Os 10 maiores erros dos concurseiros (Parte II)

Por: Homerzinho

Os 10 maiores erros dos concurseiros – Segunda parte

 

 

#7- Ignorar Mat/RL/Estat

     Muitos candidatos ignoram essas matérias de exatas. Alguns por acharem que as matérias são muito complicadas e que, portanto, não valem o custo-benefício. Outros, por acharem que na hora conseguem resolver uma coisa ou outra e garantir os mínimos.

     No primeiro caso, os candidatos não deixam de ter razão. As matérias são realmente complicadas. E, por isso mesmo, não podem ser ignoradas. Se o estudante adota essa estratégia e o edital vem com mínimos nessas três, muito dificilmente conseguirá aprendê-las em pouco tempo.  Para chegar a um nível razoável em dois meses (tempo aproximado entre edital e prova), vai ser preciso gastar muito tempo. Dessa forma, o tempo pra cobrir as novidades do edital fica reduzido, dificultando um bom desempenho.

     O segundo caso geralmente acontece com quem já tem formação em exatas. O estudante acha que por ter lidado a vida inteira com exatas, vai passar fácil por qualquer prova que o examinador invente. De fato, o aluno formado em exatas terá mais facilidade com o conteúdo dessa matéria. Entretanto, de forma alguma enfrentará as provas facilmente. Há muitas fórmulas, bizus e exercícios "clássicos" para serem decorados. Sem essas "manhas", é muito provável que o candidato não consiga terminar a prova a tempo.

     Além do que já foi dito, essas matérias melhoram o seu raciocínio analítico e acabam facilitando até mesmo em outras matérias (economia e contabilidade são bons exemplos). Como diz a Ana (Primeira colocada do último ISS-SP), keep sponging® . Se você aumentar sua "rede" de conhecimento com matérias que melhoram sua capacidade de raciocínio, com certeza verá o benefício em várias outras áreas.

     Enfim, não deixem essas matérias de lado. Caso contrário, acontecerá como no AFRF 2009. Nessa prova, a matéria que mais eliminou candidatos foi justamente RL/MF/Estat.



#6- Não administrar o tempo quando resolve questões

   Muitas pessoas, ao resolver questões em casa, não se atentam ao tempo que demoram nas resoluções. Isso é "fatal" em provas de algumas bancas.

     A FCC, por exemplo, costuma pegar muito essa parte. A P1 do ICMS-09 e também a P1 do ISS-12 exploraram essa "habilidade" do candidato.

    Dessa forma, SEMPRE cronometre a resolução de exercícios. Estabeleça um tempo máximo por questão.

    O ideal é que esse tempo máximo seja escolhido por matéria. Em exercícios de estatística, por exemplo, o tempo gasto será muito maior do que o com exercícios de Direito Tributário.

     No caso das matérias humanas, em geral, ou você sabe a resposta da pergunta ou não sabe. Não há como "espremer" o cérebro pra lembrar a resposta. Já no caso de exatas, pode demorar um certo tempo até você perceber que não sabe a resposta. E ainda dá pra tentar outros caminhos.

     De qualquer jeito, o importante é saber quanto tempo você leva por questão. Se sua prova tem 4h e 100 questões, vale muito mais uma média de acertos de 75% e 2 minutos por questão do que uma média de 90% e 4 minutos por questão. Fique sempre de olho nesse "trade-off" entre tempo gasto na questão e porcentagem de acerto.



#5- Não revisar a matéria

     A maioria das matérias de concurso não são extremamente complicadas. Fora uma ou outra exceção, tudo é relativamente fácil de entender.

     Dessa forma, o que realmente "pega" é reter as informações. Muitas vezes, temos que saber mais de 20 matérias. E mesmo que, individualmente, elas sejam fáceis, em conjunto elas se tornam difíceis.

    Tendo isso em mente, fica claro que o aluno tem que revisar. Não adianta ler o livro uma vez e entender, achando que já sabe tudo. Reserve na sua agenda de estudos dias para revisão. O ideal é ir espaçando mais e mais as revisões. Fazemos a primeira depois de alguns dias, a segunda depois de algumas semanas, a terceira em alguns meses e assim por diante.

     Nos próximos artigos, vou falar sobre uma ferramenta (Anki) que, em minha opinião, ajuda muito a "marcar" as revisões sem perder muito tempo.



#4- Muitos materiais diferentes

     O Gustavo Barchet falou muito bem sobre o assunto em um material dele. As palavras dele foram algo como:

     Você vai ter UM livro. Não será o melhor nem o mais completo. Vai ser o que for mais fácil pra você se adaptar.

     Claro que o livro deve ser um reconhecido e minimamente adequado para concursos*. O ponto aqui, porém, é que você NÃO DEVE se perder em vários materiais. Escolha um livro ou um bom PDF e siga com ele até o fim.

     Após ler o material e revisá-lo algumas vezes, você vai partir para os exercícios. Daí em diante, você vai fazer exercícios EM MASSA e revisar poucas vezes o livro-texto. Caso algum exercício não tenha a resposta dentro do seu material, procure a matéria na internet. Depois de achar algum artigo ou material explicando a resposta, faça uma pequena anotação e anexe ao seu material principal.

     Dessa forma, nas próximas revisões, poderá rever essa parte que "faltou" no livro.

 

 

     *Caso queira saber mais como escolher livros, fiz alguns comentários sobre isso no texto que escrevi (https://docs.google.com/open?id=0B4ZG-GO4X0fBQ1E1UXg5T01NQ28).

Homerzinho

Raciocínio Lógico, Estatística, Matemática Financeira. Engenheiro Elétrico com habilitação em Sistemas Eletrônicos formado pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. Segundo colocado no concurso para Auditor Fiscal Tributário do Município de São Paulo 2012. Antes de entrar no serviço público, minha experiência no mercado privado foi curta. Apenas estagiei durante cerca de oito meses na Microsoft Brasil.