Artigos dos Professores

Administração de Recursos Materiais para MPU

por Adriel Sá em 15/05/2013 (link para este artigo)
Olá, pessoal!

Segue nosso último artigo de preparação para a prova do MPU (Administração de Materiais). Espero que os "posts" tenham sido de bom proveito e auxílio na preparação.

Fiquem com Deus e que Ele recompense a cada um de vocês!

Abraços,

Adriel

Operações de Almoxarifado

 

  1. 2007 - ANVISA - Técnico Administrativo

    A realização de inventário físico é a atividade em que se calcula o valor dos bens existentes no registro, descontado-se a depreciação acumulada.

Item errado.

Renato Ribeiro Fenili leciona o conceito de inventário físico: é o procedimento de levantamento físico e contagens dos itens de material em uma organização.

Já a depreciação é a redução do valor dos bens pelo desgaste (deterioração) ou perda de utilidade por uso, ação da natureza ou obsolescência.

  1. 2012 - ANATEL - Técnico Administrativo

    O efetivo recebimento e aceitação do produto no almoxarifado depende da verificação do produto frente ao pedido de compra ou conhecimento de carga, da conferência de sua integridade física, da verificação de quantidades e da inspeção da mercadoria.

Item certo.

Segundo Renato Ribeiro Fenili, o recebimento do item de material é a etapa intermediária entre a compra e o pagamento ao fornecedor. Somente após o recebimento (etapa que, nos órgãos públicos, refere-se à etapa de liquidação da despesa), é que o pagamento é autorizado.

Desta forma, a atividade de recebimento mantém estreito relacionamento com as áreas contábeis e de compras da organização, além de contar, por vezes, com a necessidade do suporte provido pelo setor de transportes.

O recebimento é usualmente dividido nas seguintes etapas:

Recebimento Provisório:

Entrada de materiais - recepção dos veículos transportadores; verificação de dados básicos da entrega (informações da nota fiscal, existência de autorização da entrega pela empresa, etc.); encaminhamento para a área de descarga. Nesta etapa, o “recebedor” assina no documento fiscal que acompanha o material, apenas para fins de comprovação da data de entrega.

Etapas intermediárias:

Conferência Quantitativa: verificação se a quantidade declarada pelo fornecedor na nota fiscal corresponde àquela efetivamente entregue.

Conferência Qualitativa: verificação se as especificações técnicas do objeto entregue estão de acordo com as solicitadas pelo setor de compras (dimensões, marcas, modelos etc.).

Regularização:

É o resultado lógico decorrente das fases anteriores. Pode ser originada uma das seguintes situações:

- Entrada do material no estoque e liberação do pagamento ao fornecedor: neste caso, houve aceitação do material, ou o recebimento definitivo;

- Devolução parcial ou total do material ao fornecedor: neste caso, a aceitação foi parcial ou, simplesmente, o material não foi aceito;

- Reclamação junto ao fornecedor, por falta de material.

  1. 2012 - TRE-RJ - Técnico Judiciário - Área Administrativa

    Aceitação designa o ato de entrega do material encomendado por determinado órgão público em local previamente acordado com o fornecedor.

Item errado.

Conforme Instrução Normativa nº 205/1988 – SEDAP (SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA)

3. Recebimento é o ato pelo qual o material encomendado é entregue ao órgão público no local previamente designado, não implicando em aceitação. Transfere apenas a responsabilidade pela guarda e conservação do material, do fornecedor ao órgão recebedor. Ocorrerá nos almoxarifados, salvo quando o mesmo não possa ou não deva ali ser estocado ou recebido, caso em que a entrega se fará nos locais designados. Qualquer que seja o local de recebimento, o registro de entrada do material será sempre no Almoxarifado.

(…)

  1. Aceitação é a operação segundo a qual se declara, na documentação fiscal, que o material recebido satisfaz às especificações contratadas.

Portanto, o item trouxe o conceito de recebimento, não de aceitação.

  1. 2012 - TRE-RJ - Técnico Judiciário - Área Administrativa

    Os materiais processados ao longo das diversas seções que compõem o processo produtivo da empresa são denominados matérias-primas.

Item errado.

Vendrame (2008) classifica os estoques da seguinte forma:

a) estoques de matérias-primas (MPs): constituem os insumos e materiais básicos que ingressam no processo produtivo da empresa. São os itens iniciais para a produção dos produtos/serviços da empresa.

b) estoques de materiais em processamento ou em vias: também denominados materiais em vias, são constituídos de matérias que estão sendo processados ao longo de diversas seções que compõem o processo produtivo da empresa. Não estão nem no almoxarifado, por não serem mais MPs iniciais, nem no depósito, por ainda não serem Pas (produtos acabados ). Mais adiante serão transformados em Pas.

c) estoques de materiais semi-acabados: referem-se aos materiais parcialmente acabados, cujo processamento está em algum estágio intermediário de acabamento e que se encontram também ao longo das diversas seções que compõem o processo produtivo. Diferem dos materiais em processamento pelo seu estagio mais avançado, pois se encontram quase acabados, faltando apenas mais algumas etapas do processo produtivo para se transformarem em materiais acabados ou em Pas.

d) estoques de materiais acabados ou componentes: referem-se a peças isoladas ou componentes já acabados e prontos para serem anexados ao produto. São, na realidade, partes prontas ou montadas que, quando juntadas, constituirão o PA.

e) estoque de produtos acabados (Pas): referem aos produtos já prontos e acabados, para vendas, cujo processamento foi completado inteiramente e definitivo. Constitui o estagio final do processo produtivo e já passaram por todas as fases, como MP, materiais em processamentos, materiais semiacabados, materiais acabados, e Pas.

Portanto, os materiais processados ao longo das diversas seções que compõem o processo produtivo da empresa são denominados materiais em processamento ou em vias.

  1. 2010 - ABIN - AGENTE TÉCNICO DE INTELIGÊNCIA - ÁREA DE ADMINISTRAÇÃO

    A paletização impede a utilização do espaço aéreo do almoxarifado.

Item errado.

Segundo Renato Fenili, Paletes são estrados que possibilitam o empilhamento das cargas, maximizando a utilização do espaço cúbico do almoxarifado. Podem ser de madeira, metal, papelão ou plástico.

A paletização (possibilidade de empilhamento dos paletes e de manipulação de uma carga unitizada) possibilita o aproveitamento eficiente do espaço vertical dos armazéns.

  1. 2010 - ABIN - AGENTE TÉCNICO DE INTELIGÊNCIA - ÁREA DE ADMINISTRAÇÃO

    Considere a seguinte situação hipotética.

Em um hospital, o médico de plantão, em 13/10/2010 prescreveu o medicamento A para determinado paciente. Em 14/10/2010, um segundo médico prescreveu, para o mesmo paciente, embora não tenha havido qualquer alteração em seu quadro clínico, o medicamento B, que apresenta a mesma indicação e o mesmo efeito do medicamento A.

Nessa situação hipotética, do ponto de vista exclusivo da gestão de materiais, a adoção de apenas um dos medicamentos pelo hospital facilitaria sua normalização.

Item certo.

Segundo Renato Fenili, as etapas (ou princípios) que regem a classificação de materiais são os seguintes:

- Catalogação: arrolamento de todos os itens de material existentes em estoque, permitindo uma ideia geral do conjunto;

- Simplificação: redução da diversidade de itens de material em estoque que se destinam a um mesmo fim. Caso existam dois itens de material que são empregados para a mesma finalidade, com o mesmo resultado – indiferentemente, opta-se pela inclusão no catálogo de materiais de apenas um deles. A simplificação é uma etapa que antecede a padronização;

- Identificação (Especificação): descrição minuciosa do material, possibilitando sua individualização em uma linguagem familiar ao mercado;

- Normalização: estabelecimento de normas técnicas para os itens de material em si, ou para seu emprego com segurança. Pode-se dizer, da mesma forma, que a normalização de itens de material é necessária para a consecução da padronização em sua completude. A entidade oficial de normalização no Brasil é a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT);

- Padronização: uniformização do emprego e do tipo do material. Facilita o diálogo com o mercado, facilita o controle, permite a intercambialidade de sobressalentes ou demais materiais de consumo (peças, cartuchos de impressoras padronizadas, bobinas de fax etc.);

- Codificação: atribuição de uma série de números e/ou letras a cada item de material, de forma que essa informação, compilada em um único código, represente as características do item. Cada item terá, assim, um único código.

O item trouxe o conceito de simplificação, sendo que essa facilita a normalização. Observe o que dispõe Chiavenato: “Simplificação: significa a redução da grande diversidade de itens empregados para uma mesma finalidade. Quando existem duas ou mais peças para um mesmo fim, recomenda-se a simplificação: a escolha pelo uso de apenas uma delas. A simplificação favorece a normalização”.

  1. 2010 - ABIN - AGENTE TÉCNICO DE INTELIGÊNCIA - ÁREA DE ADMINISTRAÇÃO

    Considere que, no estoque de uma oficina mecânica, haja vários parafusos de diferentes tipos. Nessa situação, no controle de estoque, todos os parafusos devem ser considerados um mesmo item de consumo, atribuindo-se a esse item uma única codificação.

Item errado.

Segundo leciona Renato Fenili, a cofificação é a atribuição de uma série de números e/ou letras a cada item de material, de forma que essa informação, compilada em um único código, represente as características do item. Cada item terá, assim, um único código.

  1. 2010 - MPU - Técnico Administrativo

    No que se refere à armazenagem de recursos materiais, o uso de prateleiras é adequado à estocagem de materiais de dimensões variadas.

Item certo.

As principais técnicas de estocagem são:

a) Carga unitária: dá-se o nome de carga unitária à carga constituída de embalagens de transporte que arranjam ou acondicionam uma certa quantidade de material para possibilitar o seu manuseio, transporte e armazenamento como se fosse uma unidade. A formação de carga unitária se dá através de pallets. Pallet é um estrado de madeira padronizado, de diversas dimensões. Suas medidas convencionais básicas são 1.100mm x 1.100mm, como padrão internacional para se adequar aos diversos meios de transportes e armazenagem;

b) Caixas ou Gavetas: é a técnica de estocagem ideal para materiais de pequenas dimensões, como parafusos, arruelas, e alguns materiais de escritório; materiais em processamento, semi-acabados ou acabados. Os tamanhos e materiais utilizados na sua construção serão os mais variados em função das necessidades específicas de cada atividade.

c) Prateleiras: é uma técnica de estocagem destinada a materiais de tamanhos diversos e para o apoio de gavetas ou caixas padronizadas. As prateleiras constitui o meio de estocagem mais simples e econômico.

d) Raques: os raques são construídos para acomodar peças longas e estreitas como tubos, barras, tiras, etc.

e) Empilhamento: trata-se de uma variante da estocagem de caixas para aproveitamento do espaço vertical. As caixas ou pallets são empilhados uns sobre os outros, obedecendo a uma distribuição eqüitativa de cargas.

  1. 2009 - ANATEL - Técnico Administrativo

    A movimentação interna de materiais, mesmo quando necessária, em nada contribui para a agregação de valores ao produto final, podendo, apenas, se realizada de modo eficaz, minimizar os custos que impactam no custo final.

Segundo Ballou (1993), o manuseio ou a movimentação interna de produtos e materiais significa transportar pequenas quantidades de bens por distâncias relativamente pequenas, quando comparadas com as distâncias na movimentação de longo curso executadas pelas companhias transportadoras.

É atividade executada em depósitos, fábricas, e lojas, assim como no transbordo entre tipos de transporte. Seu interesse concentra-se na movimentação rápida e de baixo custo das mercadorias (o transporte não agrega valor e é um item importante na redução de custos). Métodos e equipamentos de movimentação interna ineficientes podem acarretar altos custos para a empresa devido ao fato de que a atividade de manuseio deve ser repetida muitas vezes e envolve a segurança e integridade dos produtos.

