É possível estudar todo o conteúdo do edital?

Por: Agência Mestre

Vamos supor que saiu um ótimo edital e faltam 3 meses para a realização da prova. Ao olhar o conteúdo programático de tal edital, você nota que precisa estudar Português, Legislação Específica, Direito Constitucional, Direito Administrativo e Psicologia. E cada um desses tópicos tem um parágrafo gigante de assuntos para estudar. É provável que você tenha a sensação de que é impossível estudar tanta coisa em tão pouco tempo.

De fato, em três meses, é quase impossível estudar tanta coisa, ter um bom aprendizado e reter adequadamente o conteúdo para conseguir um bom desempenho na prova. Contudo, isso não implica que a sorte será determinante nesse processo seletivo – a classificação não refletirá apenas quem, coincidentemente, conseguiu chutar melhor e/ou foi beneficiado com questões daqueles assuntos que dominava mais.

Acontece que, apesar de ser quase impossível absorver tanto conteúdo, haverá candidato(a) que chegará na prova com quase todo o conteúdo do edital muito bem estudado. Essas pessoas que estão bem preparadas não são casos de genialidade ou superdotação, mas, sim, de boa administração do tempo e qualidade de estudo.

Vamos retomar o exemplo supracitado. Se o edital saiu em outubro, o estudante com mais tempo de estudo pode ter começado a preparação em julho, quando a banca foi contratada ou até em outubro do ano anterior, quando o concurso foi autorizado. No último caso, quando o edital saiu, ele já poderia ter 1 ano de estudos. Se distribuirmos o conteúdo programático do edital ao longo de um cronograma com 1 ano de duração, é possível que a gente consiga abarcar todo o conteúdo sem desespero e, inclusive, com espaço para períodos de descanso.

Essas informações sobre autorização e contratação da banca são públicas (saem no Diário Oficial) e geralmente são divulgadas em sites de preparação para concursos.

Se desejar conferir um exemplo real do processo de autorização/contratação de banca/publicação do edital, cito o caso do concurso da Câmara Legislativa do DF (CLDF). O concurso foi autorizado em julho de 2016, a contratação da banca foi divulgada em julho de 2017 e o edital saiu em agosto de 2017. Esse concurso passou por algumas suspensões (que é algo que pode ocorrer e causa angústia em muitos estudantes) e a prova só foi efetivamente realizada em setembro de 2018. Tempo de sobra para estudar e revisar todo o conteúdo diversas vezes.

Portanto, esse é um dos motivos que alguns estudantes fazem provas de concursos muito bem preparados, com um aprendizado significativo de todos aqueles assuntos. Com apenas 3 meses de preparação, seria um volume muito grande de informações, pouco aprendizado e baixa retenção. Mas, com um tempo maior, aumentam-se as possibilidades de conseguir uma boa preparação.

O que precisa ficar claro é que você não precisa esperar sair o edital para saber o que estudar. Existem conteúdos que caem em praticamente todos os concursos e também existem critérios para selecionar os assuntos com maior probabilidade de cair na prova.

Acompanhe os textos que serão publicados nesta plataforma, pois vamos seguir refletindo sobre concursos em Psicologia e pensando em mais ferramentas para uma boa preparação. Contudo, gostaria de saber a sua opinião. Você pode comentar aqui abaixo ou na página do Facebook “Concursos e Residências em Psicologia” (https://www.facebook.com/PsicoResidenciasConcursos/), que eu convido você a acompanhar.

Abraços!

Lucas Magalhães Cruz,
Psicólogo da Assembleia Legislativa de Sergipe
Professor do TEC Concursos