Curva ABC (Administração de Recursos Materiais)

Por: Ricardo Reis

Olá, Concursando!!!

Para quem não me conhece:

Meu nome é Ricardo Reis, sou Analista do Seguro Social desde 2014, e professor de Administração de Recursos Materiais do TEC – A melhor e mais completa plataforma de estudos do Brasil.

Hoje comentarei sobre a curva ABC, este método é um dos assuntos mais cobrados em provas de Administração de Recursos Materiais.

A classificação (curva) ABC, ou princípio (curva) de Pareto ou ainda curva 80-20, é um método muito utilizado para classificar os itens de material em estoque de acordo com sua importância, geralmente financeira.

Invoco o mestre Lélis para conceituar a curva ABC:

“A curva ABC é uma das formas mais comum de controlar e analisar estoques. Essa análise consiste em verificar, dentro de um determinado espaço de tempo, em valor monetário ou quantidade, os itens em estoque, classificando-os em ordem de importância. Os itens mais importantes são classificados como A, os intermediários como B e os menos importantes como C.”

O nome Pareto vem de uma homenagem ao economista italiano Vilfredo Pareto que, em seu estudo, observou que 80% da riqueza da Itália estavam nas mãos de 20% da população.

Assim, o Princípio de Pareto significa que 80% dos problemas são ocasionados por 20% das causas, ou seja, são poucas causas que originam a maioria dos problemas. Para construí-lo, é utilizado o gráfico que coloca em ordem os problemas e suas frequências do maior para o menor, a fim de dar prioridade àquele que deverá ser resolvido com maior urgência.

Voltando para a temática de gestão de estoques, temos a brilhante definição de Gonçalves para o principal objetivo da Curva ABC:

“O principal objetivo da análise ABC é identificar os itens de maior valor de demanda e sobre eles exercer uma gestão mais refinada, especialmente por representarem altos valores de investimentos e, muitas vezes, com impactos estratégicos para a sobrevivência da organização.”

Os itens em estoque, de acordo com seu valor de demanda, são classificados em três classes:

Classe A: itens de maior valor de demanda, em determinado período.

Classe B: itens de valor de demanda intermediário.

Classe C: itens de menor valor de demanda.

fonte: Fenili.

Atenção!

Os percentuais não são fixos (e sim aproximados)

Com isso, inferimos que os itens de estoque são classificados num rol decrescente de grandeza ($).

Diante das informações, podemos representar o gráfico da curva ABC conforme figura abaixo:

Fonte: adaptado Profª Elisabete Moreira

Veja como esse assunto já foi cobrado nas diversas bancas de concursos:

FCC (clique aqui).

FUNDATEC (clique aqui).

FGV (clique aqui).

CESPE (clique aqui).

INAZ do Pará (clique aqui).

Por hoje, era isso que gostaria de passar.

Bons Estudos.

Juntos até a nomeação,

Grande abraço,

Prof. Ricardo Reis

Para dicas e questões diárias:

Referência Bibliográfica:

  • FENILI, Renato. Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais para Concursos: Abordagem Completa – Série Teoria e Questões. 2ª  Edição – 2014. Editora Método.
  • GONÇALVES, P. S. Administração de Materiais, 3ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2007
  • LÉLIS, Eliacy Cavalcanti. Administração de materiais. São Paulo: Pearson, 2016.

Ricardo Reis

Analista do Seguro Social - INSS (2º colocado Região Sul/ 2013-2014), formado em Administração de Empresas pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo ( PUC-SP) e bacharelando em Direito pela UNOPAR (3º ano). Aprovado e classificado em diversos concursos, tais como MPOG 2015 - Administrador ( 3º colocado nacional), CPRM ( Companhia de Pesquisas de Recursos Minerais) 2013 - Analista de Geociência, Hemobrás 2013 - Analista de Gestão Corporativa, PECFAZ 2013 - Analista Técnico-Administrativo, Compagás 2016 - Analista Organizacional ( 1º colocado). Atualmente lotado na Seção de Recursos Humanos da Gerência Executiva do INSS em Ponta Grossa/PR e também exercendo a função de Pregoeiro.