  1. 2009 - ANATEL - Técnico Administrativo

    Se determinado órgão público adquirir 50 cartuchos de toner para as suas impressoras a laser, tais produtos deverão ser considerados como produtos acabados para o referido órgão.

Item errado.

Produto acabado ou final é aquele referente à atividade fim da organização.

Em se tratando de órgãos públicos, o mais comum é que a atividade fim seja um serviço, como a fiscalização de tributos ou da aplicação de leis, por exemplo. Dessa forma, o uso de material de expediente, de informática, gráfico, ferramentas, entre outros, não só não se constitui no produto final, como também não são incorporados no produto final. São os chamados materiais auxiliares, como o mencionado cartucho toner do enunciado do item.

Subsistemas da administração de recursos materiais

  1. 2007 - ANVISA – Técnico Administrativo

    A gestão de estoques é uma atividade característica da administração de materiais.

Item certo.

Segundo Gonçalves (2007), a Administração de Materiais divide-se em atividades específicas e complementares entre si, assim agrupadas:

Gestão de estoques – objetiva adequar os níveis de estoque às necessidades e à política de gestão de materiais da organização. Para tanto, utiliza técnicas de previsão de consumo, gerando sinais para a área de compras a fim de iniciar processos de aquisição. 

Gestão de compras – objetiva efetuar as aquisições/contratações demandadas pelos diversos órgãos componentes da empresa, bem como atender às solicitações da área gestora de estoques.

Gestão dos centros de distribuição – responsável pelo controle físico dos materiais, bem como pelo seu recebimento na organização, movimentação, armazenagem e distribuição interna.

  1. 2012 - MPE-PI - Técnico Ministerial - Área Administrativa

    A administração de materiais pode ser conceituada como um sistema integrado que garante o suprimento da organização, no tempo oportuno, na quantidade necessária, na qualidade requerida e pelo menor custo.

Item certo.

Segundo Martins (2000): “A Administração de Materiais é definida como sendo um conjunto de atividades desenvolvidas dentro de uma empresa, de forma centralizada ou não, destinadas a suprir as diversas unidades, com os materiais necessários ao desempenho normal das respectivas atribuições”.

  1. 2010 - TRT - 21ª Região (RN) - Técnico Judiciário - Área Administrativa

    A eficiente gestão de recursos materiais de uma organização compreende etapas relativas à adequada identificação de fornecedores, compras, transporte e armazenagem, bem como a informações financeiras e gerenciais que confiram confiabilidade ao processo.

Item certo.

Segundo Marco Aurélio P. Dias (1995), “A eficiente gestão de recursos materiais de uma organização compreende etapas relativas à adequada identificação de fornecedores, compras, transporte e armazenagem, bem como a informações financeiras e gerenciais que confiram confiabilidade ao processo”.

  1. 2009 - ANTAQ - Técnico Administrativo

    A administração de materiais efetiva visa minimizar o conflito existente entre as áreas-fim e as áreas-meio de uma organização, como a área de compras e a área financeira.

Item certo.

Segundo explica Wendell Leo, a administração de matérias visado harmonizar os conflitos existentes entres os departamentos e, para poder determinar a quantidade ideal que deve ter no estoque, adota a seguinte política de estoques:

• Estabelece metas para entregas dos produtos aos clientes;

• Quantidade / capacidade dos almoxarifados

• Previsão de estoques

• Lote econômico

• Rotatividade, prazo médio em dias

• Até que nível deverão oscilar os estoques para atender uma alteração de consumo

• Até que ponto será permitida a especulação com estoques, fazendo compra antecipada com preços mais baixos ou comprando uma quantidade maior para obter desconto.

  1. 2013 - TRT - 10ª REGIÃO (DF e TO) - Técnico Judiciário – Administrativo

    Tanto o modal rodoviário quanto o modal marítimo possibilitam a movimentação de qualquer produto, desde que se utilize o equipamento adequado a cada tipo de carga.

Item errado.

Viana (2000) enumera as principais modalidades de transporte das cargas, conforme sintetizado no quadro a seguir:

Rodoviário: destinado a cargas que demandam tempo relativamente rápido de entrega. No Brasil, esta modalidade é, de longe, a mais empregada. É destinado a pequenas e médias distâncias, apresentando boa relação custo X benefício. A estrutura para a distribuição rodoviária é composta pela malha de rodovias e pela disponibilidade de veículos.

Ferroviário: sua característica principal é o atendimento a longas distâncias, comportando cargas de grande volume. Apresenta um índice menor de acidentes, furtos e roubos, se comparado com o rodoviário. A estrutura de distribuição ferroviária compõe-se da malha ferroviária, de vagões e locomotivas.

Hidroviário / marítimo: muito voltado a transporte de cargas entre continentes, sendo que o tempo de entrega não é um fator preponderante. É o modal mais utilizado no comércio internacional, mediante o emprego de navios mercantes (cargueiros). A estrutura de distribuição, neste caso, é formada por navios de carga e pela estruturaportuária das localidades envolvidas.

Aeroviário: voltado ao transporte de carga no qual o tempo de entrega é um fator primordial. É ideal para pequenos volumes, com alto valor agregado e com urgência de entrega. A desvantagem fica por conta do maior custo e da menor capacidade de carga. A estrutura aeroviária é formada por aeronaves de transporte de carga, bem como por aeroportos.

Dutoviário: é um dos meios mais econômicos de transporte de cargas, muito voltado a grandes volumes de óleos, gás natural e derivados. Ex: oleodutos, gasodutos etc. A estrutura dutoviária é composta por canos / tubos cilíndricos ocos desenvolvidos conforme normas internacionais de segurança.

A banca CESPE, inicialmente, divulgou o gabarito como certo. No entanto, após os recursos, alterou o gabarito para errado, sob a seguinte justificativa:

A utilização do termo “qualquer produto” torna incorreta a afirmação feita no item. Dessa forma, opta-se por alterar o item”.

  1. 2013 - TRT - 10ª REGIÃO (DF e TO) - Técnico Judiciário – Administrativo

    Denomina-se carga unitizada a constituída de embalagens de transporte, arranjadas ou acondicionadas de modo a possibilitar seu manuseio, transporte e armazenagem por meios mecânicos, como uma única unidade.

Item certo.

Conforme Bowersox e Closs (2001), a unitização de cargas consiste na operação de união de mercadorias de peso, tamanho e formatos distintos em cargas de volumes unitários. Isso possibilita maior agilidade e segurança em processos de embarque e desembarque, aumentando substancialmente as velocidades de movimentação no armazém.

Ainda, Renato Fenili conceitua carga unitizada ou unitária como um conjunto de objetos que são mantidos, fisicamente, como uma unidade de carga durante o trânsito entre uma origem e um destino. Assim, diversos volumes distintos são acondicionados de maneira a constituírem unidades físicas maiores, com formatos padronizados, possibilitando o transporte e o acondicionamento mediante equipamentos usuais nos almoxarifados (como os paletes, prateleiras, etc.). Através da adoção da carga unitizada, reduzem-se os custos de manipulação da carga fracionada, bem como se aumenta a celeridade da movimentação de materiais.

  1. 2013 - TRT - 10ª REGIÃO (DF e TO) - Técnico Judiciário – Administrativo

    Os custos referentes à entrega da mercadoria por meio da modalidade de frete denominado FOB (free on board) estão inclusos no preço apresentado pelo fornecedor.

Item errado.

Frete FOB – Free on board

A sigla FOB em português pode ser traduzida por “Livre a bordo”. Neste tipo de frete, o comprador assume todos os riscos e custos com o transporte da mercadoria, assim que ela é colocada a bordo do navio. Por conta e risco do fornecedor fica a obrigação de colocar a mercadoria a bordo, no porto de embarque designado pelo importador.

Frete CIF - Cost, Insurance and Freight

Em português, a sigla CIF significa “Custo, Seguros e Frete”. Neste tipo de frete, o fornecedor é responsável por todos os custos e riscos com a entrega da mercadoria, incluindo o seguro marítimo e frete. Esta responsabilidade finda quando a mercadoria chega ao porto de destino designado pelo comprador.

Administração de Compras

  1. 2012 - ANATEL - Técnico Administrativo

    A análise de fornecedores executada pelo setor de compras de uma organização deve incluir os fornecedores ativos e os potenciais.

Item certo.

A escolha de um bom fornecedor é imprescindível para o setor de compras e a análise não deve se ater apenas aos fornecedores atuais, mas aos futuros fornecedores.

Fornecedores ativos: aqueles que gradativamente suprem as necessidades de bens e serviços da empresa. São aqueles a quem a empresa recorre normalmente quando precisa de materiais.

Fornecedores potencias: são fontes alternativas de fornecimento. Caso um fornecedor ativo não consiga fornecer os bens em determinada ocasião, é bom que a empresa tenha um “Plano B” para não ficar sem o material. Conforme o desempenho do fornecedor potencial, ele talvez consiga chegar ao cadastro de fornecedores ativos da empresa.

Não há um número fixo de fornecedores no cadastro para cada tipo de material, entretanto, é sugerível que se mantenha ao menos três fornecedores diferentes para cada item. Isto dificultará a interrupção do fluxo de fornecimento de materiais.

  1. 2012 - ANCINE - Técnico Administrativo

Compras é uma função paralela à administração de materiais que influencia o controle de estoques.

Item errado.

Segundo Gonçalves (2007), a Administração de Materiais divide-se em atividades específicas e complementares entre si, assim agrupadas:

Gestão de estoques – objetiva adequar os níveis de estoque às necessidades e à política de gestão de materiais da organização. Para tanto, utiliza técnicas de previsão de consumo, gerando sinais para a área de compras a fim de iniciar processos de aquisição. 

Gestão de compras – objetiva efetuar as aquisições /contratações demandadas pelos diversos órgãos componentes da empresa, bem como atender às solicitações da área gestora de estoques.

Gestão dos centros de distribuição – responsável pelo controle físico dos materiais, bem como pelo seu recebimento na organização, movimentação, armazenagem e distribuição interna.

Portanto, compras é uma função integrante (não paralela) à administração de materiais. Além disso, é o controle de estoque que influencia a gestão de compras, e não o inverso.

  1. 2012 - ANCINE - Técnico Administrativo

    A aquisição emergencial e rápida é uma das vantagens da centralização da função de compras nas organizações.

Item errado.

Renato Fenili apresenta as vantagens das funções de compras centralizadas e descentralizadas:

Centralizadas:

- Obtenção de maior economia de escala;

- Possibilita melhor controle global do processo de compras e dos estoques;

- Reduz o custo de pedido (menor número de pedidos e redução do quadro de pessoal);

- Evita a disparidade de preços de aquisição de um mesmo material por distintos compradores (o que poderia suscitar uma competição danosa entre eles).

Descentralizadas:

- Resposta mais rápida e ágil às solicitações de compra;

- Maior flexibilidade na negociação com fornecedores regionais;

- Maior autonomia funcional das unidades administrativas regionais.

Portanto, a aquisição emergencial e rápida é uma das vantagens da descentralização da função de compras nas organizações.

  1. 2012 - ANCINE - Técnico Administrativo

    Cabe ao comprador, além de especificar a qualidade, providenciar os meios apropriados de inspeção e testes de verificação que comprovem a qualidade por ele desejada.

Item certo.

De acordo com Chiavenato (1991), no recebimento do material comprado é verificado se a quantidade está correta e encaminhado para o controle de qualidade inspecionar a adequação do material às especificações técnicas determinadas no pedido de compra. A inspeção tem como objetivo determinar se o produto deve ser aprovado ou rejeitado observando os padrões de qualidade.

  1. 2012 - ANCINE - Técnico Administrativo

    Cabe ao departamento de compras manter boa articulação com o mercado fornecedor.

Item certo.

Os objetivos de compras devem estar a linhados aos objetivos estratégicos da empresa como um todo, visando o melhor atendimento ao cliente interno e externo.

