documento no Word para controlar meu ciclo de matérias e me servir de bússola. Segue uma imagem:
 
 
Quanto  aos  ciclos,  eu  demorei  a  encontrar  uma  maneira  de  organizá-los  que  se adaptasse  às  minhas  necessidades.  Finalmente  cheguei  nesse  modelo  que  passo  a apresentar. 
 
Eu necessitava de um ciclo de matérias suficientemente rígido para estudar todos os dias as matérias que considerava mais importantes (Contabilidade e Direito Tributário) ou  difíceis  de  serem  aprendidas  (RLQ)  e  suficientemente  flexível  para  ciclar  as  demais livremente de acordo com graus diferentes de relevância que poderiam se alterar ao longo do tempo. 
 
Cheguei  ao  método  das  cores.  Cada  dia  é  representado  por  uma  cor  (amarelo, verde, laranja e azul claro). Separei as matérias em diferentes grupos de cores como visto acima. A composição desses grupos foi sendo alterada ao longo do tempo. Os grupos da imagem acima são os da minha reta final pós-edital. 
 
Estudava cada matéria entre 1h e 1h30min e descansava 10 minutos entre cada uma. TUDO  CRONOMETRADO!  Não se perca no intervalo! Se você quer estudar mais horas por dia, cada minuto é precioso! Tempo  é  aquela  coisa  que  passa  e  não  volta mais…
 
As quatro primeiras matérias do ciclo (Contabilidade, Direito Tributário, Legislação Aduaneira  e  Comércio  Internacional)  eu  chamei  de  “cláusulas  pétreas”  e  deveriam  ser estudadas  todos  os  dias  independemente  de  chover  ou  fazer  sol,  sendo  que  cada  dia específico viria com uma parte de RLQ distinta para “acompanhar o cardápio” (rs). Direito Constitucional  e  Direito  Administrativo,  no  início,  tinham  o  status  de  “cláusula  pétrea”  e depois perderam prioridade com as alterações do edital de 2014. 
 
No  dia  Amarelo,  por  exemplo,  eu  estudaria  todas  aquelas  matérias  tidas  como “cláusulas  pétreas”  +  matérias  em  amarelo  +  Estatística.  No  dia  Verde  eu  estudaria  as “cláusulas pétreas” + matérias em verde + Matemática financeira. E assim por diante. O ciclo tinha, portanto, 4 dias. Em 4 dias, eu conseguia ver todas as matérias dando mais prioridade para aquelas que eu considerasse mais importantes e tendo a certeza de que estudaria diariamente aquelas “cláusulas pétreas” (prioridades máximas). 
 
Na verdade esse status de “cláusula pétrea” era mais para guiar a minha intenção de constância mesmo, se você observar a minha planilha de horas verá que não consegui seguir isso 100% do tempo. No entanto,  o objetivo estava traçado, por isso foi importante a  criação  do  status.  Veja  a  minha  constância  em  Contabilidade  e  Direito  Tributário  na planilha e os meus resultados na prova que perceberá a eficária desse “status”.  Não  sei  se  esse  método  fica  claro  para  todos,  mas  foi  assim  que  eu  supri  a necessidade  de  estudar  algumas  matérias  invariavelmente  todos  os  dias  e  revezar  as outras de maneira que eu pudesse priorizar o que fosse necessário com flexibilidade ao longo do tempo. 
 
Algumas  matérias  eu  estudava  sempre  nos  mesmos  horários.  Contabilidade  eu estudava sempre no primeiro horário do dia, pois a cabeça estava mais tranquila e, como eu  nunca  tinha  a  estudado  na  vida,  precisava  de  espaço  livre  na  cabeça.  RLQ  eu estudava  sempre  depois  do  almoço,  pois  me  fazia  ficar  acordado.  Direito  Tributário  era sempre a última do dia porque é a minha predileta e eu precisava de uma motivação pra chegar ao fim do dia ainda disposto. Nesse sentido, acredito que organizar a ordem das matérias no dia é bem importante para aumentar o rendimento.  
 
Nos  espaços  à  direita  das  matérias  eu  escrevia  o  roteiro  de  estudos:  o  próximo passo em cada matéria na próxima vez que esta fosse estudada dentro do ciclo. Fiz assim para ter uma noção de continuidade e não ficar sem saber o que precisava ser feito, uma vez que são muitas matérias.  
 
Minha dica: divida as matérias aglutinadas! Divida RLQ em Matemática Financeira, Matemática Básica, Estatística e Lógica, por exemplo, para poder estudar tudo ao mesmo tempo dentro do ciclo. Divida também Legislação Tributária em IRPF, IRPJ e IPI e estude assim  cada  imposto  separadamente  em  horários  diferentes.  Previdenciário  e  Tributário. Legislação  Aduaneira  e  Comércio  Internacional.  Não  é  porque  algumas  matérias  são cobradas  em  conjunto  que  devem  ser  estudadas  em  bloco.  Confesso  que  perdi  muito tempo em algumas matérias porque não as dividi antes para organizar o estudo e quando chegava no meio de uma já estava esquecendo a outra.  
 
