Programação de Computadores é para todos

Por: Heitor Pasti

Hoje, começo a escrever aqui alguns artigos sobre um tema que tem cada vez mais se tornado comum: Programação de Computadores.

Há muitos anos essa habilidade era restrita a pouquíssimas pessoas – vide Bill Gates e companhia ltda na criação do Windows, a criação do Macintosh produzido pela Apple, a IBM com seus engenheiros, dentre outros, porém hoje começou a aparecer até mesmo em concursos públicos que não são específicos de TI.

Lembro-me em 2018 no concurso para a PF, especialmente para os cargos de Agente e Escrivão, apareceu algo inesperado: Banco de Dados e Python. A maioria dos concurseiros se desesperaram, mas depois viram que não era bicho de sete cabeças.

O objetivo dessa sequência de artigos é apresentar ao mundo comum a maravilha dos algoritmos para nos familiarizar e também, acreditem, melhorar a capacidade de raciocínio do candidato.

Vamos começar então definindo o que é um algoritmo. Antes ainda de definir o que são algoritmos preciso informar-te que haverá exemplos de códigos nos artigos, por isso em um primeiro momento vamos trazer os exemplos utilizando o nosso bom e velho Português.

Existe uma linguagem de programação, que é quem utilizamos para criar as aplicações, chamada PORTUGOL e nossos exemplos serão descritos nessa linguagem.

Em seguida, quando estivermos mais familiarizados com as lógicas da programação vamos migrar para Python, pois foi a linguagem que caiu em concurso não específico de TI, na PF por exemplo, e mais a frente vamos convertendo para as linguagens mais comuns, aí seremos mais específicos em TI. Teremos exemplo em Java, C++, C, C# e por aí vai.

Sem mais delongas vamos começar com a definição de algoritmo.

Algoritmo nada mais é que uma sequência finita de passos, que quando executado em tempo finito, irá resolver um problema computacional.

Dessa definição concluímos que um algoritmo tem início, meio e fim. Poderíamos romantizar essa definição e enfeitar o pavão, mas vamos simplificar a bagaceira toda. No dia a dia, o tempo inteiro, estamos executando algoritmos.

Quando você vai tomar um banho, qual a sequência de passos que executos:
1) Vamos ao banheiro;
2) Trancamos a porta;
3) Tiramos a roupa;
4) Ligamos o chuveiro;
5) Nos molhamos;
6)…
7) Nos secamos;
8) Saímos do banheiro;

Poderia detalhar mais e mais, mas geralmente o banho começa quando entramos no banheiro e encerra-se quando saímos do banheiro.

Quando o assunto é criar programas de computador a lógica é a mesma. Precisamos partir de um ponto A e seguir até um ponto B.

Vamos a um exemplo simples.

Vamos calcular a média aritmética entre dois números inteiros quaisquer.

inicio
inteiro: A, B;
real: media;
A ← 20;
B ← 10;
media ← (A + B) / 2;
fim

No exemplo teremos como resultado final o valor de 15. Para obtermos esses valores usamos um negócio chamado de variável. E o que são variáveis, Heitor?

Pensa comigo o seguinte. Em seu computador existe um negócio chamado de memória e essa memória possui vários endereços.

Uma variável nada mais é que separar um espaço na memória para um valor.

Pense em variável mais ou menos assim: Existe um condomínio com vários apartamentos, alguns vazios outros não. Você quer comprar um apartamento nesse condomínio e procura o responsável e diz o seguinte: Seu Creissom, quero comprar o apartamento 310 que está no bloco A, no 3º andar.

O que você fez? Você reservou um espaço para você poder entrar no futuro. As variáveis são a mesma coisa. Ao declará-las você diz ao computador: Computador, estou reservando esse espaço, pois em breve algum valor irá entrar.

Pronto, agora o espaço está reservado e os valores poderão entrar nele. Agora volte ao exemplo acima e observe que temos as variáveis A, B e média. As duas primeiras são do tipo inteiro e a última é do tipo real.

E o que isso significa?

Significa que esse artigo termina aqui e no próximo vamos entender melhor esses conceitos.

Por hoje é isso, espero que tenha gostado. Nos vemos no próximo artigo para falar sobre variáveis.

Forte abraço.

Heitor Pasti

Graduado em Análise e Desenvolvimento de Sistemas pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Espírito Santo - IFES (2016). Professor, desde 2017, de várias disciplinas, dentre as quais Algoritmo e Lógica de Programação, Linguagem de Programação e POO, do curso técnico em informática integrado ao ensino médio pelo governo do Espírito Santo e também coordenador do mesmo curso.