Segundo Arnold (1999), os objetivos da função de compras podem ser subdivididos em quatro categorias:

- Obter mercadorias e serviços na quantidade e com a qualidade necessária.

- Obter mercadorias e serviços ao menor custo.

- Garantir o melhor serviço possível e pronta entrega por parte do fornecedor.

- Desenvolver e manter boas relações com os fornecedores e desenvolver fornecedores em potenciais.

Para satisfazer a esses objetivos, devem ser desempenhadas algumas funções básicas:

- Determinar as especificações da compra, qualidade certa, quantidade certa, e entrega certa (tempo e lugar).

- Selecionar o fornecedor (Fonte certa).

- Negociar termos e condições de compra.

- Emitir e administrar pedidos de compras.

  1. 2012 - TRE-RJ - Técnico Judiciário - Área Administrativa

    Em uma empresa que adote a descentralização de compras, cada uma das unidades dessa empresa terá um órgão de compras próprio para o atendimento de suas necessidades.

Item certo.

Segundo leciona Vasconcelos (1979), a descentralização no processo de compras ocorre quando cada loja toma suas próprias decisões em termos do que, quando e quanto comprar. Esse sistema pode ser adotado quando as unidades da rede estão localizadas geograficamente distantes ou quando os clientes apresentam preferências diferentes. Também é uma formatação adotada quando as lojas apresentam volumes expressivos de venda diferenciados entre suas unidades de negociação. Neste sentido, torna-se evidente que “à medida que a organização cresce, torna-se difícil para a alta administração manter o mesmo nível de centralização da decisão”.

  1. 2010 - ABIN - AGENTE TÉCNICO DE INTELIGÊNCIA - ÁREA DE ADMINISTRAÇÃO

    A carga unitária destina-se exclusivamente a definir lotes de compras, com o objetivo de facilitar a comunicação entre comprador e fornecedor.

Item errado.

Segundo Dias (1995), o critério de carga unitária baseia-se na constante necessidade de racionalização do espaço útil de armazenamento, com o máximo aproveitamento do conceito de cubagem. Porém, aliada à racionalização do espaço, a carga unitária favorece sobremaneira a boa movimentação do material, a rapidez de carga e descarga e, conseqüentemente, a redução dos custos.

Esse método consiste na arrumação ou composição de pequenos itens - pacotes ou unidades menores - em volumes dimensionados em peso, cubagem e quantidade maiores. Pode-se dizer também que o critério de carga unitária significa transformar as unidades simples em unidades múltiplas.

Logo, não se destina exclusivamente a definir lotes de compras, com o objetivo de facilitar a comunicação entre comprador e fornecedor.

  1. 2010 - ABIN - AGENTE TÉCNICO DE INTELIGÊNCIA - ÁREA DE ADMINISTRAÇÃO

    A fonte simples é caracterizada pela existência de apenas um fornecedor disponível no mercado, seja em razão de patentes, especificações técnicas, matéria-prima, seja em razão de localização.

Item errado.

Segundo Moraes (2005), o fornecimento à empresa pode ser caracterizado segundo três fontes:

Fonte única

O Fornecimento segundo fonte única requer exclusividade, devido à tipologia do produto ou a especificações por parte do fornecedor.

Fonte múltipla

Tal como o nome indica, são utilizados mais do que um fornecedor, o que gera uma maior concorrência entre si, desencadeando melhores preços e serviços para as empresas.

Fonte simples

Este tipo de fornecimento requer planeamento por parte das empresas. Compactua-se com um fornecedor, escolhido entre vários, com o intuito de um fornecimento por longo prazo.

Portanto, o item trouxe o conceito de fonte única de fornecedor, e não fonte simples.

  1. 2010 - ABIN - AGENTE TÉCNICO DE INTELIGÊNCIA - ÁREA DE ADMINISTRAÇÃO

    As funções da equipe de compras envolvem todo o processo de localização de fornecedores e fontes de suprimento, cotação, aquisição de materiais, acompanhamento da ordem de fornecimento junto aos fornecedores e o recebimento do material comprado, para controlar e garantir o fornecimento de acordo com a especificação solicitada.

Item certo.

De acordo com Dias (2010), a função compras tem por finalidade suprir as necessidades de materiais ou serviços, planejá-las quantitativamente e satisfazê-las no momento certo com as quantidades corretas, verificar se recebeu efetivamente o que foi comprado e providenciar armazenamento.

No entanto, Renato Fenili leciona que “Após efetuada a compra, a regra geral é que a entrega do material, pelo fornecedor, seja efetuada nos almoxarifados da organização. Neste instante, cessa a responsabilidade da área de compras. Essa rotina permite maior controle da entrada de material, bem como o tombamento do material permanente, que será incorporado ao patrimônio da empresa".

  1. 2008 - TJ-DF - Técnico Judiciário - Área Administrativa

    Análise da requisição de compra, recebimento e aceitação da mercadoria e aprovação da fatura para pagamento do fornecedor são fases do ciclo de compras.

Item certo.

Segundo Dias (1993), o ciclo de compras é composto de 9 fases:

1) Receber e analisar as requisições de compras;
2) Selecionar fornecedores. Encontrar fornecedores potenciais, emitir solicitações para cotações, receber e analisar cotações e selecionar o fornecedor correto (mínimo de três cotações);
3) Determinar o preço correto;
4) Emitir pedidos de compra;
5) Fazer um acompanhamento para garantir que os prazos de entrega sejam cumpridos;
6)
Receber mercadoria e verificar se o que foi entregue está de acordo com o pedido;
7) Armazenar e controlar o estoque;
8)
Aprovar a fatura para o pagamento do fornecedor e
9) Avaliar a performance do fornecedor. Continuidade ou eliminação.

  1. 2009 - ANTAQ - Técnico Administrativo

    Uma vantagem de se adotar a centralização do processo de compras é a obtenção de maior controle de materiais em estoque.

Item certo.

Renato Fenili apresenta as vantagens das funções de compras centralizadas e descentralizadas:

Centralizadas:

- Obtenção de maior economia de escala;

- Possibilita melhor controle global do processo de compras e dos estoques;

- Reduz o custo de pedido (menor número de pedidos e redução do quadro de pessoal);

- Evita a disparidade de preços de aquisição de um mesmo material por distintos compradores (o que poderia suscitar uma competição danosa entre eles).

Descentralizadas:

- Resposta mais rápida e ágil às solicitações de compra;

- Maior flexibilidade na negociação com fornecedores regionais;

- Maior autonomia funcional das unidades administrativas regionais.

  1. 2013 - TRT - 10ª REGIÃO (DF e TO) - Técnico Judiciário – Administrativo

    O sistema de compras de preço objetivo implica o conhecimento prévio do preço justo, o que proporciona uma verificação dupla no sistema de cotações.

Item certo.

Segundo Baily (2000), são características básicas para poder comprar melhor e encorajar novos e eficientes fornecedores:

a) sistema de compras a três cotações: tem por finalidade partir de um número mínimo de cotações para encorajar novos competidores. A pré-seleção das concorrentes qualificados evita o dispêndio de tempo com um grande número de fornecedores;

b) sistema de preço objetivo: o conhecimento prévio do preço justo, além de ajudar nas decisões do comprador, proporciona uma verificação dupla no sistema de cotações. Pode ainda ajudar os fornecedores a serem competitivos, mostrando-lhes que suas bases comerciais não são reais e que seus preços estão fora de concorrência;

c) duas ou mais aprovações: no mínimo duas pessoas estão envolvidas em cada decisão da escolha do fornecedor. Isto estabelece uma defesa dos interesses da empresa pela garantia de um melhor julgamento, protegendo o comprador ao possibilitar revisão de uma decisão individual. Não fosse só esta razão, poder-se-ia acrescentar mais uma: o sistema de duas aprovações permite que os mesmos estejam envolvidos no processo da compra, uma vez que a sua decisão esta sujeita a um assessoramento ou supervisão;

d) Documentação escrita: a presença de muito papel pode parecer desnecessária, porém fica evidente que a documentação escrita anexa ao pedido, além de possibilitar, no ato da segunda assinatura exame de cada fase de negociação, permite a revisão e estará sempre disponível junto ao processo de compras para esclarecer qualquer dúvida posterior.

  1. 2013 - TRT - 10ª REGIÃO (DF e TO) - Técnico Judiciário – Administrativo

    Denomina-se verticalização o processo em que a empresa se torna seu próprio fornecedor, passando ela própria a produzir internamente suas matérias-primas, para evitar a dependência de fornecedores externos.

Item certo.

Segundo Renato Fenili, a decisão sobre produzir ou adquirir um item de material no mercado é tomada pela cúpula da organização, considerando os custos e a estrutura envolvida. Nesse contexto, há duas estratégias possíveis: a verticalização e a horizontalização:

  • VerticalizaçãoProduz-se (ou tenta-se produzir) internamente tudo o que puder. Essa estratégia foi dominante nas grandes empresas, até o final do século passado, no intuito de assegurar a independência de terceiros (ex: General Motors). Mais raramente, há empresas que ainda se esforçam na verticalização de seus negócios (um exemplo seria a Faber-Castell que, na última década, esforçou-se na conquista da autossuficiência no plantio de madeira, matéria-prima na confecção de lápis). No entanto, verticalizar mostrou-se um negócio arriscado, já que se corre o risco da empresa ficar“engessada”, ou seja, a imobilização de recursos pode tornar o negócio pouco flexível.

    Horizontalização → Compra-se de terceiros o máximo de itens que irão compor o produto final. Esta estratégia é a grande tendência das empresas modernas. De modo geral, apenas os processos fundamentais (chamados core processes) não são terceirizados, por razões de segredos tecnológicos. A estrutura horizontalizada é típica do Sistema Toyota de Produção, que remete a terceiros cerca de 75% do processo produtivo.

Administração de Materiais no Setor Público

  1. CESPE - 2012 - ANATEL - Técnico Administrativo

    No objeto da licitação, inclui-se necessariamente a forma de obtenção dos recursos financeiros para a sua execução.

Item errado.

Conforme Lei nº 8.666/93

Art. 7, § 3º É vedado incluir no objeto da licitação a obtenção de recursos financeiros para sua execução, qualquer que seja a sua origem, exceto nos casos de empreendimentos executados e explorados sob o regime de concessão, nos termos da legislação específica.

  1. 2012 - TRE-RJ - Técnico Judiciário - Área Administrativa

    A aquisição por um órgão público de determinado item cujo valor estimado de compra seja de R$ 79.000,00 deve, necessariamente, ser precedida de licitação na modalidade convite.

Item errado.

Conforme Lei nº 8.666/1993

Art. 23. As modalidades de licitação a que se referem os incisos I a III do artigo anterior serão determinadas em função dos seguintes limites, tendo em vista o valor estimado da contratação:

I - para obras e serviços de engenharia:

a) convite - até R$ 150.000,00 (cento e cinqüenta mil reais);

b) tomada de preços - até R$ 1.500.000,00 (um milhão e quinhentos mil reais);

c) concorrência: acima de R$ 1.500.000,00 (um milhão e quinhentos mil reais);

II - para compras e serviços não referidos no inciso anterior:

a) convite - até R$ 80.000,00 (oitenta mil reais);

b) tomada de preços - até R$ 650.000,00 (seiscentos e cinqüenta mil reais);

c) concorrência - acima de R$ 650.000,00 (seiscentos e cinqüenta mil reais)

(…)

§ 4º Nos casos em que couber convite, a Administração poderá utilizar a tomada de preços e, em qualquer caso, a concorrência.

Ainda, há possibilidades dos casos de dispensa e inexigibilidade de licitação. Portanto, a aquisição por um órgão público de determinado item cujo valor estimado de compra seja de R$ 79.000,00 será, em regra (e não necessariamente), ser precedida de licitação na modalidade convite.

  1. 2008 - TST - Técnico Judiciário - Área Administrativa

    Nos códigos de ética das organizações, no que se refere a compras, devem ser consideradas as pessoas envolvidas com a especificação e a definição de quantidades dos bens a serem adquiridos, bem como aquelas responsáveis pelos contatos com fornecedores e pelas especificações de contratos de fornecimento.