Também  fiz  bastante  uso  de  quadros  esquemáticos  pregados  na  parede  para esclarecer  aqueles  pontos  controversos  e  nebulosos  que  as  bancas  sempre  gostam  de cobrar. Por exemplo, fiz um quadro para organizar os prazos de abandono de mercadorias para efeito de perdimento em Legislação Aduaneira. São alguns prazos (30, 45, 60 e 90 dias)  e  o  regulamento  os  traz  de  maneira  truncada,  assim,  os  organizei  em  um  quadro pequeno de acordo com a MINHA LÓGICA e colei na parede para consultar sempre que tivesse dúvidas.  
 
Fiz  quadros  para  quase  tudo!  Lançamentos  contábeis,  DFC,  DRE,  DLPA,  DRA, fórmulas, prazos, casos de incidência e não incidência de IRPF, exceções à anterioridade anual  e  nonagesimal,  percentuais  do  IR,  conceitos  de  auditoria,  quóruns  importantes, regimes  aduaneiros,  medidas  de  defesa  comercial,  INCOTERMS,  etc.  Cada demonstração contábil estava devidamente esquematizada em um quadro para facilitar o meu entendimento. Nessa “brincadeira” de criar quadros esquemáticos eu acertei VÁRIAS questões na prova de graça uma vez que muitas delas estavam basicamente resumidas nos meus queridos quadros de acompanhamento diário, principalmente em Contabilidade.  
 
Não  fiz  quadros  de  todas  as  matérias,  mas  basicamente  de:  Contabilidade, Auditoria,  Comércio  Internacional,  Legislação  Aduaneira,  Legislação  Tributária  e  Direito Tributário. Fizeram MUITA diferença pra mim, pois eu podia os ir trocando ao longo do tempo e fixando todos os conceitos, todos os detalhes que às vezes não são fáceis de serem  memorizados  de  uma  só  vez.  Segue  abaixo  uma  foto  do  meu  mural  com  os referidos quadros:
 
Ainda sobre a organização, outro ponto que eu considero de EXTREMA IMPORTÂNCIA é a iluminação do ambiente de estudos. Preste muita atenção nela! Ela pode ser o motivo de seu baixo rendimento e falta de atenção.
 
Quando comecei a estudar tinha apenas uma lâmpada, depois instalei outra e vi que era bem melhor um ambiente com mais claridade. Mais a frente, instalei uma terceira lâmpada e vi que estava ainda melhor!!! No final das contas, cheguei à conclusão de que, no início, eu estava estudando no ESCURO, uma vez que só uma lâmpada era bem insuficiente e dificultava a minha concentração, principalmente na leitura de livros.  
 
Segue uma sequência de fotos com as diferentes intensidades de luminosidade que eu organizei com 3 lâmpadas instaladas sobre a mesa (eu mesmo fiz o trabalho de eletricista): Aproveito para falar sobre o suporte de livros. Também é um item imprescindível para uma boa organização dos estudos na minha opinião. Foi uma valiosa dica do meu querido amigo Phillip Barbieux que me ajudou muito, uma vez que fica muito mais fácil estudar várias horas seguidas sem cansar o pescoço. Recomendo FORTEMENTE.
 
 
 
 
Aproveito para falar sobre o suporte de livros. Também é um item imprescindível para uma boa organização dos estudos na minha opinião. Foi uma valiosa dica do meu querido amigo Phillip Barbieux que me ajudou muito, uma vez que fica muito mais fácil estudar várias horas seguidas sem cansar o pescoço. Recomendo FORTEMENTE.
 
Ainda sobre o tema organização, aproveito para falar sobre uma coisa que facilitou incrivelmente os meus estudos: o iPad. Simplesmente não imprimi os PDF’s, os carregava no iPad. O iPad ficava na altura dos meus olhos no suporte de madeira para livros com uma base para aumentar a altura. A leitura assim ficou perfeita! Conseguia estudar horas afinco sem cansar os olhos ou o pescoço e sem gastar com impressões.
 
Há também outro detalhe quanto ao uso do iPad: na minha opinião ele facilita a concentração uma vez que o tamanho da tela se assemelha ao tamanho de um livro e assim o campo de visão é mais adequado à leitura. Quando tentei ler PDF’s pelo computador o tamanho da tela atrapalhou sensivelmente a minha concentração. Segue uma imagem:
 
 
Use a criatividade para contornar as situações. Essa base para o suporte de madeira que eu utilizava para deixar o iPad na altura dos meus olhos é uma caixa de papelão revestida com um saco de colocar sapatos para ficar visualmente mais agradável. Outro exemplo que eu posso dar de como contornei uma situação para melhor otimizar os estudos é: você deve ter reparado que tem um tapete sobre a minha mesa de estudos. Pois é, o tapete está lá porque a mesa é coberta por um vidro e este causava um reflexo das luzes que me desconcentrava, contornei a situação colocando o tapete e tudo ficou incrivelmente confortável aos meus olhos.
 
