Questões Inéditas do Tec foram plagiadas

Por: Thiago Signoretti

Fala, pessoal!

Este artigo servirá como “diário” para documentar o episódio lamentável pelo qual passamos semana passada. Basicamente, a empresa Coaching Concurseiros plagiou nossa base de questões inéditas e a fornecia para seus alunos do coaching ou para qualquer pessoa que adquirisse o produto.

No dia seguinte ao ocorrido, expliquei em um vídeo, publicado no Instagram e que pode ser visto abaixo, o que aconteceu.

Bom, vamos dar mais detalhes sobre o episódio.

1. Definições essenciais ao entendimento do caso

Antes de adentrar na forma que se deram os acontecimentos (a famigerada “historinha”) e demonstrar as provas obtidas é importante explicar dois conceitos fundamentais: o que são as questões inéditas e quem é a empresa que cometeu os atos lesivos contra o Tec.

1.1 Questões inéditas do Tec

O Tec, desde seu início em 2012, trabalhou com questões de provas reais de concursos, que são aquelas que de fato ocorreram em algum certame. Mas havia situações em que, trabalhando somente com este tipo de questão, não conseguíamos fornecer uma boa base para estudo. Exemplos:

  • Normas muito específicas: alguns temas só são cobrados em determinados cargos, cujos concursos não ocorrem regularmente. Exemplo: legislações tributárias estaduais e municipais, estatutos de servidores, regimentos de tribunais e por aí vai.
  • Normas recentemente sancionadas: como são novas, não deu tempo, ainda, de serem cobradas nas provas de concursos ou, se foram, isto ocorreu poucas vezes resultando em uma quantidade inexpressiva de questões, o que não é suficiente para treinar. Exemplo: pacote anticrime, Lei nº 14.133/2021 (nova lei de licitações) etc.

Para sanar isso, lançamos nosso produto de questões inéditas em julho de 2019, dentro de nosso plano mais caro, o plano avançado. As inéditas são questões elaboradas, tanto o enunciado quanto o comentário, por nossa própria equipe e se divide em três tipos:

  1. “inventadas”: questões feitas “do zero”, obra exclusiva do autor, procurando emular o estilo de determinada banca.
  2. “adaptadas”: questões que se baseiam em outras questões de provas já aplicadas, mas adaptadas para um novo contexto pelo autor.
  3. “literais”: questões que trabalham com a literalidade de alguma norma, sendo mais diretas.

Como pode-se perceber, são questões que exigem mais trabalho para a nossa equipe do que as questões “normais” que ocorrem em concursos e, por esta razão, possuem custo mais elevado para a gente. Justamente este “ouro” é que foi alvo de plágio.

1.2 Quem é Coaching Concurseiros?

O Coaching Concurseiros (CC), como o próprio nome diz, é uma empresa que presta serviço de coaching para pessoas que estudam para concursos. Consultando o seu site e suas redes sociais, nota-se que é uma instituição com certo nome no mercado, com alunos sendo aprovados em ótimos concursos. Eu mesmo conheço concurseiros sérios e de ponta que foram clientes dessa empresa por algum tempo. Não posso, em represália aos atos lesivos cometidos contra o Tec, mentir sobre a qualidade do serviço prestado por eles – não tenho conhecimento algum sobre como trabalham. Inclusive, tínhamos uma relação comercial respeitosa (pelo menos até descobrirmos a palhaçada), materializada em descontos em nossa assinatura para os alunos do Coaching Concurseiros.

Além do serviço de coaching, o CC ampliou seu leque de produtos, ofertando cursos, simulados e um sistema de questões inéditas (SQI) do qual só fui descobrir a existência com este episódio que estou descrevendo neste artigo. Em minhas apurações, descobri que os alunos do coaching tinham acesso grátis a este produto (estava embutido na mensalidade do coaching) e quem não era aluno, para ter acesso, deveria comprar separadamente os pacotes. Exemplos:

compra

Adicionalmente, há de ressaltar uma figura chave em todo esse imbróglio: a pessoa chamada LUIZ CLÁUDIO NOGAROTO que aparece em 100% dos casos como autor das questões plagiadas.

comentario

Trata-se do dono e fundador da empresa que é Auditor Fiscal da Receita Federal do Brasil (confira aqui).