Item certo.

As especificações não fazem parte das atividades da gestão de compras; entretanto, se os envolvidos nas especificações e definição de quantidades atuarem com má-fé, comprometerão as atividades de compras; por isso devem ser contemplados nos códigos de ética no que se refere a compras. Contatos com fornecedores e especificações de contratos são atividades da gestão de compras, logo os envolvidos devem estar contemplados nos códigos de ética.

  1. 2010 - MS - Técnico de Contabilidade

    Acerca das técnicas para minimização de custos e uso de material no âmbito do órgão central do sistema de serviços gerais da presidência da República, julgue o próximo item.

O servidor não pode delegar a terceiros a responsabilidade de passar pessoalmente material sob sua guarda a outrem, ainda que esteja impossibilitado.

Item errado.

Conforme Instrução Normativa nº 205/1988 – SEDAP (SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA)

10.7. Todo servidor ao ser desvinculado do cargo, função ou emprego, deverá passar a responsabilidade do material sob sua guarda a outrem, salvo em casos de força maior, quando:

a) impossibilitado de fazer, pessoalmente, a passagem de responsabilidade do material, poderá o servidor delegar a terceiros essa incumbência; ou

b) não tendo esse procedido na forma da alínea anterior, poderá ser designado servidor do órgão, ou instituída comissão especial pelo dirigente do Departamento de Administração ou da unidade equivalente, nos casos de cargas mais vultosas, para conferência e passagem do material.

  1. 2010 - MS - Técnico de Contabilidade

    Acerca das técnicas para minimização de custos e uso de material no âmbito do órgão central do sistema de serviços gerais da presidência da República, julgue o próximo item.

É dever do servidor comunicar, imediatamente, a quem de direito, qualquer irregularidade ocorrida com o material entregue aos seus cuidados.

Item certo.

Conforme Instrução Normativa nº 205/1988 – SEDAP (SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA)

10.1. É dever do servidor comunicar, imediatamente, a quem de direito, qualquer irregularidade ocorrida com o material entregue aos seus cuidados.

  1. 2010 - MS - Técnico de Contabilidade

    Acerca das técnicas para minimização de custos e uso de material no âmbito do órgão central do sistema de serviços gerais da presidência da República, julgue o próximo item.

Quando se tratar de material de procedência estrangeira, eventual indenização será feita com base no custo histórico.

Item errado.

Conforme Instrução Normativa nº 205/1988 – SEDAP (SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA)

10.4. Quando se tratar de material de procedência estrangeira, a indenização será feita com base no valor da reposição (considerando-se a conversão ao câmbio vigente na data da indenização).

  1. 2010 - MS - Técnico de Contabilidade

    Acerca das técnicas para minimização de custos e uso de material no âmbito do órgão central do sistema de serviços gerais da presidência da República, julgue o próximo item.

Em caso de extravio, o material deverá ser objeto de sindicância, ainda que seja de pequeno valor econômico.

Item errado.

Conforme Instrução Normativa nº 205/1988 – SEDAP (SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA)

10.6. Não deverá ser objeto de sindicância, nos casos de extravio, etc., o material de valor econômico, nos termos do subitem 3.1.1. da I.N./DASP nº 142/ 83.

INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 142, DE 05 DE AGOSTO DE 1983:

INVENTÁRIO, SINDICÂNCIA E/OU INQUÉRITO

3.1.1 DA MESMA FORMA, NÃO DEVERÁ SER OBJETO DE INVENTÁRIO, SINDICÂNCIA E/OU INQUÉRITO, NOS CASOS DE EXTRAVIOS ETC., O MATERIAL DE PEQUENO VALOR ECONÔMICO (EXCETUADO AQUELE QUE, POR SUA NATUREZA, COMO ARMAS, EXPLOSIVOS ETC., EXIJA A TOMADA DESSAS PROVIDÊNCIAS), CUJO CONTROLE, SE ADOTADOS TAIS PROCEDIMENTOS, SE REVELAR DE CUSTO SUPERIOR AO DO RISCO NA PERDA DO BEM.

  1. 2009 - ANATEL - Técnico Administrativo

    Quando um equipamento não mais puder ser utilizado para o fim a que se destina, devido à perda de suas características ou em razão da inviabilidade econômica de sua recuperação, tal equipamento será denominado material ocioso.

Item errado.

Conforme Decreto no 99.658/1990, que regulamenta, no âmbito da Administração Pública Federal, o reaproveitamento, a movimentação, a alienação e outras formas de desfazimento de material

Art. 3º, parágrafo único. O material considerado genericamente inservível, para a repartição, órgão ou entidade que detém sua posse ou propriedade, deve ser classificado como:

a) ocioso - quando, embora em perfeitas condições de uso, não estiver sendo aproveitado;

b) recuperável - quando sua recuperação for possível e orçar, no âmbito, a cinqüenta por cento de seu valor de mercado;

c) antieconômico - quando sua manutenção for onerosa, ou seu rendimento precário, em virtude de uso prolongado, desgaste prematuro ou obsoletismo;

d) irrecuperável - quando não mais puder ser utilizado para o fim a que se destina devido a perda de suas características ou em razão da inviabilidade econômica de sua recuperação.

Logo, quando um equipamento não mais puder ser utilizado para o fim a que se destina, devido à perda de suas características ou em razão da inviabilidade econômica de sua recuperação, tal equipamento será denominado material irrecuperável.

  1. 2013 - TRT - 10ª REGIÃO (DF e TO) - Técnico Judiciário – Administrativo

    É vedada a inclusão, no objeto da licitação, de fornecimento de materiais e serviços sem previsão de quantidades ou em quantitativos que não correspondam às previsões reais do projeto básico ou executivo.

Item certo.

Conforme Lei nº 8.666/1993

Art. 7º, § 4o É vedada, ainda, a inclusão, no objeto da licitação, de fornecimento de materiais e serviços sem previsão de quantidades ou cujos quantitativos não correspondam às previsões reais do projeto básico ou executivo.

Administração de Estoques

  1. 2012 - ANCINE - Técnico Administrativo

    A gestão ou administração dos estoques é responsável por equilibrar as necessidades de recursos das organizações.

Item certo.

Segundo Martins (2006), as principais funções de estoque são:

a) Garantir o abastecimento de materiais à empresa, neutralizando os efeitos de: demora ou atraso no fornecimento de materiais, sazonalidades no suprimento, riscos de dificuldade no fornecimento;

b) Proporcionar economias de escalas: através da compra ou produção em lotes econômicos, pela flexibilidade do processo produtivo, pela rapidez e eficiência no atendimento às necessidades.

  1. 2012 - ANCINE - Técnico Administrativo

    Na definição do nível adequado de estoque, devem ser consideradas as necessidades de uso dos itens guardados e desconsideradas as questões financeiras envolvidas.

Item errado.

Segundo leciona Leandro Callegari Coelho, manter os estoques no nível adequado não é uma tarefa fácil. Requer coordenação entre compras, vendas, previsão e planejamento da demanda. Estoques muito alto garantem o atendimento da demanda mas incorrem em custos elevados. Estoques baixos garantem baixos custos de manutenção mas corre-se o risco de perder vendas, que representam um custo intangível muito elevado.

Portanto, na definição do nível adequado de estoque, devem ser consideradas as necessidades de uso dos itens guardados, além das questões financeiras envolvidas.

  1. 2012 - TRE-RJ - Técnico Judiciário - Área Administrativa

    Para a construção da curva ABC dos itens de estoque, são necessários os seguintes dados: os consumos dos itens e os respectivos preços de aquisição ou preços médios devidamente corrigidos para uma mesma data.

Item certo.

Em síntese de Gonçalves (2004), a elaboração de gráficos com a curva ABC é simples desde que tenha disponíveis os consumos dos itens de estoque e seus preços de aquisição ou ainda seus preços médios devidamente corrigidos para uma mesma data. A correção pode ser utilizada conforme alguns índices econômicos (IGPM, variação do dólar ou outro índice mais adequado). O importante é não permitir que, na elaboração da curva, sejam utilizados preços muito defasados, o que pode provocar uma distorção nos resultados finais.

  1. 2012 - TRE-RJ - Técnico Judiciário - Área Administrativa

    O sistema de duas gavetas para controle de estoques é um método simplificado do sistema de reposições periódicas.

Item errado.

Segundo Renato Ribeiro Fenili, o sistema de duas caixas ou de duas gavetas (método simples indicado para produtos classe C) é uma das opções da organização com a finalidade de operacionalizar o método de reposição contínua, não periódica (ou ponto de pedido). Ao adotarmos a reposição contínua como política de ressuprimento de estoques de uma organização, fazemos um pedido de compra sempre que o estoque atingir determinada quantidade. Um modo simples de sabermos o exato instante de fazermos este pedido é o seguinte:

A gaveta (ou caixa) 1 possui os itens de material responsáveis para atender o consumo durante o período (sem que tenha sido feito o pedido de compra).

A gaveta (ou caixa) 2 é menor e apresenta uma quantidade de material suficiente para atender o consumo durante o tempo de reposição, somado ao estoque mínimo.

Desta forma, sempre que a gaveta (ou caixa) 1 ficar vazia, está na hora de fazermos um novo pedido de compra.

O funcionamento do sistema de duas gavetas pode ser sintetizado da seguinte maneira:

- as requisições de materiais são atendidas pela gaveta 1;

- quando a gaveta 1 ficar vazia, faz-se um novo pedido de compras;

- até que chegue o lote de compra, as requisições são atendidas pela gaveta 2;

- com o recebimento do lote de compra, completa-se o que foi consumido da gaveta 2 e o restante vai para a gaveta 1.

  1. 2012 - TRE-RJ - Técnico Judiciário - Área Administrativa

    O sistema de estocagem livre caracteriza-se pela não realização de controle de endereçamento dentro do almoxarifado.

Item errado.

Segundo leciona Max Anderson, normalmente são usados dois critérios de localização de material:

Sistema de Estocagem Fixo;

Sistema de Estocagem Livre.

Sistema de Estocagem Fixo: neste sistema é determinado um número de áreas de estocagem para um tipo de material, definindo-se, assim, que somente material deste tipo poderá ser estocado nos locais marcados. Com esse sistema corre-se um risco muito grande de desperdício de áreas de armazenagem; em virtude do fluxo intenso de entrada e saída de materiais, dentro de um depósito pode ocorrer falta de determinado material, assim como excesso de outro. No caso de o material em excesso não ter local para ser guardado, ele ficará no "corredor". Ao mesmo tempo pode ocorrer que em outro corredor e em outra estante existam locais vazios, porque está faltando o material, o fornecimento está atrasado ou houve uma rejeição por parte do controle de qualidade.

Sistema de Estocagem Livre: neste sistema não existem locais fixos de armazenagem, a não ser, para materiais de estocagens especiais. Os materiais vão ocupar os espaços vazios disponíveis dentro do depósito. O único inconveniente deste sistema é o perfeito método de controle que deve existir sobre o endereçamento, sob o risco de possuir material em estoque perdido que somente será descoberto ao acaso ou na execução do inventário.

  1. 2012 - TRE-RJ - Técnico Judiciário - Área Administrativa

    Uma empresa necessita estocar 30.000 caixas de determinado item em pallets. Considerando-se que cada pallet comporte apenas 50 caixas e que cada posição do almoxarifado possua dois pallets, é correto afirmar que serão necessárias 300 posições para a estocagem das caixas.

Item certo.

30.000 caixas a serem estocadas em pallets. Cada pallet acondiciona 50 caixas. Logo, 30.000 / 50 = 600 pallets. Como cada espaço (posição) pode comportar 2 pallets, temos: 600 / 2 = 300 espaços (posições).

  1. 2012 - TJ-AL - Técnico Judiciário

    Ao se classificar um almoxarifado com base na classificação ABC, os itens mais volumosos e que agregam pouco resultado para a organização devem ser incluídos na(s) classe(s) B e C.