Outra coisa muito importante que muitas pessoas negligenciam é a saúde da visão. Eu uso óculos e faço um acompanhamento semestral com um oftalmologista. Enxergo muito bem sem os óculos, mas somente com eles as letrinhas dos livros ficam 100% nítidas. Durante o meu curso na universidade eu não me atentei para essa diferença e tentava estudar sem os óculos. A consequência era uma concentração muito baixa. Procure um oftalmologista e veja se está tudo bem, se precisa de usar óculos ou alterar o seu grau. Os pequenos detalhes fazem muita diferença quando se tem que ficar horas e horas lendo letras pequenas em alto rendimento com a máxima concentração possível.
 
Minha dica final sobre organização: Procure criar um ambiente favorável para o estudo! Sinta-se bem no local onde você estuda, afinal de contas, quem vai ficar lá várias horas por dia é você. Deixe tudo o mais limpo e agradável possível. Coloque a iluminação da maneira que você se sente melhor e mais alerta. Se for possível coloque um ar- condicionado no quarto para facilitar nas épocas de calor. Planeje tudo com um único objetivo: facilitar a sua compreensão do que precisa ser estudado e o seu respectivo aprendizado.
 
 
MATERIAIS
 
Uma grande dúvida que surge quando as pessoas começam a estudar para o concurso de AFRFB é: quais são os melhores materiais? Será que se deve usar vídeos, PDF’s ou livros?
 
Eu utilizei todos eles, dependendo da matéria. Vou colocar a bibliografia específica de cada matéria a frente, mas quero ressaltar que o importante, na minha opinião, é buscar materiais que atendam a sua maneira de aprender, independentemente da forma ou mídia. Eu, particularmente, não me dou bem com vídeos, mas em algumas matérias (como Contabilidade por exemplo) eu simplesmente não vi outra alternativa e achei totalmente proveitoso estudar por vídeos.
 
Não fiz nenhum cursinho presencial! Vejo que com toda a tecnologia de hoje, sair de casa, pegar trânsito, esperar algum professor dar aula, esperar intervalos e outras coisas é pura PERDA DE TEMPO. Eu acordava cedo (5:30 da manhã), tomava o meu café e começava logo a estudar! Não parava depois do almoço e já voltava imediatamente aos estudos! Ganhei muito tempo estudando em casa pelo computador e pelo iPad.
 
Pesquise os depoimentos de pessoas que foram aprovadas e as bibliografias sugeridas por pessoas influentes da área fiscal como o Alexandre Meirelles! Com certeza essas pessoas têm boas indicações para passar.
 
Segue agora a lista de materiais que eu utilizei:
 
- Português: A Gramática para Concursos Públicos – Fernando Pestana
- Inglês: Estudo desde os 10 anos e morei na Austrália, simplesmente “não estudei”.
- RLQ: Vitor Menezes (Estratégia), Guilherme Neves (Ponto), Livros do Sérgio Carvalho, Curso em vídeo com o Carlos Henrique (Silvio Sande).
- Administração Geral: Flávio Pompêo (Ponto), Rodrigo Rennó (Estratégia), Augustinho Paludo (Elsevier).
- Administração Pública: Rafael Encinas (Ponto).
- Direito Constitucional: Direito Constitucional Descomplicado (MA + VP), Vitor Cruz (Ponto), Nádia Carolina (Estratégia).
- Direito Administrativo: Direito Administrativo Descomplicado (MA + VP), CyonilBorges (Estratégia).
- Direito Tributário: Direito Tributário Esquematizado (Ricardo Alexandre).
- Auditoria: Rodrigo Fontenelle (Silvio Sande + Estratégia).
- Contabilidade Geral e Avançada: Silvio Sande (Reina absoluto! O melhor!).
- Legislação Tributária: George Firmino (Concurseiro Fiscal), Murillo Lo Visco (Ponto).
- Comércio Internacional: Ricardo Vale (Estratégia).
- Legislação Aduaneira: Ricardo Vale (Estratégia), Luiz Missagia e Rodrigo Luz(Ponto).
 
Quanto aos materiais, nunca é demais destacar a importância da resolução de exercícios. Eu foquei sempre na resolução de milhares e milhares de exercícios!!! O máximo possível mesmo! Somente nos 60 dias anteriores à prova eu resolvi aproximadamente 1300 exercícios de Direito Tributário, centenas de Português, 1400 de Direito Administrativo, 1200 de Direito Constitucional, 1400 de Auditoria, 480 de RLQ e muitos outros. São dados aproximados levando em consideração meus cadernos no TEC Concursos, mas eu tenho certeza que resolvi muito mais, sem citar as outras matérias!
 
Para a resolução de questões, na minha opinião a melhor plataforma disponível atualmente é o www.tecconcursos.com.br, eu o utilizei desde o início e recomendo FORTEMENTE para todas as pessoas, sobretudo por seu imenso banco de questões comentadas e também pelo visual amigável e claro. Um grande abraço para a equipe do TEC Concursos, sem vocês essa aprovação teria sido bem mais difícil.
 