Nogaroto

Obviamente, ele próprio pode não ter feito este trabalho, mas algum funcionário. Isso será apurado em processo judicial mas, creio, que seja indiferente para a lei. Mas chama a atenção que seja justamente o dono da empresa que conste em todas as questões plagiadas (e eram milhares), denotando-se algo serializado e estruturado, que, assim, não nos deixa tirar outra conclusão a não ser de que se tratava de algo rotineiro na empresa. Um fato que vai na direção desta linha de pensamento é que a empresa, assim que o caso vazou e ganhou maiores proporções, optou por retirar TODO O PRODUTO DO AR (até o momento da publicação deste artigo o produto ainda está inacessível) e não só o que estava com problemas. Ou seja, a coisa é tão grave e extensa que foi melhor remover tudo, prejudicando de maneira absurda seus clientes, do que se auditar as falhas descobertas.

Que fique claro que se fosse algo pontual, apesar de condenável, eu teria deixado de lado, pois processos judiciais são desgastantes. Mas, como explicado acima e detalhado abaixo, tratou-se de episódio grave contra nossos direitos e patrimônio.

Dadas estas essenciais informações podemos passar para a parte mais “divertida”: a história e as provas coletadas.

2. Domingo – dia de descansar

Eu sou um dos sócios da empresa e desenvolvi uma espécie de “vício” com trabalho desde que o Tec nasceu. É um esforço danado para eu “desligar”, são anos nesse ritmo frenético, sem descanso, numa mistura de necessidade, compulsão e prazer. Mas, como no estudo para concursos, há de se achar um mínimo de equilíbrio, pois, paradoxalmente, há horas que “trabalhar mais, faz você produzir menos”. Nesse sentido, resolvi tirar um dia na semana para não trabalhar (na verdade, trabalhar menos, rs!).

O dia escolhido foi o domingo. É um dia por natureza “morto” e que antecede o início útil da próxima semana. Pensei: descanso e relaxo todo domingo e aí inicio a segunda no 220v! Plano traçado, chegou o grande dia de executar. Só que aí bateu aquele “vazio”: o que eu vou fazer ao invés de mexer com o Tec?

Coincidentemente, nesta mesma semana, foi lançado o remake de um dos maiores clássicos de jogos de PC de todos os tempos: Diablo 2 Ressurected (D2R), um Action RPG lançado em 2000 que me traz grande nostalgia. Pronto, achei o “substituto do Tec” para domingos de tédio. Eu realmente amei esse jogo como poucas coisas na vida – na faculdade de computação eu fui referência no assunto entre meus colegas, sabia tudo décor, a ponto de que se caísse em provas eu gabaritaria, rs!

2. Você joga, eu te copio

Pois bem. Estava eu jogando tranquilamente meu D2R no domingão de noite (26/09/2021), numa tentativa, que logo após se mostrou completamente frustrada, de relaxar. A partir das 19:30h comecei a receber uma série de mensagens via Whatsapp dizendo que uma empresa havia plagiado nossas questões inéditas.

zap

Eu pensei: vou ignorar este fato, amanhã (segunda, 27/09/2021) eu vejo isso – o que vai mudar, não é mesmo? Bom, tentei por um instante e, em vão, continuei estripando demônios e mortos vivos virtualmente. Mas vocês sabem como as coisas se espalham rápido na internet e logo chegou ao meu conhecimento que uma outra empresa que mexe com questões de concursos, chamada Predador, também havia sido vítima de plágio. Um de seus sócios, Marcelo Barros, não titubeou: já soltou um monte de stories no Instagram jogando “a merda no ventilador”.

Marcelo Barros

Isto ligou meu modo “compulsivo”, pois a coisa parecia de fato grave: iniciei freneticamente uma pesquisa a fim de conseguir um login e senha emprestados de uma pessoa que tinha a assinatura do Sistema de Questões Inéditas do Coaching Concurseiros. Com tal conta, comecei a fuçar na plataforma já na madrugada com um mínimo de direcionamento: as denúncias versavam sobre questões inéditas do concurso do ISS Aracaju. Já na primeira questão que eu acessei, constatei a cópia descarada de nosso trabalho e tive que compartilhar com uma das pessoas que havia me comunicado do plágio:

zap 2

Prossegui em minha investigação inicial e constatei que as denúncias eram verdadeiras: toda a nossa base, enunciados, gabaritos e comentários, estavam ali, na minha frente, num sistema concorrente, com uma outra pessoa se passando por autor. Printei algumas coisas e fiz o vídeo abaixo:

Cansado e neste clima “tranquilo” fui dormir, já com a meta de acordar e, no dia seguinte, continuar a análise da base do CC. Afinal, onde há fumaça, há fogo.