Item errado.

O Método da Curva ABC ou Princípio de Pareto(ou, ainda, Curva 80-20), é uma ferramenta segundo a qual os itens de material em estoque são classificados de acordo com sua importância, geralmente financeira.

Para Gonçalves (2007), o principal objetivo da análise ABC é identificar os itens de maior valor de demanda e sobre eles exercer uma gestão mais refinada, especialmente por representarem altos valores de investimentos e, muitas vezes, com impactos estratégicos para a sobrevivência da organização.

Na sistemática da Curva ABC, os itens de material em estoque são usualmente classificados de acordo com seu valor financeiro, mas existe a possibilidade de adoção de outros critérios, como, por exemplo, impacto na linha de produção, ou, itens mais requisitados pelos setores da organização.

No método da Curva ABC, os itens em estoque são classificados em três classes:

Classe A: itens de maior relevância

Classe B: itens de importância intermediária

Classe C: itens de menor relevância em estoque

Portanto, os itens mais volumosos e que agregam pouco resultado para a organização devem ser incluídos na classe B.

  1. 2012 - TJ-AL - Técnico Judiciário

    O método FIFO é indicado na gestão de estoques caso se deseje adotar um método de gestão de estoques onde os itens mais antigos ou seja que chegaram primeiro sejam os primeiros a sair.

Item certo.

Segundo Ferreira (2007), o critério PEPS, também conhecido como FIFO (first-in, first-out), apura que os primeiros artigos que entrarem no estoque serão aqueles que sairão em primeiro lugar. Assim, o custo da matéria-prima deve ser considerado pelo valor de compra desses primeiros artigos.

O critério UEPS, também conhecido como LIFO (last-in first-out), é um método de avaliar estoque bastante discutido. O custo do estoque é obtido como se as unidades mais recentes adicionadas ao estoque (últimas a entrar) fossem as primeiras unidades vendidas (saídas) (primeiro a sair). Pressupõe-se, deste modo, que o estoque final consiste nas unidades mais antigas e é avaliado ao custo das mesmas. Segue-se que, de acordo com o método UEPS, o custo dos artigos vendidos (saídas) tende a se reflectir no custo dos artigos comprados mais recentemente (comprados ou produzidos). Também permite reduzir os lucros líquidos expostos. Esse método não é aceito pela legislação brasileira.

O critério “Preço Médio Ponderado” é usado em empresas em que os seus estoques tenham um controle permanente, e que a cada aquisição, o seu preço médio seja actualizado, pelo método do custo médio ponderado. É o método utilizado nas empresas brasileiras para atendimeto à legislação fiscal. Empresas multinacionais com operações no Brasil frequentemente tem de avaliar o estoque segundo o método do custo padrão, para atender aos padrões da matriz, e também fazê-lo segundo o custo médio para atendimento à legislação brasileira.

O critério “Custo Padrão” é o método de custeio preconizado pelo USGAAP (United States Generally Accepted Accounting Principles). Nele, tanto as entradas de estoque quanto as saídas, são apropriadas ao custo padrão estabelecido pela empresa; usualmente é aquele que foi utilizado na elaboração do planejamento orçamentário anual. Toda diferença entre o preço real de compra (decorrente de variações de preço) ou custo real de produção (decorrente de variações na produtividade) são apropriados nas contas de variação do preço de compra ou variação de manufatura, respectivamente. Essas contas são contas de resultado, de modo que qualquer variação afeta diretamente o resultado do mês em que ocorre, ainda que o material não tenha sido vendido.

  1. 2012 - MPE-PI - Técnico Ministerial - Área Administrativa

    A curva ABC é importante instrumento para o administrador, porque permite controlar a entrada e a saída de bens do almoxarifado, de modo que os materiais mais antigos ou perecíveis sejam consumidos primeiramente.

Item errado.

O Método da Curva ABC ou Princípio de Pareto(ou, ainda, Curva 80-20), é uma ferramenta segundo a qual os itens de material em estoque são classificados de acordo com sua importância, geralmente financeira. Para Gonçalves (2007), o principal objetivo da análise ABC é identificar os itens de maior valor de demanda e sobre eles exercer uma gestão mais refinada, especialmente por representarem altos valores de investimentos e, muitas vezes, com impactos estratégicos para a sobrevivência da organização.

Segundo Ferreira (2007), o critério PEPS, também conhecido como FIFO (first-in, first-out), apura que os primeiros artigos que entrarem no estoque serão aqueles que sairão em primeiro lugar. Assim, o custo da matéria-prima deve ser considerado pelo valor de compra desses primeiros artigos.

Portanto, o item trouxe o conceito de critério PEPS, e não da ferramenta Curva ABC.

  1. 2012 - MPE-PI - Técnico Ministerial - Área Administrativa

    O estoque mínimo representa o nível crítico do estoque de um item. Ele sinaliza para o início do processo de reposição desse item no estoque e para a parada completa na movimentação de saída dos itens remanescentes até o fim do processo de reposição.

Item errado.

Conforme Dias (1993), o Estoque Mínimo (estoque de segurança) é a quantidade mínima que deve existir em estoque, que se destina a cobrir eventuais atrasos no suprimento, objetivando a garantia do funcionamento ininterrupto e eficiente do processo produtivo, sem o risco de faltas.

De acordo com Silva, Oliveira e Druzian (1994), o Estoque Mínimo seria um estoque morto que só existiria para enfrentar possíveis eventualidades. Ele representa capital empacado e inoperante.

Já o Ponto de Pedido, Limite de Chamada ou Ponto de Ressuprimento é a quantidade de item de estoque que ao ser atingida requer a análise para ressuprimento do item.

Assim, corrigindo o item teríamos:

O estoque mínimo representa o nível crítico do estoque de um item e pode ser utilizado para evitar a parada completa na movimentação de saída dos itens remanescentes até o fim do processo de reposição. Já o Ponto de Pedido sinaliza para o início do processo de reposição desse item no estoque.

  1. 2008 - TST - Técnico Judiciário - Área Administrativa

    Se um material apresenta consumo quinzenal de 60 unidades, estoque mínimo de um mês e tempo de reposição de 45 dias e não há pedidos pendentes de atendimento, então o seu ponto de pedido é de 300 unidades.

Item certo.

O Ponto de Pedido é calculado de acordo com a fórmula:

PP = (C X TR) + EM

Onde:

C = consumo médio do item

TR = tempo de reposição

ES = estoque mínimo ou de segurança

Assim, temos:

C = consumo médio = 60 unidades (quinzenal)

TR = tempo de reposição = 45 dias, ou seja, 3 quinzenas

EM = estoque mínimo = 1 mês = 120 unidades

Obs: deve utilizar as mesmas unidades de tempo.

Aplicando a fórmula, temos:

PP = (60 x 3) + 120

PP = 180 + 120 = 300

Portanto, quando o estoque estiver com 300 unidades, um novo pedido deve ser feito.

  1. 2010 - ABIN - AGENTE TÉCNICO DE INTELIGÊNCIA - ÁREA DE ADMINISTRAÇÃO

    Na curva ABC, os itens representados por C são os mais numerosos, embora o valor monetário do conjunto desses itens seja menos expressivo para a empresa.

Item certo.

Segundo Gonçalves (2007), o principal objetivo da análise ABC é identificar os itens de maior valor de demanda e sobre eles exercer uma gestão mais refinada, especialmente por representarem altos valores de investimentos e, muitas vezes, com impactos estratégicos para a sobrevivência da organização.

No método da Curva ABC, os itens em estoque são classificados em três classes:

Classe A: itens de maior relevância

Classe B: itens de importância intermediária

Classe C: itens de menor relevância em estoque

  1. 2010 - ABIN - AGENTE TÉCNICO DE INTELIGÊNCIA - ÁREA DE ADMINISTRAÇÃO

    Na avaliação dos estoques pelo custo de reposição, seus valores são atualizados em razão dos preços de mercado.

Item certo.

Segundo Chiavenato, a avaliação dos estoques pode ser feitos de quatro métodos diferentes; custos médios, avaliação pelo método PEPS (FIFO - first in, first out), avaliação pelo método UEPS (LIFO) e avaliação pelo custo de reposição.

No método pelo custo de reposição, o valor do estoque é sempre atualizado em função dos preços do mercado, e ainda tendo por base a elevação dos custos em curto prazo em relação à inflação.

  1. 2010 - ABIN - AGENTE TÉCNICO DE INTELIGÊNCIA - ÁREA DE ADMINISTRAÇÃO

    Ponto de pedido consiste na quantidade de estoque que, atingida, provoca um novo pedido de compra para reposição do estoque.

Item certo.

Segundo leciona Renato Fenili, Ponto de Ressuprimento (PR) ou Ponto de Encomenda (PE) ou Ponto de Pedido (PP) corresponde ao nível de estoque que, ao ser atingido, indica a necessidade de ressuprimento.

  1. 2010 - ABIN - AGENTE TÉCNICO DE INTELIGÊNCIA - ÁREA DE ADMINISTRAÇÃO

    No sistema de reposições periódicas, é fixa a quantidade pedida a cada reposição.

Item errado.

Segundo leciona Dias (2010), no Sistema de Revisão Contínua (Sistema Q) o estoque do item é monitorado continuamente ou

após cada transação. Quando o estoque descer a uma quantidade prefixada (Ponto de Ressuprimento), emite-se um novo pedido (compra ou requisição interna). A quantidade a comprar ou fabricar é sempre constante.

Já no Sistema de Revisão Periódica, os pedidos para reposição de estoques são feitos periodicamente, em quantidade variável, ou seja, somada com a existente em estoque, deve ser suficiente para atender o consumo até a chegada da encomenda seguinte.

  1. 2010 - ABIN - AGENTE TÉCNICO DE INTELIGÊNCIA - ÁREA DE ADMINISTRAÇÃO

    Por permitir fácil visualização, o sistema de duas gavetas é o método de escolha para controlar estoques dos itens de classe A.

Item errado.

Segundo Renato Ribeiro Fenili, o sistema de duas caixas ou de duas gavetas (método simples indicado para produtos classe C) é uma das opções da organização com a finalidade de operacionalizar o método de reposição contínua, não periódica (ou ponto de pedido). Ao adotarmos a reposição contínua como política de ressuprimento de estoques de uma organização, fazemos um pedido de compra sempre que o estoque atingir determinada quantidade. Um modo simples de sabermos o exato instante de fazermos este pedido é o seguinte:

A gaveta (ou caixa) 1 possui os itens de material responsáveis para atender o consumo durante o período (sem que tenha sido feito o pedido de compra).

A gaveta (ou caixa) 2 é menor e apresenta uma quantidade de material suficiente para atender o consumo durante o tempo de  reposição, somado ao estoque mínimo.

Desta forma, sempre que a gaveta (ou caixa) 1 ficar vazia, está na hora de fazermos um novo pedido de compra.

O funcionamento do sistema de duas gavetas pode ser sintetizado da seguinte maneira:

- as requisições de materiais são atendidas pela gaveta 1;

- quando a gaveta 1 ficar vazia, faz-se um novo pedido de compras;

- até que chegue o lote de compra, as requisições são atendidas pela gaveta 2;

- com o recebimento do lote de compra, completa-se o que foi consumido da gaveta 2 e o restante vai para a gaveta 1.

  1. 2010 - ABIN - AGENTE TÉCNICO DE INTELIGÊNCIA - ÁREA DE ADMINISTRAÇÃO

    O planejamento das necessidades de materiais (MRP) é um sistema que inter-relaciona previsão de vendas, planejamento da produção, programação da produção, programação de materiais, compras, contabilidade de custos e controle da produção.

Item certo.

Conforme leciona Henrique Correa, o MRP (Planejamento das Necessidades de Materiais) é um sistema de inventário que consiste em tentar minimizar o investimento em inventário. Em suma, o conceito de MRP é obter o material certo, no ponto certo, no momento certo. Tudo isto através de um planejamento das prioridades e a Programação Mestra de Produção.