A resolução de questões no TEC Concursos é algo que eu considero tão sério que preciso detalhar mais. O site mostra o aproveitamento em percentuais de erros e acertos por caderno (matéria). Durante toda a minha preparação meu aproveitamento no site variava entre 70% de acerto em algumas matérias e 90% em outras como Direito Tributário. Esse indicador de desempenho é tão correto que dá para se ter uma previsão do percentual que se fará na prova. Para AFRFB eu tive um percentual de acerto na prova objetiva de 77,61%, totalmente coerente com o que o TEC Concursos já me indicava, não foi nenhuma surpresa. Nos outros concursos também foi assim. Entendeu porque eu bato tantas vezes na tecla da resolução de questões?
Eu me dediquei inteiramente aos estudos e fiquei desde março de 2013 sem trabalhar. Graças a Deus eu tive essa oportunidade e soube aproveitar muito bem! Não é qualquer pessoa que pode fazer isso, então se você é um desses privilegiados: aproveite!
 
 
DISCURSIVAS
 
Não estudei exclusivamente para as discursivas. Somente na reta final, resolvendo as questões objetivas, escolhi alguns dos temas abordados que considerava razoáveis de serem cobrados em questões subjetivas para redigir algo a respeito.
Não tive grandes dificuldades na escrita uma vez que fui estagiário de Juiz de Direito e passei um bom tempo redigindo sentenças e decisões judiciais diariamente.
 
Não há muito segredo nas provas discursivas da ESAF. Felizmente, a banca não avalia exatamente o conhecimento técnico do candidato nesta etapa, para isso já aplica uma prova objetiva extremamente bem elaborada. A prova subjetiva busca basicamente saber se o candidato tem um conhecimento razoável da língua portuguesa, consegue concatenar bem suas ideias no papel e conhece razoavelmente o tema abordado. Sem grandes mistérios e com objetividade se consegue uma nota muito boa.
 
Minha dica: treine escrever sob a pressão do tempo e utilizando uma linguagem mais jurídica. Leia muitas sentenças, acórdãos do STF e outros julgados para se acostumar com a linguagem formal exigida nesse âmbito. Nunca é demais saber a literalidade das leis também.
 
 
REVISÕES
 
Muitas pessoas falam da importância de se revisar. Algumas são absolutamente aficcionadas por revisões. Sei de algumas pessoas que revisaram tanto a matéria que simplesmente não foram aprovadas, dentre outros motivos, por não terem tido tempo de estudar todo o edital.
 
No começo eu fazia alguns mapas mentais em um programa do computador. Fiz mapas do livro do Ricardo Alexandre inteiro para se ter uma ideia. Sabe para que serviu? NADA!!! Pelo menos no que tange ao ato de revisar, pois eu nunca os reli. Se eu tivesse usado esse tempo para resolver mais questões tinha aprendido mais, eu acredito.
 
Não quero desmerecer a opinião das pessoas que defendem a importância das revisões, mas eu simplesmente não vejo que é tão necessário assim. Sabe porque eu parei de revisar? Porque eu começava a ler os meus mapas e resumos e, enquanto lia, pensava que estava guardando tudo na cabeça, que tudo estava límpido e cristalino, MAS NÃO ESTAVA! Fora que elaborar tais materiais demanda muito tempo…
 
Na minha opinião, o que faz a gente realmente fixar algo é resolvendo exercícios! Infinitos… Eu estudei com tempo, por isso recomendo aos que querem ser AFRFB que já iniciem a todo o vapor os estudos para o próximo certame e foquem o máximo possível na resolução de exercícios.
 
Cada matéria eu estudei de uma maneira diferente, pois tinha um rendimento singular em cada uma delas. Vou contar como estudei Legislação Aduaneira como exemplo: Li a primeira aula e resolvi todos os exercícios, li a segunda aula e resolvi todos os exercícios da primeira e da segunda, li a terceira aula e resolvi todos os exercícios da primeira, segunda e terceira, e assim por diante…
 
Em Direito Tributário fiz assim: Li todo o livro do Ricardo Alexandre resolvendo os exercícios que o acompanham ao longo da leitura dos capítulos. Lia um capítulo, resolvia todas as questões dele e seguia em frente para outro capítulo. Depois de ler o livro todo, fiquei meses só resolvendo questões no TEC Concursos sobre a matéria. Não peguei mais teoria, só exercícios mesmo.
 
Contabilidade Geral e Avançada eu estudei pelos vídeos do Mestre Silvio Sande. Assistia as aulas e resolvia os exercícios propostos. Assistí até a aula 20 e voltei revisando os PDF’s de teoria e resolvendo as questões novamente. Depois, assistí da aula 21 à 42 e voltei revisando os PDF’s de teoria e resolvendo TODAS as questões novamente desde a aula 01. Acertei 18 questões de 20 na prova estudando assim.
 