4. Correndo contra o tempo

Sabendo que as denúncias eram verdadeiras, resolvi “profissionalizar” a coleta de provas. Criei uma conta e assinei, em 27/09/2021 (segunda) vários dos produtos do SQI do Coaching Concurseiros. Ironicamente, deve ter sido a última venda deles (explico mais adiante).

Compra

Liberado meu acesso, o que ocorreu às 12:14 hs, parei tudo que estava fazendo da rotina do Tec e voltei a mexer no sistema para constatar a extensão do plágio que havíamos sofrido. Era muita coisa a coletar e desenvolver LER/DORT de tanto dar PRINT e CTRL V no Word era uma possibilidade real, rs! Mas tudo bem, já tinha o produto e faria tudo com calma, delegando o trabalho a algum funcionário aqui do Tec. Ledo engano!

Às 13:45 recebo um e-mail do Coaching Concurseiros informando que minha compra havia sido cancelada, em virtude de eles não comercializarem mais o serviço:

Email

Faço a seguinte pergunta retórica: é ou não uma confissão de culpa? A empresa Coaching Concurseiros, pega no flagra e com as proporções que o caso tomou, resolve tirar, sumariamente e em sua totalidade, o produto do ar. Vejam o que ocorre quando se tenta acessar o produto:

SQI

Até o momento do cancelamento do meu acesso e retirada do produto do ar eu havia coletado provas do plágio que até são suficientes para comprovar a conduta do Coaching Concurseiros (117 questões do ISS Aracaju e uma questão do ICMS AL), mas que não davam para ter a real noção do que foi copiado. E como o “seguro morreu de velho” eu queria mais elementos para o certo processo judicial que está por vir.

Vocês devem ter pensado: mas, Thiago, eles removeram o produto do ar e isso tirou qualquer chance de você ou alguém do Tec ter continuado o trabalho de montagem das provas. É, meus amigos, porém eu estava logado lá no servidor deles e não derrubaram minha sessão. O sistema saiu do ar só para quem precisava se autenticar, mas eu já estava lá dentro. A única preocupação minha era não ficar inativo, pois geralmente os servidores encerram as sessões com alguns minutos de inatividade. E caso eu perdesse esta sessão não conseguiria mais logar na plataforma. Isto eliminou qualquer hipótese de eu poder delegar o trabalho para algum funcionário: havia somente uma máquina, a minha, que conseguiria acessar o sistema.

Resumidamente a situação era a seguinte: eu mesmo teria que coletar as provas, sem parar, e tocando, em paralelo minha rotina intensa do Tec. Consegui isso até as 18 horas do mesmo dia quando, finalmente, minha sessão no servidor expirou.

5. O que foi coletado de provas?

Devido ao contexto de urgência citado acima comecei a coletar provas de uma maneira mais desorganizada. Até o CC retirar o produto do ar, eu estava seguindo o seguinte procedimento:

– Acessava a questão no sistema do CC.

– Printava o enunciado e o comentário e colava em um arquivo Word.

– Copiava e colava trecho do enunciado desta mesma questão no buscador do Tec.

– Encontrada a questão plagiada eu coletava a sua URL única e repetia os passos acima na próxima questão.

Exemplo deste procedimento AQUI.

Após a retirada do produto do ar e, também, percebendo que levaria muitos dias para conseguir printar tudo e achar a respectiva questão alvo de plágio no Tec, optei por só colar no arquivo Word o enunciado e os prints do SQ do Coaching Concurseiros, ficando para um próximo passo a organização disso com a linkagem das questões de nossa base.

Exemplo deste procedimento AQUI.