Este sistema tem funções de planejamento empresarial, previsão de vendas, planejamento dos recursos produtivos, planejamento da produção, planejamento das necessidades de produção, controle e acompanhamento da fabricação, compras e contabilização dos custos, e criação e manutenção da infra-estrutura de informação industrial.

A grande vantagem da implantação de um sistema de planejamento das necessidades de materiais é a de permitir ver, "rapidamente", o impacto de qualquer replanejamento. Assim pode-se tomar medidas corretivas, sobre o estoque planejado em excesso, para cancelar ou reprogramar pedidos e manter os estoques em níveis razoáveis.

  • Diminuir custos de estocagem e movimentação

  • Tempo de vida e controle de validade em casos de produtos perecíveis. Além disto, o produto pode sofrer alterações de modelo, por exemplo.

  • Atendimento ao cliente.

  • Diminuir a improdutividade. A produtividade pode ser atingida e afetada por falta de materiais, tempo de preparação, quebra de máquina, hora extra, variação na equipe, etc.

  • Previsibilidade, incluindo a manutenção dos equipamentos, a previsão de compras e produção.

  • Capacidade da instalação para o atendimento, ou seja, a capacidade de atendimento ao cliente.

  • Diminuir o custo de materiais e transporte.

  • Diminuição do custo de obtenção.

  1. 2010 - ABIN - AGENTE TÉCNICO DE INTELIGÊNCIA - ÁREA DE ADMINISTRAÇÃO

    O inventário, ou levantamento físico para verificação de estoques, deve ser realizado uma única vez ao final do ano fiscal, para fins de declaração do imposto de renda da empresa.

Item errado.

Segundo Renato Fenili, Inventário Físico é o procedimento de levantamento físico e contagens dos itens de material em uma organização.

Vejamos a definição apresentada pela IN nº 205/1988 (SEDAP):

8. Inventário físico é o instrumento de controle para a verificação dos saldos de estoques nos almoxarifados e depósitos, e dos equipamentos e materiais permanentes, em uso no órgão ou entidade (…).

Há dois modos de se efetuar o inventário físico:

No inventário rotativo, estamos permanentemente contando os itens. O método consiste no levantamento rotativo, contínuo e seletivo dos materiais existentes em estoque ou daqueles permanentes distribuídos para uso. Sua vantagem é que não implica a necessidade de paralisação das atividades da organização, elaborando-se um cronograma de trabalho (de acordo com os interesses da empresa) que abranja todos os itens dentro de um período fiscal.

No inventário periódico (ou geral / anual), efetua-se a contagem de todos os itens em determinados períodos. Quando esta rotina é realizada no encerramento do exercício fiscal (o que é comum), o inventário é também chamado de geral. Neste caso, geralmente todo o processo operacional da empresa é paralisado – ou seja, “FECHADO PARA BALANÇO”.

Ainda, segundo a IN nº 205/1988 (SEDAP):

8.1. Os tipos de Inventários Físicos são:

a) anual - destinado a comprovar a quantidade e o valor dos bens patrimoniais do acervo de cada unidade gestora, existente em 31 de dezembro de cada exercício - constituído do inventário anterior e das variações patrimoniais ocorridas durante o exercício.

b) inicial - realizado quando da criação de uma unidade gestora, para identificação e registro dos bens sob sua responsabilidade;

c) de transferência de responsabilidade - realizado quando da mudança do dirigente de uma unidade gestora;

d) de extinção ou transformação - realizado quando da extinção ou transformação da unidade gestora;

e) eventual - realizado em qualquer época, por iniciativa do dirigente da unidade gestora ou por iniciativa do órgão fiscalizador.

  1. 2010 - ABIN - AGENTE TÉCNICO DE INTELIGÊNCIA - ÁREA DE ADMINISTRAÇÃO

    O índice de rotatividade é calculado pela razão entre estoque médio e consumo médio no período correspondente, representando uma estimativa do número de vezes que o estoque gira nesse período de tempo.

Item errado.

Segundo Chiavenato, o Índice de Rotatividade é calculado pela seguinte equação:

IR = Consumo médio no período / Estoque médio

Já a Taxa de Cobertura é calculada pela inversão dessa fórmula, isto é:

TC = Estoque médio / Consumo médio

Logo, o item trouxe a fórmula de Taxa de Cobertura, e não de Índice de Rotatividade.

Segundo Dias (2010):

Giro de estoque (ou rotatividade de estoque): é o número de vezes que o estoque de determinado item de material é renovado, em determinado período.

Taxa de Cobertura ou Antigiro: indica a quantidade de períodos que o estoque médio irá suportar o consumo médio.

  1. 2010 - ABIN - AGENTE TÉCNICO DE INTELIGÊNCIA - ÁREA DE ADMINISTRAÇÃO

    Os estoques de tubulação, ou de movimento, são formados por mercadorias em trânsito.

Item certo.

Segundo Arnold (1999):

Estoques de transporte de tubulação ou de movimento: esses estoques existem devido ao tempo necessário para transportar as mercadorias de um lugar para o outro, como nos casos dos produtos que saem de uma fábrica para chegar em um centro de distribuição ou um cliente.

  1. 2010 - ABIN - AGENTE TÉCNICO DE INTELIGÊNCIA - ÁREA DE ADMINISTRAÇÃO

    O estoque de segurança destina-se a proteger o sistema produtivo quando a demanda e o tempo de reposição variam ao longo do tempo.

Item certo.

Segundo Dias (2008), o estoque mínimo, também chamado de estoque de segurança, por definição, é a quantidade mínima que deve existir em estoque, que se destina a cobrir eventuais atrasos no ressuprimento, objetivando a garantia do funcionamento ininterrupto e eficiente do processo produtivo, sem o risco de faltas.

Entre as causas que ocasionam as faltas podemos citar: oscilação no consumo; oscilação nas épocas de aquisição (atraso no tempo de reposição); variação na qualidade, quando o Controle de Qualidade rejeita um lote; remessas por parte do fornecedor, divergente do solicitado; diferenças de inventário.

  1. 2010 - ABIN - AGENTE TÉCNICO DE INTELIGÊNCIA - ÁREA DE ADMINISTRAÇÃO

    No planejamento de um inventário devem ser incluídos a convocação e o treinamento das equipes inventariantes, bem como a arrumação física dos estoques e a preparação dos cartões de inventário, ou instrumento similar.

Item certo.

Renato Fenili enumera algumas medidas para que um inventário seja eficaz e eficiente:

1ª) Escalar uma equipe para a contagem que conheça o almoxarifado;

2ª) Treinar as equipes de acordo comas normas e procedimentos desenvolvidos para os inventários;

3ª) Organizar antecipadamente o local a ser inventariado;

4ª) Utilizar recursos tecnológicos para a contagem (como leitores e códigos de barra, por exemplo);

5ª) Proceder à recontagem, mesmo que por amostragem.

  1. 2010 - ABIN - AGENTE TÉCNICO DE INTELIGÊNCIA - ÁREA DE ADMINISTRAÇÃO

    No sistema de estocagem livre, apenas materiais de estocagens especiais são armazenados em local fixo.

Item certo.

Segundo Renato Fenili, no sistema de estocagem fixo há a pré-determinação de áreas de estocagem específicas de acordo com o tipo de material. Se, por um lado, este sistema facilita o controle, por outro suscita o desperdício de áreas de armazenagem, já que a falta de um tipo de material acarreta áreas “vazias”, ao passo que outro tipo de material em excesso, em outra área, ficaria “no corredor”.

No sistema de estocagem livre não existem locais pré-determinados para a estocagem (a não ser para materiais de demandam estocagem especial). Neste sistema, os materiais vão ocupando ao espaços vazios no almoxarifado, o que exige um elevado controle , sob o risco de incorrer na existência de material perdido em estoque.

  1. 2010 - MPU - Técnico Administrativo

    Considere que o responsável pelo setor de estoque de certa organização pretenda adotar um método de inventário físico que permita que os artigos de alta rotatividade sejam contados com mais frequência que os de baixa rotatividade. Nessa situação, o responsável pelo referido setor deve adotar o método de inventário periódico.

Item errado.

Segundo Marins e Alt (2006), o inventário rotativo é um método de inventário físico em que o estoque é contado em intervalos regulares, dentro de um exercício. Esses intervalos (ou ciclos) dependem do código de inventário rotativo definido para os materiais, permitindo que os artigos de alta rotatividade sejam contados com maior frequência do que os de baixa rotatividade, por exemplo.

Já o periódico é quando em determinados períodos – normalmente no encerramento dos exercícios fiscais, ou duas vezes por ano – faz-se a contagem física de todos os itens do estoque, Nessas ocasiões coloca-se um número bem maior de pessoas com a função específica de contar os itens. É uma força tarefa designada exclusivamente para este fim, já que tal contagem deve ser feito no menor espaço de tempo possível (geralmente de 1 a 3 dias).

  1. 2010 - MPU - Técnico Administrativo

    No Brasil, a utilização do método UEPS nas organizações é proibida tendo em vista aspectos de contabilidade de custos presentes na legislação tributária brasileira.

Item certo.

Em síntese:

PEPS: com esse método são gerenciadas as entradas e as saídas das mercadorias controladas na Ficha de Estoque, à medida que ocorrerem as vendas. Baixam-se as compras que ocorreram primeiro, ou seja, vendem-se antes as unidades que foram adquiridas primeiro. Com esse critério, a empresa atribuirá às mercadorias estocadas os custos mais recentes.

UEPS: ao contrário do método PEPS, o método UEPS gerencia as operações de entrada e saída de mercadorias tomando por base a avaliação do estoque pelo valor da última compra. Como o método UEPS utiliza o custo mais recente para as baixas, o estoque final tende a ficar avaliado pelos valores mais antigos, sendo o CMV maior do que o apurado pelo método PEPS.

Custo médio: este método, também chamado de método da média ponderada ou média móvel, baseia-se na aplicação dos custos médios em lugar dos custos efetivos. O método de avaliação do estoque ao custo médio é aceito pelo Fisco e usado amplamente.

Ainda, o artigo 295 do Regulamento de Imposto de Renda registra apenas as hipóteses de avaliação dos estoques pelos métodos do custo médio e do PEPS.

  1. 2010 - MPU - Técnico Administrativo

    De acordo com a classificação ABC, utilizada como método de administração de estoques, incluem-se na categoria C os itens presentes em menor quantidade no estoque.

Item errado.

Na Classificação ABC, os itens são divididos em três classes:

Classe A: pequeno número de itens responsáveis por alta participação no valor total dos estoques. Justificam procedimentos meticulosos no seu dimensionamento e controle.

Classe B: são itens intermediários entre as classes A e C. Os procedimentos de dimensionamento e controle não precisam ser tão meticulosos.

Classe C: são itens de menor importância, porém de maior quantidade, que não justificam procedimentos rigorosos de dimensionamento e controle.

  1. 2010 - MPU - Técnico Administrativo

    Considere que, em certa organização, serão estocadas, por um ano, 60.000 unidades de determinado item. Considere, ainda, que o preço de cada item seja igual a R$ 3,00 e que a taxa anual de armazenagem de cada item seja equivalente a 15% do seu preço. Nessa situação, o custo de armazenagem anual de todos esses itens será igual a R$ 30.000,00.

Item errado.

60.000 itens, a uma taxa anual de 15% de R$ 3,00. Logo, 60000 x R$ 0,45 = R$ 27.000.

  1. 2009 - ANATEL - Técnico Administrativo

    Há relação diretamente proporcional entre o custo de armazenagem e a quantidade de produtos existente em estoque. No entanto, quando o estoque estiver zerado, ainda assim haverá um mínimo de custo de armazenagem.

Item certo.