Percebe que eu não sou contra revisões? Só acho que elas não devem ser uma prioridade tão grande como alguns pregam, não devem deixar de ser um meio para serem o fim. Acredito que revisões pontuais, bem direcionadas e muitos exercícios são uma receita de sucesso, sobretudo quando os exercícios forem realmente MUITOS…
 
As outras matérias eu estudei combinando essas técnicas acima descritas aliadas a incontáveis exercícios. Pegue sempre uma boa base de teoria e juntamente com ela faça o máximo de exercícios que puder sobre todos os assuntos estudados. Só assim as matérias são realmente fixadas na minha opinião. Cada matéria exige uma abordagem diferente, adaptar-se em busca da maneira mais eficiente de estudar cada uma é imprescindível.
 
Algumas pessoas estão me perguntando como eu fiz para manter o conteúdo vivo na memória, uma vez que teriam dificuldades para isso. Posso dizer que eu aprendi a estudar estudando, aprendi a memorizar memorizando, aprendi a fazer prova fazendo, aprendi a ter constância sendo constante, aprendi a ter determinação sendo determinado. Pode parecer redundância mas é a verdade. Não comecei sabendo. Me considero um homem médio, nunca fui o melhor aluno da turma, sempre ficava na média…
 
Depois que eu estudei as primeiras 1.000 horas líquidas eu cheguei à seguinte conclusão: aprendi a estudar! Estava na hora de estudar em ALTO RENDIMENTO. Foi nesse momento que eu intensifiquei ainda mais os estudos. Se você observar na minha planilha de horas
 
 
eu demorei 6 meses para estudar as primeiras 1.000 horas. Depois disso, como falei, uma vez que eu tinha aprendido a estudar, as 1.000 horas seguintes foram estudadas em 5 meses. Desde a publicação do edital até a prova eu estudei aproximadamente 637 horas.
 
Minha técnica para manter o conteúdo vivo na memória foi estudar como se não houvesse amanhã e resolver questões como se essa fosse a razão última da existência humana na Terra!!! Não existe um segredo, é muita dedicação mesmo. Estudar uma, duas, três, quantas vezes for necessário um mesmo assunto e resolver quantas questões forem necessárias para fixar verdadeiramente o conteúdo. Além disso, meus quadros esquemáticos ajudaram muito também, uma vez que os pontos mais difíceis de se memorizar em cada matéria eram esmiuçados cuidadosamente de acordo com a minha lógica pessoal neles para o meu melhor entendimento.
 
Utilizei vários mnemônicos. Também criava situações esdrúxulas e engraçadas na cabeça para memorizar algumas informações. Por exemplo, para lembrar que a aposentadoria compulsória era aos 70 anos e que a pessoa acima de 70 anos não precisa votar eu criei a seguinte situação na cabeça: Aaaah, então a pessoa quando faz 70 anos leva a “espulsória” e de presente ganha o direito de não votar. É quase uma banalização mas que fez o meu cérebro lembrar das informações por causa da descontração criada. Fiz isso com muitas e muitas informações necessárias de serem memorizadas.
 
Acredito que memorizamos algo melhor quando já temos alguma base naquilo. Na primeira vez que se estuda uma matéria é difícil memorizar tudo. Por isso em algumas matérias eu lia toda a parte teórica uma vez sem muito esforço para decorar todos os detalhes, só para reconhecer o terreno mesmo, e depois começava estudando do zero como se nunca tivesse visto aquela matéria para ir fixando aqueles detalhes que antes pareciam difíceis. Assim, na segunda leitura eu já tinha uma base razoável e uma visão geral do conteúdo, já sabia para onde as coisas estavam indo e passava a compreender a lógica de cada coisa, interligando os conteúdos de maneira dinâmica, sem precisar decorar por decorar. Fiz isso por exemplo com Auditoria, Direito Previdenciário, Legislação Aduaneira, Administração Geral, Direito Constitucional e o resultado foi excelente.
 
 
ROTINA
 
Algumas pessoas pediram para eu descrever a minha rotina. Aí vai:
 
- Acordava às 5:30 da manhã.
- Comia algo e bebia a primeira dose de café do dia.
- Começava a estudar até 6:10. - Almoçava 11:00 (quem acorda cedo almoça cedo) em um restaurante aqui perto. Na verdade engolia a comida o mais rápido possível para voltar aos estudos. Ia e voltava de bicicleta para não perder tempo.
- Chegava em casa e ia imediatamente para o quarto estudar RLQ com a segunda dose de café do dia já na mão.
- Estudava até 22:00.
Tinha um compromisso pessoal de estar na cama, deitado e com a luz apagada no máximo até 22:30. Nem sempre era possível, mas a intenção era essa.
 
Basicamente essa era a rotina. Estudava aproximadamente de 9 a 10 matérias por dia. Cada matéria entre 1h e 1h30min. No início foi um pouco diferente, ao longo do tempo eu fui adaptando a quantidade de matérias por dia e a duração de cada uma. Minha planilha de horas pode te fornecer informações mais precisas dessas alterações.
 
Tinha intervalos de 10 minutos devidamente cronometrados com o despertador entre cada matéria. No início escutava música nos intervalos, depois passei a apreciar o silêncio puro deitado na cama, tomar sol ou dar uma andada pela casa.
 