Mesmo simplificando as coisas, vi que não era um procedimento sustentável. Eu poderia perder o acesso a qualquer momento e mesmo que me mantivesse ativo, fatalmente, uma hora eu teria que parar, pois sou um ser humano e tenho minhas limitações físicas, rs! Com isso em mente, optei por usar um software que captura a tela de meu computador. E, assim, fui filmando meu acesso no sistema. Apesar de uma prova com menos organização, ela é “mais legítima”, pois não terá como ser alegada uma hipotética edição das imagens (mas nunca se sabe a cara de pau das pessoas, não é mesmo?). São vídeos muito extensos e, por esta razão, não os colocarei nesse artigo.

Ainda deu tempo de eu fazer, para alguns casos bem ilustrativos do nível do plágio cometido, vídeos comparando lado a lado os dois sistemas. E aqui vou compartilhar alguns com vocês.

#719 SQI = #1227437 Tec

#723 SQI = #1227457 Tec

#727 SQI = #1227458 Tec

Por fim, forneci a um dos sócios do Predador provas do plágio de suas questões. Enquanto coletava as nossas provas, pude pegar alguns casos (70 questões). Eles não tiveram a chance de acessar o sistema, pois quando resolveram assinar o Coaching Concurseiros já tinha retirado o sistema do ar.

6. Rastros inconfundíveis

Bom, apesar de os documentos e vídeos acima falarem por si só, faço questão de salientar alguns casos extremamente característicos que denotam o nível de desleixo e falta de responsabilidade da empresa acusada quando se apropriou ilegalmente de nosso trabalho.

6.1. Referências a nossa base, no caso de questões adaptadas, foram mantidas.

Link do tec

6.2 Manteve o nome do professor plagiado.

Exemplo da questão https://www.tecconcursos.com.br/questoes/1050024):

professor

6.3 Copiaram até bugs de nosso editor.

Em algumas questões o enunciado e/ou comentário no Tec vem com uma linha tracejada vermelha indevida (ainda não sabemos a causa, mas é alguma espécie de “lixo” no código HTML colado em nosso editor). Vejam esta questão (não vamos corrigir para justamente ficar registrado): #1349529

Linha tracejada vermelha

7. Qual a extensão do plagio e quando ele começou?

Consegui verificar, devido ao tempo curto de acesso, que questões inéditas, incluindo enunciado e resolução comentada, de dois concursos foram plagiadas. São eles:

  • ISS Aracaju: neste caso, consegui passar por tudo. Todas as 760 questões do Tec foram plagiadas sendo 60 questões inéditas múltipla escolha (inventadas e adaptadas) e 700 questões literais certo/errado.
  • SEFAZ AL: consegui ver somente a primeira questão (#1050024)e já era plágio e, olhando o caso acima, dá para supor que todas as 477 questões do Tec foram copiadas.

Além disso, havia outros produtos, os quais não tive chance de acessar, que, potencialmente, também foram objeto de plágio como questões inéditas para Polícia Federal, TCE RJ, SEFAZ CE, SEFAZ DF, SEFAZ ES etc. Mas isso só poderá ser verificado em perícia na base de dados do sistema do Coaching Concurseiros.

Uma outra pergunta que ficamos sem resposta, devido ao sistema ter sido tirado do ar, é a seguinte: quando se iniciou o plágio? As questões que conseguimos acessar tinham como data de comentário o dia 01/09/2021, mas há fortes indícios de que a conduta começou anteriormente. Similar à situação do parágrafo anterior, somente uma perícia poderá apontar de maneira segura a data para que saibamos desde quando comercializavam nossas questões de maneira ilegal.

8. Plagiei 3 empresas. Posso pedir música no Fantástico?

Scooby

Além do Tec e o Predador, descobrimos, posteriormente, que o Estratégia Concursos também teve suas obras plagiadas. Em contato com um dos diretores da empresa, foi informado que eles já haviam detectado o problema e estavam há uma semana coletando provas. Imaginem o chumbo que vai vir, rs!

9. Conclusão

Chego ao fim desse cansativo e longo artigo. Apesar do tom mais jocoso e informal usado aqui, o assunto é muito sério. Já estamos em tratativas com nosso advogado para cobramos, na via judicial, a reparação dos danos causados.

Thiago Signoretti

Bacharel em Ciências da Computação pela Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI). Exerceu as atividades de consultor de TI na empresa PriceWaterhouseCoopers (2005 a 2007) e Técnico Federal de Controle Externo no Tribunal de Contas da União (2008 a 2019). É sócio-fundador do Tec Concursos e, atualmente, trabalha exclusivamente na gestão da empresa.