Segundo lição de Renato Fenili, os custos independentes tratam-se de um valor fixo, que independe da quantidade de itens em estoque. Seria o caso, por exemplo, do custo de manutenção dos depósitos e pátios de montadoras de automóveis. Independente da quantidade de peças e automóveis estocados, as despesas de manutenção permanecem constantes.

Outro exemplo seria o custo com a mão de obra para a administração de almoxarifados. Mesmo que o estoque seja zerado, o salário de seguranças, almoxarifes, carregadores e demais auxiliares deverá ser pago.

Estes custos (independentes) somam-se aos custos de armazenagem. Como dito anteriormente, caso o nível de estoque zerado, a organização ainda incorrerá em custos de armazenagem que são independentes de estoque.

  1. 2010 - INCA - Assistente em Ciência e Tecnologia

    O transporte e a gerência de estoques são funções básicas envolvidas em um sistema logístico.

Item certo.

Segundo Ballou (2001), ss funções básicas de um sistema logístico são apresentadas nesta ordem: compras e planejamento da produção; estoque; armazenagem e manuseio de materiais; serviço ao cliente; previsão de vendas; processamento de pedidos e sistemas de informação e, finalmente, a função logística transporte.

  1. 2010 - INCA - Assistente em Ciência e Tecnologia

    Na organização da saída de medicamentos do estoque de uma farmácia, adota-se o método first in, fist out (FIFO) quando saem apenas os medicamentos que estão mais tempo estocados.

Item certo.

Segundo Ferreira (2007), o critério PEPS, também conhecido como FIFO (first-in, first-out), apura que os primeiros artigos que entrarem no estoque serão aqueles que sairão em primeiro lugar. Assim, o custo da matéria-prima deve ser considerado pelo valor de compra desses primeiros artigos.

  1. 2008 - TJ-DF - Técnico Judiciário - Área Administrativa

    Predileção é um grupo de técnicas de previsão de consumo que tem como base a premissa de que o futuro será a repetição do passado.

Item errado.

Segundo Renato Fenili, no comportamento dinâmico do processo, existem as técnicas de previsão do consumo que se classificam em três grupos:

a) Projeção: admite-se que o futuro será a repetição do passado ou as vendas se elevarão com o tempo (grupo de natureza quantitativa).

b) Explicação: procura-se explicar as vendas do passado mediante leis que relacionem as mesmas com outras variáveis, cuja evolução é conhecida ou previsível. São aplicações de técnicas de regressão e correlação (grupo de natureza quantitativa).

c) Predileção: funcionários e conhecedores de fatores influentes nas vendas e no mercado estabelecem a evolução das vendas futuras (grupo de natureza qualitativa).

  1. 2008 - TJ-DF - Técnico Judiciário - Área Administrativa

    Tempo de reposição é o termo empregado para o período contado a partir da demanda de um bem a determinado fornecedor até a sua efetiva entrega na organização.

Item errado.

O tempo de reposição consiste no tempo gasto desde a averiguação de que o estoque necessita ser reposto (ponto de pedido) até a entrega efetiva do material no almoxarifado da empresa.

  1. 2009 - ANTAQ - Técnico Administrativo

    UEPS (último que entra primeiro que sai) e PEPS (primeiro que entra primeiro que sai) são métodos utilizados para realização de uma avaliação de estoques.

Item certo.

PEPS: com esse método são gerenciadas as entradas e as saídas das mercadorias controladas na Ficha de Estoque, à medida que ocorrerem as vendas. Baixam-se as compras que ocorreram primeiro, ou seja, vendem-se antes as unidades que foram adquiridas primeiro. Com esse critério, a empresa atribuirá às mercadorias estocadas os custos mais recentes.

UEPS: ao contrário do método PEPS, o método UEPS gerencia as operações de entrada e saída de mercadorias tomando por base a avaliação do estoque pelo valor da última compra. Como o método UEPS utiliza o custo mais recente para as baixas, o estoque final tende a ficar avaliado pelos valores mais antigos, sendo o CMV maior do que o apurado pelo método PEPS.

Custo médio: este método, também chamado de método da média ponderada ou média móvel, baseia-se na aplicação dos custos médios em lugar dos custos efetivos. O método de avaliação do estoque ao custo médio é aceito pelo Fisco e usado amplamente.

  1. 2009 - ANTAQ - Técnico Administrativo

    Para se fazer uma avaliação dos estoques, podem ser tomados por base o preço de custo ou preço de mercado.

Item certo.

Conforme Crepaldi (1999), no método PEPS as saídas do estoque obedecem ao critério de que os primeiros produtos a sair receberão o custo correspondentes a o das primeiras entradas no estoque (preço de custo).

Segundo Araújo (1987), no método UEPS as saídas correntes de materiais são avaliadas quanto ao preço, segundo o valor unitário do lote recebido mais recentemente (preço de custo).

Segundo Franscischini e Gurgem (2002), no método da Média Ponderada Móvel o valor médio de cada unidade em estoque altera-se pela compra de outras unidades por um preço diferente. Custo médio é o método mais utilizado pelas empresas, pelo qual se calcula a média entre o somatório do custo total e o somatório das quantidades, chegando a um valor médio de cada unidade. Cada valor médio de unidade em estoque se altera pela compra de outras unidades por um preço diferente (preço de custo).

De acordo com Dias (2009), no método Custo de Reposição a avaliação pelo custo de reposição tem como objetivo a elevação dos custos a um curto prazo em relação à inflação, ou seja, o valor da mercadoria que esta no estoque irá aumentar de acordo com a inflação, influenciando assim no preço de venda (preço de mercado).

Portanto:

Métodos PEPS, UEPS e Média Ponderada Móvel = preço de custo.

Método Custo de Reposição = preço de mercado.

  1. 2009 - ANTAQ - Técnico Administrativo

    O custo médio é o método de avaliação de estoque mais indicado para períodos inflacionários.

Item errado.

Renato Fenili explica que em um período inflacionário, podemos considerar que o método UEPS acaba por obter o menor valor possível para o estoque final, uma vez que os itens que deixam o estoque são considerados em seu valor mais recente (na inflação, este “valor mais recente” é maior).

Em contrapartida, o custo da mercadoria vendida – CMV (a que sai do estoque) – é o maior possível, acarretando um lucro menor (Lucro = Vendas Líquidas – CMV).

Teoricamente, já que estaríamos declarando um lucro menor, este método seria o mais indicado, já que implicaria menor tributação. Com este raciocínio, é possível afirmar que o enunciado está errado.

Observação: a análise da banca, nesta questão, chegou apenas ao ponto exposto acima. Assim, para o CESPE, em períodos inflacionários, o método de avaliação mais indicado para períodos inflacionários é o UEPS.

No entanto, cabe o registro de que o Regulamento do Imposto de Renda veda esta linha de ação. Desta maneira, o custo médio e o PEPS surgem como opções alternativas para períodos inflacionários, de acordo com o citado Regulamento.

  1. 2009 - ANAC - Técnico Administrativo

    Sistemas de produção embasados no método just in time são intensivos em utilização de espaço físico para estocagem de matéria-prima ou de mercadorias a serem vendidas pela organização.

Item errado.

O Just in Time é uma filosofia de gestão de estoque que defende a minimização dos níveis estocados como forma de redução de desperdícios. O método just in time defende a consecução de estoques mínimos (ou, até mesmo, do estoque nulo). Assim, não há de se falar em utilização intensiva de espaço físico para a armazenagem de itens de material.

  1. 2009 - ANAC - Técnico Administrativo

    Quanto à previsão de estoques, o método da média móvel utiliza como previsão de quantitativos de estoques para o próximo período o quantitativo verificado no período anterior.

Item errado.

No método da média móvel ou aritmética, a previsão do próximo período é obtida pela média aritmética simples dos períodos anteriores.

  1. 2009 - ANAC - Técnico Administrativo

    No método PEPS, a saída de estoque é sempre das unidades de mercadoria mais antigas, ficando no estoque as mais recentes.

Item certo.

Segundo Ferreira (2007), o critério PEPS, também conhecido como FIFO (first-in, first-out), apura que os primeiros artigos que entrarem no estoque serão aqueles que sairão em primeiro lugar. Assim, o custo da matéria-prima deve ser considerado pelo valor de compra desses primeiros artigos.

  1. 2009 - MEC - Agente Administrativo

    Ao garantir o estoque mínimo, o gestor de materiais terá a quantidade necessária de um item para suprir a organização em um período estabelecido mais o estoque de segurança.

Item errado.

Conforme Dias (1993), o Estoque Mínimo ou Estoque de segurança é a quantidade mínima que deve existir em estoque, que se destina a cobrir eventuais atrasos no suprimento, objetivando a garantia do funcionamento ininterrupto e eficiente do processo produtivo, sem o risco de faltas.

De acordo com Silva, Oliveira e Druzian (1994), o Estoque Mínimo seria um estoque morto que só existiria para enfrentar possíveis eventualidades. Ele representa capital empacado e inoperante.

Já o Ponto de Pedido, Limite de Chamada ou Ponto de Ressuprimento é a quantidade de item de estoque que ao ser atingida requer a análise para ressuprimento do item.

Portanto, estoque mínimo é o mesmo que estoque de segurança.

  1. 2009 - MEC - Agente Administrativo

    Quando adota uma administração de materiais em estoque que privilegia a saída dos materiais que deram entrada mais recentemente, o encarregado de material utiliza o método UEPS.

Item certo.

Conforme Renato Fenili, o método UEPS, ao contrário do método PEPS, gerencia as operações de entrada e saída de mercadorias tomando por base a avaliação do estoque pelo valor da última compra. Como o método UEPS utiliza o custo mais recente para as baixas, o estoque final tende a ficar avaliado pelos valores mais antigos, sendo o CMV maior do que o apurado pelo método PEPS.

  1. 2009 - MEC - Agente Administrativo

    Entre os principais objetivos a serem perseguidos pelo administrador de materiais inclui-se o alto giro do estoque.

Item certo.

Segundo Renato Fenili, um alto giro de estoque significa que menos capital encontra-se imobilizado nos almoxarifados. Ainda, significa que os itens de material estão sendo vendidos (em se tratando de uma empresa comercial), gerando lucro e aumentando ainda mais o capital de giro.

Giro de estoque (ou rotatividade de estoque): é o número de vezes que o estoque de determinado item de material é renovado, em determinado período.

  1. 2013 - TRT - 10ª REGIÃO (DF e TO) - Técnico Judiciário – Administrativo

    Entre as vantagens do empilhamento em bloco, destaca-se o uso de equipamentos simples e de fácil controle.

Item errado.

Conforme Dias (1993), empilhamento em bloco refere-se a unidades de carga empilhadas em cima umas das outras e armazenadas nas pistas ou blocos no piso do armazém. É considerada uma sistemática de complexidade média, já que possui como uma desvantagem a necessidade de utilização de equipamentos como empilhadeiras, guidastes, entre outros. As pallets são empilhadas em uma altura específica com base em um certo número de critérios, tais como a condição, peso da carga, a depuração da altura e da capacidade dos empilhadores

  1. 2013 - TRT - 10ª REGIÃO (DF e TO) - Técnico Judiciário – Administrativo

    A rotatividade de determinado estoque, considerando-se um consumo médio de 800 unidades/ano e um estoque médio de 200 unidades, é de 0,25 vez/ano.

Item errado.

Segundo Chiavenato, o Índice de Rotatividade ou Giro de Estoque é calculado pela seguinte equação:

IR (GE) = Consumo médio no período / Estoque médio

Assim, no caso do item teríamos:

800/200 = 4/ano.

Já a Taxa de Cobertura é calculada pela inversão dessa fórmula, isto é:

TC = Estoque médio / Consumo médio

Assim, no caso do item teríamos:

200/800 = 0,25 ao ano.

Logo, o item trouxe o resultado da Taxa de Cobertura, e não de Índice de Rotatividade.

Segundo Dias (2010):

Giro de estoque (ou rotatividade de estoque): é o número de vezes que o estoque de determinado item de material é renovado, em determinado período.