Sempre comia alguma coisa nos intervalos, principalmente frutas. Quando comecei a estudar pensei que se tivesse uma alimentação “mais leve” teria mais facilidade para aprender. No meu caso essa foi a maior ilusão de todas. Quanto mais eu aumentava a carga de estudos, mais eu sentia necessidade de ter uma alimentação forte para me sustentar. Nos seis meses que antecederam a prova eu estava comendo mais carne vermelha que um leão. Minha família pode confirmar… Alguns dias eu comi bife no café da manhã.
 
Comer muita carne foi a única maneira que eu encontrei para manter o meu organismo abastecido por muitas horas e assim conseguir estudar mais de 10 horas líquidas por dia durante muito tempo.
 
 
PRÉ-PROVA
 
Algumas pessoas me perguntaram sobre o período pré-prova, ansiedade e etc. Bem, desde o dia da publicação do edital eu pensei assim: nada mais interessa, agora só essa prova importa!
 
Com o edital na praça eu terminei de ver em menos de uma semana a parte teórica de algumas coisas que faltavam e parti para a resolução de questões. Não vi nada de teoria nesse período, só questões mesmo! O que era para estudar já tinha que ter sido estudado, agora só faltava fixar bem o conteúdo ja visto e, para isso, a receita do bolo é essa mesmo que você está pensando: resolver infinitas questões. Posso dizer que eu fiquei muito ansioso, me peguei sentado em frente a minha mesa de estudos chorando de emoção algumas vezes pela aproximação daquele momento tão importante da prova. Mesmo assim, procurava ficar tranquilo pensando que eu estava indo para a prova com a consciência totalmente tranquila de que tinha dado o meu melhor. Acredito firmemente que o melhor antídoto para qualquer problema de ansiedade é a dedicação máxima, pois só ela vai te dar uma consciência tranquila de dever cumprido. Quem se engana não tem pra onde correr, a prova é um espelho muito cristalino.
 
 
VIDA SOCIAL
 
Eu sou um pouco radical a respeito de algumas coisas quando o assunto é estudar para concurso público. Uma delas é sobre a vida social. Acredito que estudar para um cargo tão importante como esse de AFRFB exige um grau de abdicação da pessoa de certas coisas da vida.
 
Não bebo e não fumo, não sou de sair para a balada, então já tinha meio caminho andado para um bom funcionamento do meu corpo em alto rendimento e otimização do tempo. A pessoa que se propõe a estudar para a Receita Federal, na minha opinião, tem que se preparar para uma intensa caminhada de estudos e os vícios só atrapalhariam essa corrida de resistência. Imagine sua preparação como uma maratona. Não basta estar bem preparado nos primeiros 100 metros, você deve estar preparado para resistir a longas distâncias…
 
Parei de sair para eventos sociais, ia bem pouco na casa de amigos e não viajava. Encarei esse período de aproximadamente um ano e um mês como um plantio e abdiquei de todas essas coisas. Chegou um momento que parei até mesmo de frequentar a minha religião para poder estudar mais (período pós-edital). Parei também de assistir jornais, ler notícias, ouvir músicas agitadas e acompanhar o cenário político nacional. Passei a apreciar o silêncio e quando ligava a televisão era somente em canais de surf para ver o mar e relaxar.
 
As pessoas que eu conheço que passaram em grandes concursos também escolheram esse caminho de reclusão momentânea. Devemos saber que na vida há tempo pra tudo, estudar pra concurso é saber que o tempo é de recolhimento e muita dedicação, muito suor.
 
Muitas pessoas não compreendem esse momento, até mesmo algumas que dizem compreender, mas que agem de maneira diversa. É difícil para quem está de fora “desse mundo” dos concursos entender o que se passa com quem está dentro. Sempre tem aquela pessoa desavisada que pergunta: “Mas você SÓ estuda?”, como se estudar já não fosse muita coisa… Temos que ter compreensão e deixar de lado tudo que não interessa para a aprovação como discussões infundadas com tais pessoas.
 
Namorei boa parte do período de estudos, mas por diversos motivos, sobretudo minha vontade incondicional de estudar com absoluta prioridade, o relacionamento acabou se desgastando. Confesso que não consegui conciliar muito bem as coisas e os estudos acabaram prevalecendo em detrimento do diálogo. Se você quer ter um nível alto de estudos, tem disposição para “abdicar da vida” e quer manter seu relacionamento, procure a pessoa que está com você e deixe as coisas claras, coloque na mesa os objetivos e o preço que deve ser pago para que a vida melhore, eu pequei nesse ponto e as coisas desandaram. Mesmo assim não há garantia alguma de que a pessoa vai compreender o momento e levar as coisas numa boa. Por outro lado, se você está junto de alguém que estuda para concursos públicos, compreenda o momento de quem está estudando, reconheça o esforço da pessoa e segure a sua onda! Nada é definitivo, esse momento é transitório e os frutos serão recompensadores.
 
Mudando de assunto, muitos dizem que praticar um esporte é bom para “oxigenar o cérebro” e teoricamente esportes ajudariam nos estudos. Confesso que não pratiquei esporte algum e raramente dava uma corrida na avenida do meu setor ou andava de bicicleta. Não senti falta. Gostava de fazer polichinelo para dar uma movimentada entre uma matéria e outra.
 
Quanto ao facebook, eu o considero uma grande ferramenta. Livre-se de todas as fofocas e siga apenas os professores! Parei de seguir todas as pessoas e continuei recebendo novidades apenas dos mestres. Estava sempre me atualizando com as novidades por eles postadas e podia trocar ideias com pessoas que estavam passando pela mesma situação que eu. Acredito que se bem utilizado, o facebook pode ser um grande aliado do candidato. Grande abraço ao amigo Fabrício Guimarães que de muito longe me ajudou em vários momentos com importantes trocas de experiências e materiais. Um alô também ao pessoal do grupo “Receita Federal – Concurseiros Iniciantes” do facebook.
 
 
DIFICULDADES
 
As dificuldades são muitas e variam de pessoa pra pessoa. Sentar a bunda em uma cadeira 12 horas por dia te coloca de frente para si mesmo, então pode ter certeza que com o tempo você vai se encontrar com suas limitações, suas qualidades, seus defeitos, os pontos fortes e tudo mais. Tudo vai ficar mais à flor da pele…
 
Sempre procurei encarar as dificuldades como uma oportunidade de me superar. Quando tinha muita dificuldade em uma matéria acabava procurando uma rota alternativa e descobria novos jeitos de estudar, novas técnicas, novos jeitos de me organizar. Aqueles quadros esquemáticos que tanto me ajudaram, por exemplo, surgiram de uma dificuldade enfrentada para compreender e memorizar todas as etapas da Demonstração do Resultado do Exercício (DRE) em Contabilidade. Acabei percebendo que o meu cérebro memoriza muito mais as coisas quando estão organizadas sequencialmente de maneira visual. Fique sempre alerta que o seu corpo vai sentir imediatamente vários reflexos dos estudos, guie-se em busca de bons reflexos e soluções inteligentes.
 
Um certo dia, poucos meses antes da prova, estudei 14 horas e acordei muito doente, depois descobri que estava com dengue. Fiquei pelo menos dez dias sem estudar e não foi muito fácil voltar ao ritmo intenso de outrora com a imunidade baixa. Mesmo assim, eu fui persistente e consegui superar o que precisava para voltar ao ritmo que considerava necessário para a aprovação!
 
Ao todo eu estudei aproximadamente 2.735 horas líquidas. Consegui estudar aproximadamente 90% do edital para AFRFB 2014. Nesse tempo eu pude me superar várias vezes e romper barreiras, experiência muito rica! Estudar para AFRFB foi a melhor decisão que tomei em toda a minha vida… Não encare seus materiais de estudo como um fardo! Eles são excelentes ferramentas para a sua aprovação e vão te auxiliar a ter uma visão muito mais ampla da sociedade em que você vive, pode ter certeza. Matérias que no começo eram um suplício para mim acabaram se tornando as que mais me fizeram crescer e aprender novos conhecimentos importantes.
 
Posso citar seguramente a matéria Administração Geral como exemplo. Quando comecei achava extremamente difícil estudar tal matéria, com o tempo passei a gostar e depois cheguei a ver o quanto foi importante ter estudado-a para me organizar melhor, planejar melhor meus estudos e ter uma compreensão melhor do mundo ao meu redor.
 
Não tenho que reclamar de nada, só a agradecer. Consegui encontrar muitas facilidades no caminho e tenho muita gratidão por isso.
 
 
COACHING
 
Algumas pessoas estão perguntando a minha opinião sobre sistemas de coaching para concursos. Sinceramente eu não sei o que dizer a respeito pois nunca fiz uso. Sei que há pessoas sérias trabalhando nessa área e que muita gente se beneficia dos serviços prestados.
Além disso eu não saberia dizer mais nada pois desde o primeiro dia eu procurei construir a minha metodologia de estudos sozinho. Para ter uma base para isso, eu li, como já mencionei, o livro do William Douglas e também vários textos do Alexandre Meirelles.
Selecionei aquilo que encontrei de mais coerente para o meu caso particular, adaptei ao meu estilo e fui criando minha maneira de estudar. Deu muito certo assim. Tome cuidado com fórmulas prontas e metas que outras pessoas criam para você cumprir, procure saber você mesmo de suas reais necessidades antes de seguir cegamente algum tutor que não conhece a sua história, nunca foi na sua casa e não conhece a sua realidade.
 
 
OUTROS CONCURSOS
Muitas pessoas ficam preocupadas em estudar para vários concursos, acabam perdendo o foco e não passando em nenhum deles. Eu vejo que facilita muito manter o foco em somente um concurso grande como o de AFRFB e deixar que os outros sejam consequência, caso se precise de um “concurso trampolim”.
 