Taxa de Cobertura ou Antigiro: indica a quantidade de períodos que o estoque médio irá suportar o consumo médio.

  1. 2013 - TRT - 10ª REGIÃO (DF e TO) - Técnico Judiciário – Administrativo

    A alta periodicidade das revisões realizadas por determinada empresa que utilize o sistema de revisões periódicas para reposição de seus estoques acarreta alto estoque médio e alto custo de estocagem.

Item errado.

Segundo leciona Dias (2010), no Sistema de Revisão Contínua (Sistema Q) o estoque do item é monitorado continuamente ou

após cada transação. Quando o estoque descer a uma quantidade prefixada (Ponto de Ressuprimento), emite-se um novo pedido (compra ou requisição interna). A quantidade a comprar ou fabricar é sempre constante.

Já no Sistema de Revisão Periódica, os pedidos para reposição de estoques são feitos periodicamente, em quantidade variável, ou seja, somada com a existente em estoque, deve ser suficiente para atender o consumo até a chegada da encomenda seguinte. A periodicidade pequena entre revisões acarreta um estoque médio alto e conseqüentemente uma elevação no custo, enquanto a periodicidade alta entre revisões acarreta baixo estoque médio, tendo como conseqüência um aumento no custo do pedido e o risco de haver ruptura de estoque.

  1. 2006 - ANCINE - Analista Administrativo

    É função da administração de estoques minimizar o capital total investido em estoques, sem que com isso seja comprometida a cadeia de suprimentos.

Item certo.

Segundo Ballou (1993), o controle de estoques tem o objetivo de minimizar o capital total investido em estoques. Para tanto, faz-se necessário que as políticas de estoque sejam adequadamente definidas pela empresa determinando qual o tempo de entrega dos produtos ao cliente; até que nível deverá flutuar os estoques para atender uma alta ou baixa das vendas ou uma alteração de consumo; e definição da rotatividade de estoques. A gestão de estoques tem como objetivo tornar viável aos empresários o armazenamento das mercadorias sem causar grandes investimentos desnecessários, ou seja, a empresa vai estocar somente os materiais que realmente forem necessários, evitando assim, o comprometimento desnecessário do capital da empresa.

Administração Patrimonial

  1. 2012 - ANATEL - Técnico Administrativo

    Se um bem patrimonial for considerado antieconômico e irrecuperável, o procedimento correto para o seu descarte será o tombamento.

Item errado.

Conforme Instrução Normativa nº 205/1988 – SEDAP (SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA)

9.3. A recuperação somente será considerada viável se a despesa envolvida com o bem móvel orçar no máximo a 50% (cinquenta por cento) do seu valor estimado no mercado; se considerado antieconômico ou irrecuperável, o material será alienado, de conformidade com o disposto na legislação vigente.

Segundo Renato Ribeiro Fenili, em relação aos bens patrimoniais, após o recebimento, procede-se ao registro do bem, inscrevendo-o em uma relação de materiais sobre os quais deve haver um controle “especial”. Assim, de modo geral, as principais tarefas envolvidas nessa etapa podem ser relacionadas da seguinte maneira:

- Verificação se o material entregue nos almoxarifados corresponde à descrição da nota fiscal;

- Verificação se o material entregue corresponde à descrição da nota de empenho (no caso de órgãos públicos);

- Se as verificações dos itens anteriores ocorrerem sem maiores problemas, atesta-se a nota fiscal, afirmando que o material foi recebido);

- Conferência quantitativa e qualitativa do bem patrimonial;

- Incorporação do material permanente ao patrimônio da organização.

Esta incorporação é chamada de tombamento, ou seja, tombamento é o procedimento de identificação de um bem, efetuado na incorporação do bem ao patrimônio de uma organização. Por ocasião do tombamento, cadastram-se, em um banco de dados, informações essenciais do bem (características físicas, valor de aquisição, etc). O bem recebe um número patrimonial, pelo qual é identificado, e uma plaqueta (ou etiqueta, ou gravação), contendo este número de registro, é afixada no bem (quando possível).

  1. 2012 - ANATEL - Técnico Administrativo

    No inventário analítico, é imprescindível o apontamento do valor e do estado de cada item de patrimônio inventariado.

Item certo.

Conforme Instrução Normativa nº 205/1988 – SEDAP (SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA)

8.2. No inventário analítico, para a perfeita caracterização do material, figurarão:

a) descrição padronizada;
b) número de registro;
c) valor (preço de aquisição, custo de produção, valor arbitrado ou preço de avaliação);
d) estado (bom, ocioso, recuperável, antieconômico ou irrecuperável);
e) outros elementos julgados necessários.

Renato Ribeiro Fenili leciona que as informações coletadas no inventário físico são compiladas no inventário analítico, figurando a perfeita caracterização do material, através de dados como descrição padronizada, número de registro patrimonial, valor, estado, local de uso etc.

Segundo o autor, a Instrução Normativa nº 205/1988 (SEDAP), ao discorrer sobre o inventário analítico, estabelece o seguinte: “O bem móvel cujo valor de aquisição ou custo de produção for desconhecido será avaliado tomando como referência o valor de outro, semelhante ou sucedâneo, no mesmo estado de conservação e a preço de mercado”.

  1. 2012 - IBAMA - Técnico Administrativo

    Termos de inutilização ou de justificativa de abandono deverão ser utilizados para baixa patrimonial, sempre que for verificada a inconveniência ou impossibilidade de alienação para o material irrecuperável.

Item certo.

Conforme Decreto no 99.658/1990, que regulamenta, no âmbito da Administração Pública Federal, o reaproveitamento, a movimentação, a alienação e outras formas de desfazimento de material

Art. 17. São motivos para a inutilização de material, dentre outros:

I - a sua contaminação por agentes patológicos, sem possibilidade de recuperação por assepsia;

II - a sua infestação por insetos nocivos, com risco para outro material;

III - a sua natureza tóxica ou venenosa;

IV - a sua contaminação por radioatividade;

V - o perigo irremovível de sua utilização fraudulenta por terceiros.

Art. 18. A inutilização e o abandono de material serão documentados mediante Termos de Inutilização ou de Justificativa de Abandono, os quais integrarão o respectivo processo de desfazimento.

  1. 2012 - IBAMA - Técnico Administrativo

    O material, se for de pequeno valor, estará sujeito a tombamento e controle simplificado.

Item errado.

Segundo Renato Fenili, as boas práticas administrativas nos dão a seguinte orientação:

Materiais que apresentem baixo valor monetário, baixo risco de perda e/ou alto custo de controle patrimonial devem, preferencialmente, ser considerados como material de consumo.

Indica-se a consideração de um bem (ou lote de bens) de baixo valor monetário como material de consumo (e não como material permanente) pela simples razão de que o controle patrimonial pode ser oneroso à organização. Controlar, em si, é uma atividade que gera custos operacionais expressivos, em especial em termos de homens-hora. Assim, não faz sentido arcar com um gasto operacional de controle que pode até mesmo ultrapassar o valor do bem.

De forma mais específica, podemos recorrer posicionamento da Secretaria do Tesouro Nacional:

“Observa-se que, embora um bem tenha sido adquirido como permanente, o seu controle patrimonial deverá ser feito baseado na relação custo/benefício desse controle.

Nesse sentido, a Constituição Federal prevê o Princípio da Economicidade (artigo 70), que se traduz na relação custo-benefício, assim, os controles devem ser suprimidos quando apresentam como meramente formais ou cujo custo seja evidentemente superior ao risco.

Assim, se um material for adquirido como permanente e ficar comprovado que possui custo de controle superior ao seu benefício, deve ser controlado de forma simplificada, por meio de relação-carga, que mede apenas aspectos qualitativos e quantitativos, não havendo necessidade de controle por meio de número patrimonial. No entanto, esses bens deverão estar registrados contabilmente no patrimônio da entidade.”

O mesmo documento prevê a situação inversa: um material de consumo com significativa durabilidade ou valor relevante poderia ser incorporado ao patrimônio da organização:

“Da mesma forma, seum material de consumo for considerado como de uso duradouro, devido à durabilidade, quantidade utilizada ou valor relevante, também deverá ser controlado por meio de relação-carga, e incorporado ao patrimônio da entidade.”

  1. 2012 - IBAMA - Técnico Administrativo

    A atualização dos registros de controle orçamentário constitui objetivo do inventário físico.

Item errado.

Conforme Instrução Normativa nº 205/1988 – SEDAP (SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA)

8. Inventário físico é o instrumento de controle para a verificação dos saldos de estoques nos almoxarifados e depósitos, e dos equipamentos e materiais permanentes, em uso no órgão ou entidade, que irá permitir, dentre outros:

a)o ajuste dos dados escriturais de saldos e movimentações dos estoques com o saldo físico real nas instalações de armazenagem;
b) a análise do desempenho das atividades do encarregado do almoxarifado através dos resultados obtidos no levantamento físico;
c) o levantamento da situação dos materiais estocados no tocante ao saneamento dos estoques;

d) o levantamento da situação dos equipamentos e materiais permanentes em uso e das suas necessidades de manutenção e reparos; e

e) a constatação de que o bem móvel não é necessário naquela unidade.

8.1. Os tipos de Inventários Físicos são:

a) anual - destinado a comprovar a quantidade e o valor dos bens patrimoniais do acervo de cada unidade gestora, existente em 31 de dezembro de cada exercício - constituído do inventário anterior e das variações patrimoniais ocorridas durante o exercício.
b) inicial - realizado quando da criação de uma unidade gestora, para identificação e registro dos bens sob sua responsabilidade;

c) de transferência de responsabilidade- realizado quando da mudança do dirigente de uma unidade gestora ;

d) de extinção ou transformação - realizado quando da extinção ou transformação da unidade gestora;

e) eventual - realizado em qualquer época, por iniciativa do dirigente da unidade gestora ou por iniciativa do órgão fiscalizador.

Portanto, constitui objetivo do inventário físico a atualização dos registros de controle contábil, não orçamentário.

  1. 2012 - IBAMA - Técnico Administrativo

    Diferentemente da transferência ou cessão, a alienação ocorre por venda, permuta ou doação.

Item certo.

Conforme Decreto no 99.658/1990, que regulamenta, no âmbito da Administração Pública Federal, o reaproveitamento, a movimentação, a alienação e outras formas de desfazimento de material

Art. 3º Para fins deste decreto, considera-se:

I – material – designação genérica de equipamentos, componentes, sobressalentes, acessórios, veículos em geral, matérias-primas e outros itens empregados ou passíveis de emprego nas atividades dos órgãos e entidades públicas federais, independente de qualquer fator;

II – transferência – modalidade de movimentação de material, com troca de responsabilidade, de uma unidade organizacional para outra, dentro do mesmo órgão ou entidade;

III – cessão – modalidade de movimentação de material do acervo, com transferência gratuita de posse e troca de responsabilidade, entre órgãos ou entidades da Administração Pública Federal direta, autárquica e fundacional do Poder Executivo ou entre estes e outros, integrantes de qualquer dos demais Poderes da União;

IV – alienação – operação de transferência do direito de propriedade do material, mediante venda, permuta ou doação;

V – outras formas de desfazimento – renúncia ao direito de propriedade do material, mediante inutilização ou abandono.

  1. 2012 - ANCINE - Técnico Administrativo

    De acordo com o Decreto n.º 99.658/1990, os materiais a serem alienados por um órgão público deverão ser vendidos observando-se os preços atualizados e praticados pelo mercado.

Item certo.

Conforme Decreto no 99.658/1990, que regulamenta, no âmbito da Administração Pública Federal, o reaproveitamento, a movimentação, a alienação e outras formas de desfazimento de material

Art. 7º Nos casos de alienação, a avaliação do material deverá ser feita de conformidade com os preços atualizados e praticados no mercado.

Deixe aqui seu comentário a respeito deste artigo:

carregando...
Ocorreu um erro na requisição, tente executar a operação novamente.