Estudando apenas para AFRFB eu passei nos seguintes outros concursos:
- 8º Lugar - Analista Técnico-Administrativo do Ministério do Turismo (Brasília)
- 3º Lugar - Assistente Técnico-Administrativo do Ministério da Fazenda (Goiânia)
- 5º Lugar - Auditor Fiscal de Tributos Municipais (Goianésia)
- 12º Lugar - Auditor Fiscal de Tributos Municipais (Senador Canedo)
 
Fiz esses aí somente de teste e passei entre os primeiros colocados, sem mudar NADA do meu planejamento para AFRFB! Por isso eu penso que vale a pena focar no concurso de AFRFB e fazer outros para ir aprendendo a fazer prova e, eventualmente, tomar posse, se necessário, para ter condições financeiras para continuar os estudos.
 
Nunca me considerei um “concurseiro”. Vejo essa palavra, na verdade, com um tom um tanto quanto pejorativo que me remete àquelas pessoas que querem a todo custo um cargo público e para isso prestam qualquer concurso que é lançado. Desde o início eu me considerei um futuro Auditor Fiscal que, por acaso, precisava esperar o momento certo de fazer uma prova para alcançar o objetivo. Acredito que essa mentalidade fez toda a diferença para que eu conseguisse manter o foco, não ficar ansioso olhando para os lados (outros concursos) e não me deixar influenciar por pessimismos, pressões ou desestímulos alheios.
 
Comecei os estudos já com objetivo de ser AFRFB, como tinha dito. Quando encontrei as primeiras pedreiras que deveria escalar para alcançar o objetivo logo pensei: acho que eu estava ficando maluco, esse edital de AFRFB é totalmente fora da minha realidade, vou estudar para ATRFB. Depois de algum tempo eu tive uma reflexão importantíssima, pensei assim: no último concurso de ATRFB tiveram muitos excedentes, se eu estudar para esse cargo provavelmente no próximo concurso só haverá vagas para AFRFB, vou focar mesmo no edital de auditor e enfrentar o que for necessário.
 
Essa foi a decisão mais acertada de todas. Falo isso porque a minha previsão realmente aconteceu e também porque depois de algum tempo eu fui percebendo que o edital de ATRFB é muito limitado em alguns aspectos, ou seja, se você estuda somente ele, deixa de estudar muitas coisas importantes que sempre caem em outros concursos da área fiscal e o leque de possibilidades diminui.
 
No edital de ATRFB limita-se muito o estudo quanto a matérias importantes como Contabilidade e Direito Constitucional. Não se vê matérias recorrentes como Auditoria e Administração Pública também. Estou dizendo essas coisas para mostrar a importância do planejamento, não quero tirar ninguém do foco pessoal, na verdade acredito que a melhor coisa que uma pessoa pode ter é um foco bem definido, mas acredito que cada um deve ficar sempre muito atento para planejar conscientemente os estudos e olhar as coisas por várias perspectivas antes de tudo. Se eu não tivesse estudado Administração Pública por exemplo não teria passado nem perto de ser aprovado para Analista do Ministério do Turismo.
 
Em suma, tire um tempo para planejar, colocar as metas no papel e se organizar, sempre atento às oportunidades que a vida tem para te oferecer e ao longo da caminhada não se esqueça de verificar se o planejamento inicial continua válido ou precisa de alguma reformulação.
 
 
PALAVRAS FINAIS
 
Para terminar, eu gostaria de dizer que o importante mesmo, na minha opinião, é ENFIAR A CARA NOS LIVROS E ESTUDAR COMO SE NÃO HOUVESSE AMANHÃ! Estude muito mesmo, o máximo que conseguir. Resolva a maior quantidade de questões possíveis e vá em frente sempre! Procure conversar com outras pessoas que estão passando pela mesma situação e utilize as ferramentas de que dispõe a seu favor. Não existe uma fórmula mágica que seja universal e indique uma aprovação garantida. Quem estuda pra concurso público deve saber que mesmo o candidato mais preparado não tem garantia de absolutamente nada.
 
Dedico essa conquista à minha mãe, Coraci de Paula, que fez tudo para eu ser um homem vitorioso na vida. Ao amigo Leonardo Siqueira Gonçalves pelo apoio e a amizade sincera. Ao amigo Phillip Barbieux Sampaio por ter aberto importantes portas na minha vida. Ao Mestre que ensina que “tudo o homem pode, só depende de querer”.
 
Desejo a todos excelentes estudos, muito sucesso, garra e determinação. Nunca desista dos seus sonhos e esteja sempre disposto a pagar o preço necessário para alcançá-los com honestidade.
 
"Seja você quem for, seja qual for a posição social que você tenha na vida, a mais alta ou a mais baixa, tenha sempre como meta muita força, muita determinação e sempre faça tudo com muito amor e com muita fé em Deus, que um dia você chega lá. De alguma maneira você chega lá." – Ayrton Senna
 
Espero ter ajudado. Se ficar com alguma dúvida sobre os pontos de vista aqui expostos pode entrar em contato comigo pelo facebook ou email abaixo transcritos. Eventuais correções também são bem vindas.
 
www.facebook.com/leonardo.de.paula.lpx
 
leonardopx@gmail.com
 
Abraços!
Leonardo de Paula da Cunha
 
Deixe seu comentário:
Ocorreu um erro na requisição, tente executar a operação novamente.